Qual matéria está procurando ?

História

História

Papiro

Papiro é uma planta aquática que era encontrada ao longo do rio Nilo e utilizada para a fabricação de uma superfície para registro de textos.

Painel egípcio preenchido com hieróglifos Os egípcios usavam o papiro para registrar, principalmente, textos governamentais e religiosos.

O papiro é o nome que se refere a uma planta aquática que era encontrada com facilidade nas proximidades do rio Nilo, no Egito. Além disso, o nome também é utilizado para as folhas de papiro, que eram produzidas das hastes da planta e utilizadas para registrar textos.

O papiro (planta) poderia ser utilizado na fabricação de diversos itens, e as folhas de papiro serviam para registrar assuntos relacionados ao governo e à religião egípcios. Elas eram organizadas em rolos, que poderiam ter dezenas de metros de cumprimento. A popularização do pergaminho fez com que o uso do papiro diminuísse.

Leia mais: Sumérios — atribui-se a eles a invenção da primeira forma de escrita da humanidade

Resumo sobre papiro

  • O papiro é uma planta que era encontrada e cultivada no Egito Antigo.

  • As folhas de papiro eram produzidas por meio das hastes do papiro (a planta).

  • Acredita-se que a produção das folhas tenha surgido por volta de 3000 a.C., no Egito Antigo.

  • O papiro foi muito popular na Antiguidade e muito usado por gregos e romanos também.

  • Sua utilização entrou em decadência com a popularização do pergaminho.

Qual é a história do papiro?

Primeiramente, é preciso esclarecer que o papiro é uma planta. Essa planta é conhecida cientificamente como Cyperus papyrus e era abundante por toda a extensão do Nilo, principalmente na região do seu delta (norte do Egito). Essa planta era sagrada para os egípcios e importante na fabricação de inúmeras mercadorias diferentes.

Além disso, o papiro também é o nome que usamos para as folhas que os egípcios produziam e utilizavam para registros de textos. Foi uma das superfícies mais utilizadas para a escrita na Antiguidade, e acredita-se que seu método de fabricação tenha surgido no próprio Egito, por volta de 3000 a.C.

O material foi muito utilizado por gregos e romanos e só perdeu espaço quando o pergaminho (folhas feitas com peles de animais) surgiu, no século II a.C. Além das folhas, o papiro (a planta) poderia ser usado para produzir cordas, sandálias, pequenos barcos, cestas, entre outros itens.

O nome papiro foi dado pelos gregos antigos e surgiu de papuro, que significava “realeza”, fazendo menção de que o governo egípcio tinha total controle sobre as plantações da planta e a produção das folhas de papiro. Acredita-se que os egípcios chamavam a planta de djet, tjufi ou wadj e as folhas de papiro, de djema.

Como os egípcios produziam o papiro?

Por meio das hastes do papiro, os egípcios produziam as folhas de papiro.

As folhas de papiro eram produzidas por meio das hastes da planta. Essas hastes poderiam fazer com que o papiro tivesse até cinco metros de altura, e o processo de produção e manuseio do papiro (da planta) requeria trabalhadores especializados e de grandes habilidades manuais. A importância da planta do papiro para o Egito fez com que ela fosse intensamente cultivada em fazendas, e acredita-se que seu cultivo se iniciou no período Pré-Dinástico (entre 6000 a.C. e 3500 a.C.).

O processo de produção das folhas de papiro era caro e requeria trabalhadores especializados. De toda forma, cortava-se o papiro, e de suas hastes eram retiradas pequenas tiras que seriam usadas para a fabricação das folhas. Essas tiras eram colocadas umas sobre as outras, em uma posição vertical.

Passava-se um óleo sobre as tiras do papiro e, em seguida, uma nova camada de tiras das hastes do papiro era colocada, mas na posição horizontal. Isso criava uma superfície consistente. Posteriormente, essas tiras eram prensadas e levadas para secar no Sol, e depois da secagem as folhas estavam prontas.

O processo de produção do papiro poderia acontecer com várias páginas sendo produzidas ao mesmo tempo e coladas umas nas outras. Era bastante comum que os egípcios produzissem um papiro com 20 páginas já coladas. Essas folhas eram organizadas em rolos e alguns desses rolos tinham dezenas de metros de extensão.

Leia mais: Mesopotâmia — região no Oriente Médio que abrigou algumas das maiores civilizações da Antiguidade oriental

Como os egípcios usavam as folhas de papiro?

Mencionamos que o papiro era um material caro porque sua produção era demorada e requeria trabalhadores especializados. Por isso, a utilização das folhas de papiro era limitada às camadas da sociedade com condição financeira suficiente para comprá-las.

As principais utilizações das folhas se davam para finalidades administrativas dos reinados ou religiosas. Os responsáveis por registrar os textos eram os escribas. Esses profissionais passavam por um longo treinamento para aprender a escrever nelas.

Entretanto, os escribas só tinham acesso às folhas de papiro depois de um longo período praticando sua escrita em outras superfícies, como pedaços de madeira e pedra. As folhas de papiro eram usadas para registrar textos científicos, documentos do governo, poemas, cartas, textos religiosos, hinos, literatura, entre outros.

Com o passar do tempo, o papiro foi perdendo espaço para o pergaminho, folhas duradouras produzidas de pele de animais, mas ainda foi utilizado até o século XI.

Por Daniel Neves Silva

Você pode se interessar também

História

Alfabeto Fenício

História

Anúbis

História

Egito Antigo

História

Religião no Egito Antigo

Últimos artigos

Alvéolos pulmonares

Alvéolos pulmonares são estruturas que lembram pequenas bolsas e são onde ocorrem as trocas gasosas. São os responsáveis pelo aspecto esponjoso do pulmão.

Cerebelo

Cerebelo é uma parte do encéfalo e está relacionado, entre outras funções, com a manutenção do nosso equilíbrio, postura e ajuste dos movimentos corporais.

Tríplice Aliança

Tríplice Aliança foi um acordo militar assinado, em maio de 1882, por Alemanha, Áustria-Hungria e Itália, que procuravam se proteger de França e Rússia principalmente.

Raposa

Raposa é um nome popular usado para se referir a alguns representantes da família Canidae, a mesma família dos cães e lobos. São animais onívoros e geralmente solitários.