Qual matéria está procurando ?

Geografia

Geografia

Setor secundário

Setor secundário da economia é o segmento responsável pela transformação de matérias-primas em mercadorias e produtos acabados. É muito importante para a geração de empregos.

Trabalhador da indústria com roupa de segurança fazendo solda, um exemplo de atividade do setor secundário da economia. O setor secundário da economia é caracterizado pela transformação das matérias-primas em outros tipos de produtos.

O setor secundário é uma das subdivisões das atividades econômicas que compreende a indústria e a construção civil. A principal função do setor secundário é a fabricação de mercadorias por meio da transformação das matérias-primas oriundas do setor primário e de insumos que, em alguns casos, são provenientes da própria indústria, dando origem a um produto acabado.

Esse segmento contempla desde a indústria extrativa e de transformação até a geração de eletricidade e é muito importante para o desenvolvimento das economias nacionais e para a geração de empregos.

Leia também: Quais são os setores da economia?

Resumo sobre o setor secundário

  • O setor secundário é um segmento da economia que reúne as atividades da indústria, o que inclui a indústria extrativa e a construção civil.

  • Considera-se parte desse setor também a geração de eletricidade e as empresas de tratamento de água, que são insumos utilizados na indústria.

  • É o setor responsável pela fabricação de mercadorias, transformando matérias-primas em produtos acabados.

  • O setor secundário é importante porque gera riqueza para os países e emprega uma grande parcela da população tanto na indústria propriamente dita quanto nos setores produtivos e de serviços a ela associados.

  • O desenvolvimento e a evolução do setor secundário coincidem com o advento da indústria e da modernização do processo produtivo.

  • No Brasil, esse segmento ganhou forças a partir da primeira metade do século XX, diversificando-se e integrando-se à economia internacional a partir do final desse período.

  • O setor secundário brasileiro se destaca hoje nos ramos automobilístico, siderúrgico, metalúrgico, petroquímico, de papel e celulose, alimentício, na construção civil e geração de energia elétrica.

O que é o setor secundário?

O setor secundário é uma área da economia que realiza a transformação das matérias-primas em produtos e bens finalizados. Esse setor é conhecido também como setor industrial, tendo em vista que contempla as atividades de todos os tipos de indústria: desde a indústria de base até a indústria de bens de consumo. Também fazem parte do setor secundário as atividades da construção civil e as indústrias extrativas.

Características do setor secundário

O setor secundário é caracterizado por ser o responsável pela transformação de uma ou mais matérias-primas em um produto acabado.

As matérias-primas e os insumos utilizados pelo setor secundário têm origem tanto no setor primário da economia, que contempla as atividades agropecuárias e de extrativismo, quanto no próprio setor secundário. No caso das matérias-primas e dos insumos de origem industrial, eles são produzidos nas chamadas indústrias de base.

As atividades desenvolvidas pelo setor secundário são tipicamente urbanas, ou seja, realizadas nas cidades e áreas urbanizadas. Isso acontece porque é nesses espaços que se concentram as redes de infraestrutura necessárias para a produção e para o escoamento dos produtos, isto é, para o seu transporte. Essas redes incluem eletricidade, transporte e comunicação.

Um grande número de pessoas atua como mão de obra no setor secundário da economia, considerando todas as etapas do processo de produção no interior das indústrias e fábricas. Saindo do ambiente fabril, a construção civil é uma área de atuação do setor secundário que gera também muitos postos de trabalho em conjunto com os serviços industriais, como a geração de energia elétrica.

Leia também: Agricultura — atividade ligada ao setor primário da economia

Atividades do setor secundário

A construção civil faz parte do setor secundário da economia.

O setor secundário é composto por atividades econômicas que consistem na fabricação de novos produtos a partir de determinadas matérias-primas e insumos. Assim sendo, podemos dizer que a indústria é a principal componente desse ramo da economia, e todos os ramos produtivos da indústria integram o setor secundário. São exemplos:

  • metalúrgicas;

  • siderúrgicas;

  • montadoras de veículos;

  • têxteis;

  • de vestimentas e calçados;

  • de alimentos e bebidas;

  • farmacêuticas;

  • moveleiras;

  • de produtos e componentes eletroeletrônicos;

  • eletrodomésticos.

Esses são apenas alguns tipos de indústrias cujas atividades formam o setor secundário. As indústrias associadas à exploração mineral também são consideradas atividades do segundo setor, como é o caso das petrolíferas e das mineradoras.

Embora não seja diretamente atrelada às indústrias, a construção civil é classificada como uma atividade do setor secundário da economia. Sua realização depende dos insumos provenientes tanto do setor primário quanto de muitas das indústrias que citamos anteriormente. As empresas de serviços urbanos e de infraestrutura, tais como as de geração e distribuição de eletricidade e de fornecimento de água, estão também inseridas nesse setor.

Por que o setor secundário é importante?

O setor secundário é um dos principais segmentos da economia dos países emergentes e desenvolvidos. Além do fornecimento de matérias-primas processadas para outros ramos da economia e da fabricação de mercadorias, que são atividades importantes por si só, as indústrias que fazem parte do setor secundário geram riquezas para as economias nacionais e empregam uma grande parcela da população.

A geração de empregos acontece também em outros segmentos da economia, como um resultado indireto promovido pelo setor secundário. Isso acontece principalmente nos serviços que estão interligados às indústrias e são fundamentais para o processo produtivo, como nos transportes, nas redes de comunicação e infraestrutura, por exemplo. Vale ressaltar também que o emprego de mão de obra no setor secundário varia de acordo com o grau de automação da produção e do nível tecnológico que é adotado nas etapas produtivas, o que demanda diferentes perfis de trabalhadores.

O desenvolvimento econômico de um país está muito ligado setor secundário dele. Uma indústria ampla e diversificada indica economias nacionais dinâmicas e integradas, favorecendo a sua modernização e a atração de novos investimentos para o setor.

A ampliação e o desenvolvimento do setor secundário foram importantes também na urbanização de diversas localidades ao redor do mundo e até hoje promovem transformações profundas na paisagem.

Desenvolvimento do setor secundário

Mulheres trabalhando em máquinas têxteis, em 1910.

O desenvolvimento do setor secundário coincide com o processo da Revolução Industrial que teve início na Inglaterra durante o século XVIII. Atividades manufatureiras já vinham acontecendo anteriormente em oficinas e demandavam o trabalho manual. Com a Revolução Industrial, ocorreu a automação de processos produtivos e a ampliação da escala de produção, além da consolidação do capitalismo como principal sistema econômico vigente no mundo.

O processo que estava restrito ao continente europeu, no primeiro momento, se espalhou gradativamente para os países que hoje conhecemos como países desenvolvidos, o que se deu em concomitância com uma nova fase da Revolução Industrial, marcada pela introdução de inovações técnicas, como os motores à combustão. Além disso, foram apresentados novos modelos de produção que transformaram o modo de se trabalhar e produzir no interior das fábricas.

A evolução científica e tecnológica da sociedade permitiu que chegássemos hoje a um patamar inédito de modernização do setor secundário da economia, com a diversificação dos ramos produtivos da indústria, emprego cada vez maior de novas tecnologias no processo de produção e uma nova divisão internacional do trabalho baseada nas técnicas produtivas e no desenvolvimento industrial.

Leia também: Terceira Revolução Industrial — a Revolução Técnico-Científica-Informacional

Setor secundário no Brasil

Diferentemente do que aconteceu nos países desenvolvidos, o processo de industrialização no Brasil e, consequentemente, de desenvolvimento do setor secundário nacional teve início tardiamente. Ocorreu como resultado da acumulação de capitais no setor primário e ganhou força com as políticas de substituição de importações na primeira metade do século XX. As primeiras indústrias brasileiras foram indústrias de base, que são aquelas que fornecem insumos para outros setores produtivos. Elas foram criadas na década de 1940.

O setor industrial brasileiro cresceu e se diversificou com o passar do tempo, tornando-se cada vez mais integrado com a economia internacional principalmente a partir das últimas décadas do século XX. Inicialmente concentradas na região Sudeste do país, hoje as empresas que compõem o setor secundário se distribuem por todo o território nacional, com importantes polos industriais localizados na região Norte, como em Manaus, e em cidades do Nordeste como Camaçari, na Bahia.

Além da construção civil e da geração de eletricidade, o setor secundário no Brasil se destaca nos seguintes ramos produtivos:

  • siderurgia e metalurgia;

  • automobilístico;

  • petroquímico;

  • papel e celulose.

Por Paloma Guitarrara

Você pode se interessar também

Geografia

Industrialização brasileira

Geografia

Indústria

História

Revolução Industrial

Geografia

Setores da Economia

Últimos artigos

Brincadeiras juninas

As brincadeiras juninas são uma das partes mais divertidas da Festa Junina. A seguir, você verá dicas de 15 dessas brincadeiras!

Sedentarização

A sedentarização foi o processo por meio do qual os humanos abandonaram o nomadismo, fixando-se em uma localidade.

Comidas de Festa Junina

Algumas comidas de Festa Junina são: a pamonha, o milho cozido, o milho assado, a canjica, o curau, o arroz-doce, a paçoca, o mané pelado, o pé de moleque e o bolo de milho.

Lixiviação

Lixiviação é um processo de degradação do solo que consiste na retirada de seus nutrientes pela percolação da água, o que reduz sua fertilidade e pode levar à desertificação.