Qual matéria está procurando ?

Ciências

Ciências

Lobo-guará

Você já ouviu falar do lobo-guará? Esse lobo é uma espécie de mamífero que vive principalmente no Cerrado brasileiro e é considerado o maior canídeo sul-americano. Além do território brasileiro, ele pode ser visto

  • na Argentina,
  • na Bolívia,
  • no Paraguai,
  • no Peru
  • no Uruguai.

Seu nome científico é Chrysocyon brachyurus e apresenta parentesco com os cachorros domésticos e os lobos selvagens.

Leia também: Tamanduá – animal que possui três de suas espécies presentes no Brasil

O lobo-guará é o maior canídeo sul-americano.

Características gerais do lobo-guará

  • Pernas longas;
  • orelhas grandes;
  • pelos de cor laranja-avermelhada em grande parte do corpo;
  • pode atingir até um metro de altura e chega a pesar até 30 quilos;
  • apresenta uma região no dorso e nas patas dianteiras e traseiras com pelos pretos;
  • no pescoço do animal, no interior das suas orelhas e na cauda, os pelos são brancos.

O lobo-guará é visto normalmente no fim do dia, caminhando elegantemente pelas áreas de campo. Não apresenta grandes riscos aos humanos, só atacando quando se sentem ameaçados, sendo esse comportamento muito raro.​

A cabeça do lobo-guará assemelha-se a de uma raposa.

Reprodução do lobo-guará

Geralmente vivem sozinhos e só procuram companhia na época de reprodução. Só se reproduzem uma vez por ano e a gestação pode durar aproximadamente 65 dias. Normalmente nascem de 2 a 5 filhotes, que inicialmente apresentam pelagem preta. Os filhotinhos são cuidados pela mãe e pelo pai.

Alimentação do lobo-guará

A dieta do lobo-guará é onívora, pois alimentam-se de pequenos animais e de frutos. A lobeira (Solanum lycocarpum) recebeu esse nome por servir de alimento para esse animal, sendo considerada uma importante e constante parte da sua alimentação. Uma relação interessante surgiu entre esse animal e a lobeira. Observou-se que as sementes, após passarem pelo sistema digestório do lobo-guará, germinam mais rápido quando comparadas àquelas que não passaram. A lobeira ajuda o lobo, e o lobo ajuda a lobeira!

A alimentação do lobo-guará varia durante as estações seca e chuvosa do Cerrado. Quando é época de chuva, ele alimenta-se mais de frutos. Quando a estação é seca, a baixa quantidade de plantas faz com que esse animal opte por uma dieta mais voltada para pequenos animais.

Veja também: Urso panda – animal que se alimenta principalmente de bambu

Risco de extinção

O lobo-guará sofre muito com a destruição do ambiente, obrigando-os a procurarem outros lugares para viver e alimentar-se. Nessa procura, muitos são atropelados em estradas. Segundo fazendeiros, eles atacam a criação de galinhas e porcos, sendo assim, esses animais, além de terem seu habitat destruído, têm que lidar com a caça. Diante de tantos problemas, não é de se assustar que ele se encontra classificado como vulnerável à extinção pela IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais).

Sendo assim, é de fundamental importância que projetos para a preservação da área habitada pelos animais sejam realizados. A população também deve ajudar, não queimando áreas de cerrado, não desmatando, não realizando a caça e tendo bastante atenção ao viajar.

Juntos podemos evitar a extinção de várias espécies!

Por Vanessa Sardinha dos Santos

Você pode se interessar também

Ciências

Animais em Extinção

Ciências

Ariranha

Ciências

Bicho-preguiça

Ciências

Cangurus

Últimos artigos

Revolta da Armada

Revolta da Armada foi um levante armado organizado por membros da Marinha, em 1893. Esse movimento se deu pela forte oposição da Marinha a Floriano Peixoto.

Símbolos nacionais

Símbolos nacionais são quatro símbolos que, por determinação da nossa lei, representam a nação brasileira.

Guerra do Contestado

Guerra do Contestado foi um conflito que se estendeu de 1912 a 1916 e mesclou insatisfação social com messianismo religioso.

Encontro vocálico

O encontro vocálico ocorre quando uma vogal e uma semivogal aparecem uma depois da outra em uma palavra. Há três tipos de encontro vocálico: o ditongo, o tritongo e o hiato.