Qual matéria está procurando ?

Geografia

Geografia

Indústria

Importante para o desenvolvimento econômico de um território, a indústria é o setor responsável pela fabricação de bens de produção, intermediários e de consumo.

Máquinas em funcionamento em uma indústria automobilística, um exemplo de indústria. A indústria transforma matérias-primas em bens de consumo e em bens de produção.

A indústria é o setor da economia que processa matérias-primas e as transforma em produtos destinados a outras fábricas ou ao consumidor final, que somos nós. As diferentes indústrias existentes são classificadas de acordo com o tipo de produtos que elas desenvolvem, e todas são muito importantes para o desenvolvimento econômico de um território.

O processo de industrialização começou, no mundo, no século XVIII, e desenrolou-se através de diferentes etapas até o estágio atual marcado pelo uso intensivo de tecnologias de ponta e de sistemas de comunicação modernos. No Brasil, diz-se que a industrialização foi tardia, tendo iniciado a partir das primeiras décadas do século XX.

Leia também: Afinal, o que é industrialização?

Resumo sobre indústria

  • Indústria é o setor da economia que transforma matérias-primas em outros produtos.

  • Reúne um conjunto de fábricas responsáveis pela produção de mercadorias e de equipamentos usados no processo produtivo de outras indústrias e setores da economia.

  • Classifica-se a indústria em três tipos:

    • indústria de bens de produção;

    • indústria de bens intermediários;

    • indústria de bens de consumo.

  • Para instalar uma indústria em determinada área, devem-se considerar fatores locacionais como redes de infraestrutura, incentivos fiscais, mercado consumidor, entre outros.

  • A indústria começou a se desenvolver no Brasil no século XX, e a primeira grande indústria brasileira surgiu em 1941.

  • No mundo, a indústria teve origem na Inglaterra com a Primeira Revolução Industrial no século XVIII. Gradualmente, espalhou-se para outros países europeus e norte-americanos.

  • Os países asiáticos e latino-americanos se industrializaram tardiamente com relação aos países norte-americanos e europeus, a partir da segunda metade do século XX.

  • Atualmente a indústria responde por uma parcela de 27,5% da economia mundial, de acordo com o Banco Mundial.

O que é a indústria?

A indústria é o setor da economia responsável pela transformação das matérias-primas em outros produtos, sendo eles produtos acabados (bens de consumo), que serão colocados à venda para o consumidor final, ou em produtos que serão destinados a outras fábricas para comporem um novo processo produtivo (bens de produção). Trata-se, portanto, do conjunto de fábricas e de estabelecimentos que integram o setor secundário.

Tipos de indústria

As indústrias são classificadas de acordo com o tipo de produtos que elas fabricam. Com base nesse critério, temos três diferentes tipos de indústria:

  • Indústria de base ou indústria de bens de produção: são chamadas assim aquelas indústrias que realizam o processamento da matéria-prima bruta e a transforma em bens intermediários e em matérias-primas para outros ramos do setor industrial.

As siderúrgicas são um exemplo de indústria de bens de produção.
  • Indústria de bens intermediários: são as fábricas que produzem máquinas e equipamentos que serão utilizados em outras fábricas ou no processo produtivo de outros estabelecimentos. Ou seja, elas atendem à própria indústria. As fábricas de peças de automóveis e veículos pesados são exemplos de indústria de bens intermediários.
A indústria de papel e de celulose produz bens intermediários.
  • Indústria de bens de consumo: são as fábricas que produzem as mercadorias que são colocadas à venda para a população, que constitui o seu consumidor final. A indústria de bens de consumo é responsável por conceber tudo aquilo que usamos e consumimos no nosso dia a dia, desde alimentos e roupas até eletrodomésticos. Nesse sentido, a indústria de bens de consumo se divide em indústria de bens de consumo duráveis e não duráveis.
A indústria de bebidas é um exemplo de indústria de bens de consumo.

Exemplos dos diferentes tipos de indústria

Exemplos de tipos de indústria

Indústria de base

Metalúrgica, siderúrgica, mineradora, petrolífera, madeireira.

Indústria de bens intermediários

Fábricas de peças de automóveis, de papel e celulose, química, de equipamentos elétricos e eletrônicos, de vidro, de cimento.

Indústria de bens de consumo duráveis

Automobilística, moveleira (que fabrica móveis), fábricas de eletrodomésticos.

Indústria de bens de consumo não duráveis

Alimentícia, fábricas de bebidas, farmacêutica, têxtil, fábricas de cosméticos.

Indústria no Brasil

O Brasil é um país de industrialização tardia, o que significa que a indústria surgiu em território brasileiro muito depois do começo da Revolução Industrial e da sua implementação nos países desenvolvidos. A indústria brasileira surge no começo do século XX e se expande a partir da década de 1930. O processo de industrialização do país ganhou força após a Crise de 1929, quando os produtores de café sofreram baixa em sua exportação e redirecionaram o capital dessa atividade para a indústria.

A primeira grande fábrica brasileira foi a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), uma indústria de base inaugurada em 1941. Depois dela, outras empresas do mesmo setor foram surgindo no país, como a Companhia Vale do Rio Doce (1943), hoje conhecida como Vale, em um esforço do que chamamos de substituição das importações. Na década de 1950, mais precisamente em 1953, surgiu a Petrobras. Muitos capitais estrangeiros foram injetados na economia brasileira a partir da década de 1950, o que permitiu o desenvolvimento da indústria automobilística no país.

Embora o setor industrial não seja o preponderante no Brasil, o país abriga filiais de algumas das mais importantes multinacionais e transnacionais do mundo, como, por exemplo: Ambev, Nestlé, Bungue, General Motors, IBM, Johnson & Johnson, entre outras. Para saber mais sobre o processo de industrialização no Brasil, clique aqui.

Indústria no mundo

A indústria no mundo teve origem no século XVIII, com a Primeira Revolução Industrial. Aos poucos, ela foi evoluindo e espalhando-se para países de fora do continente europeu, tornando-se uma atividade importante para o abastecimento de mercados internos e para o estabelecimento de laços comerciais entre países. A partir de meados do século XX, países do Sudeste Asiático e da América Latina vivenciaram um processo de substituição de importações e de desenvolvimento da sua própria indústria. Esse processo ficou conhecido como da industrialização tardia.

Hoje a indústria responde por 27,5% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial, de acordo com dados atualizados do Banco Mundial. As principais fábricas em atividade são aquelas atreladas ao setor de tecnologia e telecomunicações, com destaque para Apple, Microsoft e Samsung. A lista de maiores indústrias do mundo, entretanto, conta com empresas de setores variados e de origens diversas, como Volkswagen, Toyota, Royal Dutch Shell, State Grid, Unilever e L’Oréal.

O que são os fatores locacionais da indústria?

Os fatores locacionais da indústria são os elementos do espaço que favorecem a instalação de uma fábrica em uma área específica. Cada tipo de indústria faz uma análise do local onde pretende se instalar para avaliar a sua viabilidade, e isso depende da produção que é desenvolvida e da sua relação com o mercado consumidor.

Por exemplo: algumas empresas necessitam se instalar próximo da fonte de matéria-prima, já que o transporte pode ser muito caro e pouco vantajoso. Outras, em contrapartida, necessitam estar perto dos consumidores por conta da perecibilidade de seu produto. No geral, os fatores locacionais da indústria são:

  • disponibilidade de mão de obra;

  • fácil acesso a fontes de matérias-primas;

  • acesso a redes de eletricidade e comunicação;

  • presença de estradas, hidrovias, aeroportos;

  • mercado consumidor grande;

  • incentivos fiscais para sua instalação e permanência;

  • presença ou proximidade de parques tecnológicos, faculdades e universidades;

  • outras indústrias do mesmo ramo.

Origem e evolução da indústria

As inovações da indústria foram sendo introduzidas gradualmente. Inicialmente, com o motor a vapor. Posteriormente, com o motor à combustão.

A indústria teve origem no século XVIII, na Inglaterra, e seu processo de evolução aconteceu a partir das seguintes etapas:

  • Primeira Revolução Industrial: estendeu-se de 1760 a 1850, e era focada inicialmente no território inglês e na produção têxtil. As máquinas já faziam parte do processo produtivo, mas eram movidas a vapor. Com o decorrer do tempo, a industrialização passou a ser uma realidade em outros países da Europa, como França e Alemanha, e também países de outras áreas, como Estados Unidos e Japão.

  • Segunda Revolução Industrial: estendeu-se de 1850 a 1945, e tem como principal diferencial a adoção de novas fontes de energia, como o petróleo e a eletricidade. Essa etapa conta com um maior número de países envolvidos, que são aqueles que hoje classificamos como desenvolvidos. Dela surgiram muitas inovações tecnológicas, como o telégrafo, o motor elétrico, motor à combustão, lâmpada incandescente e automóvel. Foi nesse ínterim que começou a industrialização no Brasil, entre as décadas de 1920 e 1930.

  • Terceira Revolução Industrial: começou com o fim da Segunda Guerra Mundial, em 1945, e estende-se até o presente. É marcada pelo salto tecnológico dado em meados do século XX, com a modernização técnica e tecnológica das telecomunicações e o amplo avanço na ciência experimentado a partir de então. A mecanização e a automação de processos ganharam cada vez mais espaço. Ademais, enquanto países desenvolvidos adentravam nessa terceira etapa, os países hoje considerados emergentes aperfeiçoavam o processo de industrialização que estava no início.

Existem classificações que consideram estarmos vivenciando a Quarta Revolução Industrial, chamada também de Indústria 4.0, em que a nanotecnologia e a biotecnologia se desenvolveram bastante juntamente com o maior uso da internet e dos espaços digitais, onde se criam redes de comunicação que facilitam o processo de produção em escala planetária. Para saber mais detalhes sobre as etapas de evolução da indústria, clique aqui.

Importância da indústria

A indústria é importante porque é o setor que produz todos os produtos que utilizamos no nosso dia a dia, indo de roupas e acessórios, passando pelos medicamentos até nossos móveis, nossos automóveis e equipamentos de trabalho, sem contar os maquinários empregados no próprio processo produtivo.

A indústria garante o desenvolvimento socioeconômico de um território, ao mesmo tempo que aquece a economia e incrementa as relações internacionais, sobretudo mediante a atração de investimentos e o comércio internacional.

Exercícios resolvido sobre indústria

Questão 1

(Enem)

A depressão que afetou a economia mundial entre 1929 e 1934 se anunciou, ainda em 1928, por uma queda generalizada nos preços agrícolas internacionais. Mas o fator mais marcante foi a crise financeira detonada pela quebra da Bolsa de Nova Iorque.

Disponível em: http://cpdoc.fgv.br. Acesso em: 20 abr. 2015 (adaptado).

Perante o cenário econômico descrito, o Estado brasileiro assume, a partir de 1930, uma política de incentivo à:

A) industrialização interna para substituir as importações.

B) nacionalização de empresas estrangeiras atingidas pela crise.

C) venda de terras a preços acessíveis para os pequenos produtores.

D) entrada de imigrantes para trabalhar nas indústrias de base recém-criadas.

E) abertura de linhas de financiamento especial para empresas do setor terciário.

Resolução:

Alternativa A.

Com a queda nos preços decorrente da crise econômica de 1929, o Brasil adotou a estratégia de substituição das importações, suscitando o desenvolvimento da indústria nacional.

Questão 2

(Enem)

A instalação de uma refinaria obedece a diversos fatores técnicos. Um dos mais importantes é a localização, que deve ser próxima tanto dos centros de consumo como das áreas de produção. A Petrobras possui refinarias estrategicamente distribuídas pelo país. Elas são responsáveis pelo processamento de milhões de barris de petróleo por dia, suprindo o mercado com derivados que podem ser obtidos a partir de petróleo nacional ou importado.

MURTA, A. L. S. Energia: o vício da civilização; crise energética e alternativas sustentáveis. Rio de Janeiro: Garamond, 2011.

A territorialização de uma unidade produtiva depende de diversos fatores locacionais. A partir da leitura do texto, o fator determinante para a instalação das refinarias de petróleo é a proximidade a

A) sedes de empresas petroquímicas.

B) zonas de importação de derivados.

C) polos de desenvolvimento tecnológico.

D) áreas de aglomerações de mão de obra.

E) espaços com infraestrutura de circulação.

Resolução:

Alternativa E.

A instalação de uma refinaria depende da proximidade com os consumidores e com outras regiões produtivas, o que demanda que o espaço esteja equipado com uma rede de infraestrutura, sobretudo de transportes (circulação) ampla e eficaz.

Fontes

LUCCI, Elian Alabi. Território e ambiente no mundo globalizado, 2: ensino médio. São Paulo: Saraiva, 2016. 3ª ed.

MOREIRA, Igor. O espaço geográfico: Geografia geral e do Brasil. São Paulo: Editora Ática, 47ª edição, 3ª reimpressão. 455p.

Por Paloma Guitarrara

Você pode se interessar também

Geografia

Agricultura

Geografia

Capitalismo

Geografia

Espaço industrial do Brasil

Geografia

Extrativismo

Últimos artigos

Sedentarização

A sedentarização foi o processo por meio do qual os humanos abandonaram o nomadismo, fixando-se em uma localidade.

Comidas de Festa Junina

Algumas comidas de Festa Junina são: a pamonha, o milho cozido, o milho assado, a canjica, o curau, o arroz-doce, a paçoca, o mané pelado, o pé de moleque e o bolo de milho.

Lixiviação

Lixiviação é um processo de degradação do solo que consiste na retirada de seus nutrientes pela percolação da água, o que reduz sua fertilidade e pode levar à desertificação.

Ciclo do Café

O ciclo do café foi o ciclo econômico em que o café predominou na economia brasileira. Iniciou em meados do século XIX, estendendo-se até metade do século XX.