Qual matéria está procurando ?

Ciências

Ciências

Cavalo-marinho

O cavalo-marinho é um peixe ósseo que se destaca por apresentar uma cabeça que lembra a de um cavalo e porque os machos ficam grávidos.

Cavalo-marinho O cavalo-marinho apresenta uma cabeça que lembra a de um cavalo.

Cavalo-marinho é um peixe ósseo encontrado em águas costeiras tropicais e subtropicais. Existem cerca de 40 espécies de cavalos-marinhos, sendo que três podem ser encontradas no Brasil. Esses peixes possuem corpo coberto por placas ósseas e têm uma cabeça que lembra a de um cavalo. Seus olhos são capazes de se mover em diferentes direções, assim como os dos camaleões. Os cavalos-marinhos têm uma cauda que permite que eles se fixem em diferentes locais, como corais e raízes. Apresentam a capacidade de mudar de cor, sendo essa uma importante forma de proteção. Possuem como característica mais peculiar o fato de os machos serem os indivíduos que ficam grávidos.

Saiba mais: Golfinhos — mamíferos aquáticos da subordem dos cetáceos

Resumo sobre cavalo-marinho

  • Cavalos-marinhos são peixes ósseos do gênero Hippocampus.

  • São encontrados em águas costeiras tropicais e subtropicais.

  • Possuem corpo alongado coberto por placas ósseas e uma cabeça que lembra a de um cavalo.

  • Apresentam grande capacidade de camuflagem.

  • São animais carnívoros.

  • É nos cavalos-marinhos machos que ocorre a fecundação e a incubação.

Características do cavalo-marinho

Os cavalos-marinhos são peixes ósseos que apresentam tamanho variado, sendo que algumas espécies atingem cerca de 30 centímetros e outras apresentam apenas 13 milímetros de comprimento. Possuem corpo alongado e coberto por placas ósseas. Seu focinho é comprido, e a boca é pequena e tubular. Eles apresentam pequenas nadadeiras peitorais e apenas uma nadadeira dorsal. As fêmeas possuem nadadeira anal.

Esses animais são excelentes em camuflagem e capazes de mudar de cor rapidamente para se protegerem de predadores. Eles movem-se devagar na água e, para não serem levados pela correnteza, utilizam sua cauda curva para se prenderem a diferentes pontos de apoio, como algas, corais e plantas aquáticas. Seus olhos movem-se de forma independente um do outro, assim como os dos camaleões.

Estima-se que existam mais ou menos 40 espécies de cavalos-marinhos, todas pertencentes ao gênero Hippocampus, com diversas cores e formatos. No Brasil, existem apenas três espécies: Hippocampus reidi, Hippocampus erectus e Hippocampus patagonicus. A espécie mais comum em nosso território é a H. reidi.

Cavalos-marinhos fixos a estruturas pela cauda.
O cavalo-marinho utiliza sua cauda para se fixar no ambiente.

Habitat do cavalo-marinho

Os cavalos-marinhos vivem em águas costeiras tropicais e subtropicais, em especial nas costas do Atlântico e Mediterrâneo. As espécies que vivem em nosso território podem ser observadas por todo o litoral, vivendo em regiões de manguezais, lagunas, recifes, baías e bancos de algas.

Alimentação do cavalo-marinho

Os cavalos-marinhos são animais carnívoros e alimentam-se, principalmente, de pequenos crustáceos e outros pequenos animais, como algumas espécies de nematódeos. Para capturar sua presa, eles sugam a água. Vale destacar que a boca dos cavalos-marinhos não possui dentes.

Reprodução do cavalo-marinho

Uma das características mais curiosas desses peixes diz respeito à reprodução. Nesses animais, o desenvolvimento do filhote ocorre no interior do corpo do macho, em uma bolsa incubadora presente na região do abdômen.

Antes da cópula, os cavalos-marinhos realizam rituais de corte que lembram uma dança. Eles então formam casais que podem permanecer juntos por algumas estações reprodutivas. O macho coloca a abertura da bolsa na direção do poro genital da fêmea, para que ela possa liberar seus óvulos. Esses óvulos serão então fecundados, e os embriões crescerão dentro do corpo do macho.

Assim que os filhotes estão formados, o macho começa a ter contrações. O cavalo-marinho tem de 300 a 1000 filhotes, os quais saem pela abertura da bolsa do macho e já nascem com o formato dos adultos, sendo chamados de juvenis. Depois que nascem, os pequenos cavalos-marinhos não dependem mais do seu pai. Apesar da grande quantidade de animais nascidos, apenas uma pequena parcela sobrevive até a fase adulta, pois são frequentemente comidos por peixes maiores.

Veja também: Animais domésticos e silvestres — quais as diferenças?

Ameaças ao cavalo-marinho

Os cavalos-marinhos são animais que sofrem com muitas ameaças, principalmente em decorrência da pesca predatória e da destruição do local onde vivem. Esses graciosos bichinhos são frequentemente capturados para servirem de peça decorativa ou para serem colocados em aquários. Além disso, cavalos-marinhos também são utilizados para a fabricação de remédios caseiros e para simpatias e amuletos. Não podemos nos esquecer da pesca acidental, circunstância em que são capturados sem que essa seja a verdadeira intenção do pescador.

Por Vanessa Sardinha dos Santos

Você pode se interessar também

Ciências

Animais em extinção

Ciências

Caranguejo

Ciências

Cavalo

Ciências

Crustáceos

Últimos artigos

Sedentarização

A sedentarização foi o processo por meio do qual os humanos abandonaram o nomadismo, fixando-se em uma localidade.

Comidas de Festa Junina

Algumas comidas de Festa Junina são: a pamonha, o milho cozido, o milho assado, a canjica, o curau, o arroz-doce, a paçoca, o mané pelado, o pé de moleque e o bolo de milho.

Lixiviação

Lixiviação é um processo de degradação do solo que consiste na retirada de seus nutrientes pela percolação da água, o que reduz sua fertilidade e pode levar à desertificação.

Ciclo do Café

O ciclo do café foi o ciclo econômico em que o café predominou na economia brasileira. Iniciou em meados do século XIX, estendendo-se até metade do século XX.