Qual matéria está procurando ?

História

História

Período Homérico na Grécia Antiga

O Período Homérico é um período intermediário da história grega entre o fim da civilização micênica e a ascensão da civilização grega, de XII a.C. ao início do século IX a.C.

Busto de Homero em texto sobre Período Homérico da Grécia. Busto de Homero na atual Turquia. O Período Homérico recebeu esse nome por causa de Homero.[1]

O Período Homérico é um período histórico da Grécia que, de modo geral, se iniciou entre 1200 a.C. e 1150 a.C. e se encerrou entre os anos 800 a.C. e 700 a.C. Foi marcado pelo declínio da civilização micênica, que antecedeu a civilização grega. A periodização da história grega gera debates entre os historiadores e, consequentemente, as datas de início e fim do Período Homérico também variam, a depender do historiador.

O período se inicia com as invasões dórias na Grécia continental, o que levou ao declínio das cidades micênicas. Houve grande migração para a área rural e as cidades foram destruídas ou simplesmente abandonadas.

Durante o Período Homérico os gregos passaram a utilizar o ferro, o que possibilitou maior produtividade agrícola e fez com que os genos evoluíssem para as cidades-estados gregas, tão conhecidas por nós.

Leia também: Grécia Antiga — tudo sobre uma das mais importantes civilizações da história

Resumo sobre Período Homérico

  • O Período Homérico foi uma época da história da civilização grega que recebeu esse nome por causa de Homero, autor a quem é atribuída a escrita das obras Ilíada e Odisseia.
  • Existem poucas fontes e vestígios arqueológicos do Período Homérico, o que dificulta o estudo desse período.
  • O período foi marcado pela decadência da civilização micênica.
  • Durante o Período Homérico a escrita foi abandonada, assim como o uso de moedas nas relações comerciais.
  • A vida no Período Homérico foi tipicamente rural.
  • Durante esse período diversas comunidades gregas cresceram e se tornaram as primeiras cidades-estados.

Videoaula sobre Período Homérico

O que foi o Período Homérico?

O Período Homérico foi um período da história grega que vai do ano 1150 a.C. até o ano 800 a.C. Ele recebe esse nome porque, inicialmente, as únicas fontes existentes do período eram duas obras atribuídas a Homero, Ilíada e Odisseia.

A Guerra de Troia foi narrada por Homero na Ilíada.

A Ilíada narra a história da guerra entre gregos e troianos, iniciada após o rapto da rainha Helena, por Páris, príncipe de Troia. Ultrajados pelo rapto, os gregos cercaram Troia por dez anos, e o cerco só terminou após os gregos utilizarem o Cavalo de Troia para conseguir abrir os portões da cidade e conquistá-la. Participaram da guerra heróis como Ajax, Aquiles, Odisseu e Heitor.

A Odisseia narra a história de Odisseu, chamado pelos romanos de Ulisses. Na Odisseia o herói grego tenta de todas as formas voltar para sua cidade natal, Ítaca. Após dez anos, enfrentando diversos desafios, ele consegue retornar para sua casa, recuperando a família e seu trono.

→ Decadência dos micênicos

A partir de 1600 a.C., os micênicos, que se autodenominavam aqueus, construíram uma grande civilização na região da atual Grécia, mantendo relações comerciais com regiões distantes como o Egito, o Levante e a Ásia Menor. As cidades micênicas eram muradas, com muralhas que podiam chegar a 8 metros de altura. A principal cidade edificada por eles foi Micenas, que acabou nomeando a civilização.

Por volta de 1200 a.C. a civilização micênica entrou em um processo de decadência, com muitas pessoas deixando as cidades e migrando para as áreas rurais. Grande parte das cidades foram abandonadas.

Vista aérea das ruínas de Micenas, cidade grega que se estabeleceu antes do Período Homérico.

Existem duas principais teorias que tentam explicar a decadência micênica. A primeira delas defende que diversos terremotos, seguidos por tsunamis, foram os responsáveis. E a segunda defende que as invasões dórias foram as responsáveis pelo colapso da civilização micênica. Alguns historiadores defendem que os dois fenômenos ocorreram juntos.

Veja também: Peste de Atenas — uma punição dos deuses gregos?

Contexto histórico do Período Homérico

O Período Homérico se iniciou por volta de 1150 a.C., quando a civilização micênica entrou em decadência e suas cidades foram abandonadas. No início do Período Homérico os gregos viviam em comunidades familiares, chamadas de genos. Segundo as pesquisas arqueológicas, houve redução no comércio entre as cidades gregas, assim como no comércio de longa distância. Também houve redução da população da região da Grécia, e as edificações, como templos e túmulos, se tornaram mais simples.

No final do Período Homérico se iniciou um processo em que os genos passaram a crescer e a formar alianças com outros genos, muitas vezes a aliança de genos possuía um único líder. Esse processo de crescimento e união dos genos levou à origem das primeiras cidades-estados gregas, como Atenas e Esparta.

Características do Período Homérico

→ Sociedade grega no Período Homérico

Os micênicos possuíam cidades-estados governadas por monarcas que eram auxiliados por um conselho, composto na maioria das vezes por membros de uma aristocracia militar. A vida social nas cidades micênicas era hierarquizada, composta por diferentes grupos sociais.

No Período Homérico as cidades micênicas foram abandonadas e a vida no genos passou a ser predominante em toda região do Mar Egeu. O geno era composto por uma grande família, na qual tios, primos, irmãos, escravos e agregados eram vistos como membros.

O geno era geralmente governado por um páter, que era responsável pelo controle da produção agrícola, pela justiça, religião e pela organização militar. A produção dos genos era coletiva, assim com o uso das terras e das ferramentas e animais necessários para o trabalho.

→ Economia grega no Período Homérico

A economia do Período Homérico se baseava na agricultura. O trigo, a cevada e a uva eram alguns dos alimentos cultivados no período. Também eram criados animais como bois, vacas, cabras, cabritos, ovelhas e carneiros. Com o leite os gregos produziam queijo e com a uva, o vinho, a bebida mais apreciada na época.

Existiam pequenas vinícolas em cada geno, com lagar, onde a uva era pisada, e ânforas de cerâmica, onde o suco de uva era fermentado até se transformar em vinho. A produção têxtil também era realizada no próprio geno, o linho e a lã eram as principais fibras utilizadas no período. Cada geno possuía ainda uma olaria, onde tijolos, telhas, lamparinas e ânforas eram produzidos.

Os achados arqueológicos indicam que, no Período Homérico, o comércio perdeu importância econômica e as comunidades rurais eram autossuficientes.

→ Cultura grega no Período Homérico

Os artefatos arqueológicos mais comuns encontrados nas necrópoles do Período Homérico são artefatos cerâmicos. Entre os artefatos cerâmicos escavados estão urnas funerárias ricamente decoradas, assim como vasos, vasos crateras e lamparinas.

Cerâmica grega em estilo protogeométrico.[2]

A cerâmica do Período Homérico era decorada com um estilo chamado protogeométrico, no qual linhas e algumas formas geométricas eram pintadas sobre a cerâmica. Também foram encontradas cerâmicas decoradas com figuras humanas em cenas do cotidiano e de batalha.

Principais acontecimentos do Período Homérico

→ Uso do ferro

Devido às poucas fontes do período, o estudo do Período Homérico possui grandes limitações, mas os achados arqueológicos apontam que um importante acontecimento no mundo grego ocorreu no período: o uso do ferro. No início do Período Homérico o bronze era o principal metal utilizado na produção das armas e das ferramentas agrícolas.

Durante o Período Homérico os gregos passaram a praticar a metalurgia do ferro, metal mais abundante no planeta, o que barateou a produção de objetos de metal. Com o ferro as ferramentas agrícolas se tornaram mais eficientes e duráveis, possibilitando o aumento da produção agrícola. A maior oferta de alimentos possibilitou o aumento demográfico que, por sua vez, levou à origem das primeiras cidades-estados gregas.

→ Guerra de Troia

A Guerra de Troia pode ou não ser outro importante acontecimento do Período Homérico. A história da guerra e do cavalo de pau é conhecida por quase toda a humanidade, mas muitos historiadores acreditam que ela não aconteceu, pelo menos não como foi descrita por Homero.

Existe na atual Turquia um sítio arqueológico que, no século XIX, acreditava-se ser a antiga Troia. Mas as escavações arqueológicas não mostram presença dos gregos continentais neste sítio, o que torna improvável as ruínas pertencerem à antiga Troia.

A existência do próprio Homero é questionada pelos historiadores. Hoje é aceito que Ilíada e Odisseia são compilações de diversos mitos antigos, talvez do Período Micênico. Alguns defendem que Homero era, na verdade, o nome pelo qual os contadores de história eram chamados e que, de fato, existiram diversos Homeros.

Diversos “Homeros” podem ter sido responsáveis pelos mitos na Grécia Antiga.

Fim do Período Homérico

Durante o Período Homérico os antigos genos evoluíram para as cidades-estados gregas. Quando elas se estabeleceram, o período terminou e se iniciou o Período Arcaico, também chamado de Pré-Clássico. 

O Período Homérico pode ser dividido em duas partes:

  • a primeira marcada pela decadência, com o abandono da escrita, das moedas e do comércio;
  • a segunda marcada por um renascimento, com um novo sistema de escrita sendo adotado, com a volta do comércio de curta e longa distância e por uma explosão nas artes, na ciência e na filosofia.

Saiba mais: Guerra Médicas — conflito travado entre as cidades-estados gregas e o Império Persa

Períodos históricos da Grécia Antiga

Existem diversas formas de periodizar a história da Grécia antiga, mas na maioria das vezes ela é dividida em cinco períodos.

  • Período Pré-Homérico: cerca de 2000 a.C. até 1150 a.C. Durante esse período duas grandes civilizações se desenvolveram no Mediterrâneo, a minoica, na Ilha de Creta, e a micênica, na Grécia Continental. Período de cidades-estados, governadas por monarcas, cercadas por muralhas e que contavam com exércitos. Saiba mais sobre esse período clicando aqui.
  • Período Homérico: cerca de 1150 a.C. até 800 a.C. Período de decadência da civilização grega, provocada pela invasão dos dórios, povo guerreiro que desestabilizou o mundo micênico. No período os gregos passaram a viver nos genos, nas áreas rurais. Houve redução do comércio e a escrita foi abandonada.
  • Período Arcaico: séculos VIII a.C. até VI a.C. Período no qual as cidades-estados gregas se estabeleceram. No período duas cidades passaram a se destacar no mundo grego, Atenas e Esparta.
  • Período Clássico: séculos V. a.C. e IV a.C. Momento no qual a civilização grega atingiu seu auge em diversos campos, como nas artes, arquitetura, teatro, literatura, entre tantos outros. Em Atenas, a Acrópole foi concluída, com destaque para o Paternon, um símbolo da arquitetura grega. A democracia também se estabeleceu nesse período, e a Assembleia passou a ser a principal instituição decisória da cidade. Para saber mais sobre esse período, clique aqui.
  • Período Helenístico: século IV a.C. até I a.C. A Guerra do Peloponeso – travada entre a Liga de Delos, chefiada por Atenas e a Liga do Peloponeso, e liderada por Esparta – enfraqueceu as cidades gregas e possibilitou a conquista delas por Felipe II, da Macedônia. Alexandre, o Grande, sucessor de Filipe II, levou a cultura grega para diversos lugares do mundo, como Egito, Pérsia e Índia. A difusão da cultura grega e a fusão dela com culturas orientais são as principais características do Período Helenístico. Saiba mais sobre esse período clicando aqui.

Exercícios resolvidos sobre Período Homérico

1 - (Mackenzie) "Conta a história que, com a ajuda de Atena, Epeu construiu um grande cavalo de madeira, onde escondeu guerreiros. Ulisses ardilosamente introduziu-o em Troia para que os guerreiros a saqueassem." Em sua obra, o autor transformou a luta pelo controle do estreito de Dardanelos (Helesponto) num conflito envolvendo deuses e heróis. A obra e o respectivo autor são:

a) A República - Platão.
b) Édipo Rei - Sófocles.
c) A Ilíada - Homero.
d) Os Sete Contra Tebas - Ésquilo.
e) A História da Guerra do Peloponeso - Tucídides.

Resposta: Alternativa C

Foi na Ilíada que Homero escreveu sobre o lendário cavalo de madeira que colocou fim à Guerra de Troia, que já durava dez anos.

2 - “A Ilíada e a Odisseia são, certamente, fruto de uma longa tradição oral em que os poetas (chamados aedos) declamavam os episódios da guerra de Troia e as aventuras de Odisseu. Esses relatos eram cantados acompanhados por música, e passados de geração em geração, tendo sofrido muitas alterações e adaptações. Só mais tarde, cerca de 550 a.C., os poemas foram escritos pela primeira vez.”

Marcelo Rede. A Grécia antiga. São Paulo: Saraiva, 2012, p. 16.

A partir do texto e de seus conhecimentos, pode-se afirmar que a Ilíada e a Odisseia são:

a) relatos que, à época, alimentavam a profunda rivalidade e os ininterruptos conflitos, hoje bastante estudados, entre gregos e troianos.

b) fonte importante para os historiadores, pois acumulam informações sobre diferentes épocas e sobre o funcionamento da sociedade grega.

c) registros sobre uma guerra decisiva, cuja precisão e veracidade podem ser confirmadas pela farta documentação hoje conhecida sobre Troia.

d) poemas interessantes, mas inúteis para os historiadores, pois suas informações não são verdadeiras e suas bases não são científicas.

Resposta: Alternativa B

Odisseia e Ilíada, obras atribuídas a Homero, são de fundamental importância para o estudo da Grécia Antiga. A obra nos dá importantes pistas sobre a religiosidade grega, suas crenças, organização social, estratégias militares, entre muitos outros aspectos.

Créditos das imagens

[1] bubu.com/ Shutterstock

[2] Wikimedia Commons

Fontes

CARTLEDGE, Paul. Grécia Antiga. Editora Ediouro, São Paulo, 2009.

FUNARI, Pedro Paulo. Grécia e Roma. Editora Contexto, São Paulo, 2011.

SILVA, Lorena Pantaleão da. Grécia e Roma e seus reflexos nos dias atuais. Editora InterSaberes, Paraná, 2017.

Por Jair Messias Ferreira Junior

Você pode se interessar também

História

Alexandre e o Reino da Macedônia

História

Atenas

História

Bárbaros (povos germânicos)

História

Civilização Fenícia

Últimos artigos

Folclore brasileiro

O folclore brasileiro é o rico conjunto de manifestações de nossa cultura. Mitos, lendas, danças, músicas, brincadeiras e festas populares fazem parte dele.

El Niño

O El Niño é um fenômeno descrito pelo aquecimento anormal das águas do Oceano Pacífico, provocando chuvas volumosas no Sul do Brasil e secas severas no Norte e no Nordeste.

Bicho-papão

Bicho-papão é uma lenda presente no folclore brasileiro que fala de um monstro que sequestra e devora crianças desobedientes. Foi influência portuguesa em nossa cultura.

Queda da Bastilha

A queda da Bastilha foi um acontecimento marcante que se passou em 14 de julho de 1789, marcando o início da Revolução Francesa.