Nazismo, o fascismo racista

  • Atualmente 2/5 Estrelas.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Nazismo, o fascismo racista Cartaz de propaganda nazista. É possível perceber a referência a Hitler e a simbologia militarista
Por Cláudio Fernandes
PUBLICIDADE

O Nazismo foi um movimento político que se originou na Alemanha na década de 1920. Esse movimento foi a versão racista do fascismo, na qual o povo nórdico, entre os quais estavam os alemães, seriam superiores aos demais povos do mundo e, dessa forma, deveriam dominá-los. O principal líder nazista foi Adolf Hitler (1889-1945) e sua subida ao poder político na Alemanha, na década de 1930, criou as condições para a eclosão da II Guerra Mundial, em 1939. O texto que o leitor agora tem acesso pretende apresentar em linhas gerais as principais características do nazismo.

Em 1917, foi criada por Gottfried Feder a Liga de Combate Alemã para a Destruição da Escravidão por Juro, transformada, em 1919, em Partido Operário Alemão. Hitler havia se aproximado desse grupo político, e em abril de 1920 mudaram o nome do partido para Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães (NSDAP). Em alemão o nome era Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei, sendo que das iniciais da primeira palavra deriva o termo nazi. Daí se referir aos nacional-socialistas como nazistas.

Uma das primeiras ações dos nazistas foi a tentativa de tomar o poder no estado alemão da Baviera, em 1923. Por ser um grupo pequeno, foram facilmente reprimidos pelas forças de repressão. Vários de seus membros foram presos, dentre eles, Hitler. Na prisão, Hitler começou a escrever um livro que seria uma das bases das concepções políticas do nazismo. O livro Minha Luta, publicado em 1925, expunha algumas das principais ideias da organização social do nazismo.

Haveria a necessidade de o povo alemão conquistar o “espaço vital”, expandindo o território alemão para o leste, em direção à Europa Oriental. O objetivo era conquistar as terras do leste para transformá-las em terras de produção agrícola para sustentar a população nórdica, principalmente pelo fato de os nazistas considerarem os eslavos, povos que habitam essa região, como uma raça inferior, como sub-homens. Os alemães se transformariam nos novos senhores, escravizando os povos eslavos.

O viés racista do nazismo também se manifestou contra os judeus, também considerados inferiores, mas diferentemente dos eslavos, não deveriam ser escravizados, e sim excluídos dos territórios alemães. O antissemitismo nazista se inseria também na perspectiva da superioridade da raça nórdica, chamada por Hitler de raça ariana, além do fato de o líder nazista apontar os judeus como responsáveis pela crise econômica e social que passava a Alemanha em 1920 e 1930.

Para garantir a expansão geográfica e o fortalecimento da raça nórdica, seria necessário um Estado centralizado, autoritário e forte para submeter os demais países à vontade dos alemães. O Estado forte somente seria possível através de uma ditadura, pois os regimes democráticos liberais seriam um obstáculo a tal objetivo.

Essas propostas justificariam-se em decorrência das sanções sofridas pela Alemanha no Tratado de Versalhes, em decorrência da derrota na I Guerra Mundial. A condenação do Tratado de Versalhes era uma forma de lutar contra a humilhação sofrida pelos alemães.

A crise econômica de 1929 ampliou os problemas alemães e favoreceu o fortalecimento dos nazistas. Nas eleições parlamentares de 1933, os nazistas conseguiram o maior número de votos e cadeiras no Reichstag, o parlamento alemão, principalmente através de um discurso nacionalista de melhorias sociais e econômicas. A força do partido no Reichstag garantiu a Hitler o cargo de chanceler alemão, função similar a de um primeiro-ministro.

Os nazistas opunham-se frontalmente aos comunistas e socialistas, apontados como movimentos políticos de judeus. Em fevereiro de 1933, o Reichstatg foi incendiado. Hitler apontou os comunistas como culpados e passou a persegui-los, pondo-os na ilegalidade. Em março do mesmo ano, novas eleições foram realizadas, ampliando o poder dos nazistas. Com isso, abriu-se o caminho para o partido nazista tornar-se o único permitido na Alemanha.

A bandeira nacional foi substituída pela bandeira nazista, cujo símbolo era a cruz gamada. O Estado alemão passou a ser o III Reich, ou o Terceiro Império alemão. Hitler concluiu a centralização do poder em suas mãos no ano de 1934. A partir daí passou a reprimir todos os descontentes e a criar campos de concentração e guetos, onde judeus e demais grupos considerados inferiores, como ciganos, homossexuais e comunistas, deveriam viver.

Um intenso processo de fortalecimento das forças armadas foi iniciado. Em 1939, Hitler invadiu a Polônia, iniciando a II Guerra Mundial. Os poloneses também eram eslavos, como russos e ucranianos, e foram os primeiros povos do leste europeu, considerados por Hitler como racialmente inferiores, a sofrerem os horrores da política nazista.


Por Tales Pinto
Graduado em História

Avaliação

4.0

    Escola Kids