Qual matéria está procurando ?

História

História

Holocausto

O Holocausto foi o nome que recebeu o genocídio realizado pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. O principal grupo que sofreu da matança sistemática foram os judeus, mas os nazistas também ordenaram a execução de negros, ciganos, homossexuais e testemunhas de Jeová, e estima-se que o resultado disso tenha sido, ao menos, seis milhões de mortos.

Os judeus referem-se ao Holocausto como Shoá (que significa “catástrofe” no idioma hebraico), sendo eles os que mais foram perseguidos durante o genocídio. As vítimas do Holocausto morreram de diversas formas, tais como: envenenamento em câmaras de gás e fuzilamento em massa.

Veja mais: Causas da 2ª Guerra – Período entreguerras, ascensão do nazismo e outros conflitos

Antissemitismo

Considera-se os judeus o grupo mais afetado pelas ações nazistas durante o Holocausto, pois eles foram a maioria absoluta dos mortos nesse genocídio. A perseguição a eles nesse contexto está relacionada com o antissemitismo, que se fortaleceu na Europa na segunda metade do século XIX. A sociedade alemã desse período já demonstrava fortes indícios desse sentimento.

O antissemitismo é a palavra que usamos para explicar a aversão/ódio que uma pessoa sente pelos judeus. Foi esse preconceito que moveu um país inteiro a persegui-los. Ao final da Primeira Guerra Mundial, o antissemitismo na Alemanha ganhou contornos de conspiração. Pessoas influentes daquela sociedade explicavam a derrota alemã nesse conflito como resultado de uma conspiração judia. Essa explicação ficou conhecida como “Teoria da punhalada nas costas”.

O antissemitismo foi o sentimento que agrupou pessoas em torno de grupos da extrema-direita alemã na década de 1920. Acredita-se que Hitler, líder do nazismo, tenha se tornado antissemita ainda na década de 1910, quando residiu em Viena, capital da Áustria.

O antissemitismo era um elemento crucial da ideologia nazista, e o discurso de ódio propagado durante toda a década de 1920 tornou-se ação prática quando os nazistas subiram ao poder da Alemanha, em 1933. Assim nascem os genocídios: o discurso de ódio, em algum momento, dá espaço para a perseguição física.

Acesse também: Operação Valquíria – a última tentativa de matar Adolf Hitler

Alemanha nazista

A perseguição aos judeus na Alemanha nazista era constante e visava à exclusão social deles em longo prazo. A mobilização da sociedade contra essas pessoas também era algo muito importante para o nazismo, pois garantia que suas ideias e ações fossem apoiadas e concretizadas.

De 1933 em diante, uma série de leis e ações voltaram-se contra os judeus. A primeira lei, nesse sentido, de abril de 1933, ficou conhecida como Lei para Restauração do Serviço Público Profissional, a qual decretou a exclusão dos judeus do serviço publico. Outras duas limitavam o acesso de judeus à universidade e impediam-nos de exercer certas profissões.

Durante o Holocausto, os judeus foram obrigados a utilizar essa estrela na roupa como forma de identificação.

A partir de 1935, os judeus deixaram de ser considerados cidadãos alemães pela Lei de Cidadania do Reich, tornando-se apenas “sujeitos de Estado”, isto é, pessoas que não tinham os direitos básicos de um cidadão, mas que, ainda assim, deveriam cumprir suas obrigações para com o Estado alemão.

O aprisionamento dos judeus em campos de concentração deu-se a partir de 1938, quando foi realizado um pogrom (ataque violento coordenado) contra eles em todo o território alemão. Esse ataque foi ordenado pela cúpula do nazismo como forma de vingar o assassinato de um diplomata alemão por um judeu em Paris.

O resultado disso foram centenas de lojas e sinagogas destruídas por toda a Alemanha, possíveis milhares mortes, e 30.000 judeus aprisionados e enviados para três campos de concentração. Esse acontecimento recebeu o nome de Noite dos Cristais, em alusão à quantidade de vidraças de lojas quebradas.

Segunda Guerra Mundial

Esse conflito iniciou-se em 1939 e foi o momento propício para que os nazistas tornassem a sua retórica, que defendia a eliminação dos judeus, em prática. Na medida em que a guerra saiu do controle da Alemanha, membros do governo nazista sugeriam ações para lidar com a “questão judia”.

Alguns defenderam a deportação dos judeus, e sugestões, como União Soviética e Madagáscar, foram consideradas, mas questões de logística e diplomáticas fizeram com que essa ideia fosse abandonada. A proposta que ganhou força foi o programa de eliminação dos judeus conhecido como Solução Final.

  • Solução Final

Esse termo foi um eufemismo utilizado pelos nazistas para referirem-se ao assassinato dos judeus em escala industrial. Nesse momento, aqueles desenvolveram aparatos de execução de indivíduos em dimensão gigantesca. A eliminação dos judeus, nesse plano, deu-se principalmente por duas frentes:

  • Grupos de extermínios;

  • Campos de extermínio.

Os nazistas decidiram aglomerá-los em locais como campos de concentração e guetos. Nesses campos, os judeus eram colocados em regime de trabalho forçado, e suas condições de vida eram ruins. Com o avançar da guerra, os nazistas desenvolveram os campos de extermínios, voltados exclusivamente para a execução.

A primeira forma de execução dos judeus ocorreu pelos grupos de extermínio, conhecidos no alemão como Einsatzgruppen. Esses grupos atuaram atrás das linhas alemãs no leste europeu e realizaram uma verdadeira “limpeza étnica”. Divididos em quatro grandes esquadrões, eles caçavam, agrupavam e executavam os judeus em um volume enorme.

A atuação desses grupos, porém, apresentou alguns problemas do ponto de vista nazista, pois a velocidade com qual eliminavam os judeus não era a desejada (os nazistas queriam que o volume das mortes aumentasse). Além disso, muitos membros dos grupos de extermínio desenvolviam problemas psicológicos por estarem envolvidos nas execuções de tantas pessoas.

Leia mais: Declaração Universal dos Direitos Humanos - documento motivado pelo Holocausto

  • Campos de concentração

Com isso, os nazistas decidiram fazer uso das câmaras de gás para incrementar o volume de mortes. Inicialmente, eles usavam essas câmaras para lidar com as pessoas que faziam parte do Programa de Eutanásia, que executava pessoas portadoras de deficiências físicas e intelectuais.

Nesse programa, as pessoas eram colocadas em câmaras de gás e nelas morriam por asfixia via monóxido de carbono. Esses dispositivos foram levados para os campos de extermínios, construídos com o fim de matar mais judeus. A partir do segundo semestre de 1941, foram construídos os seguintes campos de extermínio: Auschwitz-Birkenau, Chelmno, Majdanek, Sobibor, Treblinka e Belzec.

Auschwitz-Birkenau foi o maior campo de concentração/extermínio nazista e foi liberado em janeiro de 1945.

Todos eles ficavam na Polônia, e alguns fizeram uso do Zyklon-B, pesticida que liberava um gás altamente venenoso. Acredita-se que, somente nos campos de extermínio, cerca de três milhões de pessoas tenham morrido. A ação dos grupos de extermínio, além dos maus-tratos que os judeus sofriam cotidianamente nos campos de concentração, levou à morte outras milhões de pessoas.

O avanço das tropas aliadas, no final da Segunda Guerra, fez com que muitos campos de concentração e extermínio fossem liberados pelos norte-americanos e soviéticos. O caso mais simbólico aconteceu em 27 de janeiro de 1945, quando o exército soviético liberou Auschwitz. Se quiser aprofundar seus conhecimentos nesse tema, leia nosso texto: Segunda Guerra Mundial.

Créditos da imagem

[1] bondvit e Shutterstock

Por Daniel Neves Silva

Você pode se interessar também

História

Operação Valquíria

História

Holodomor

História

Racismo

História

Hebreus

Últimos artigos

Idade Moderna

Idade Moderna foi um dos períodos da História, iniciando-se em 1453 e finalizando-se em 1789. Foi o período dos regimes absolutistas e do surgimento do capitalismo.

Animais onívoros

Animais onívoros são aqueles que podem alimentar-se de algas ou plantas e também de outros animais. Porcos e baratas são exemplos de animais onívoros.

Réveillon e Ano-Novo

O Réveillon e o Ano-Novo são datas comemorativas de final e início de ano e remetem a comemorações diferentes.

Revolução Praieira

A Revolução Praieira foi a última revolução provincial que aconteceu no Brasil durante o período monárquico e abalou Pernambuco, de 1848 a 1850.