Qual matéria está procurando ?

História

História

Mercantilismo

O mercantilismo é uma prática econômica que tem como principais objetivos a acumulação de riquezas, especialmente de metais preciosos, e o fortalecimento do poder do Estado.

Pintura retratando barcos de comerciantes em Veneza, em alusão ao mercantilismo. O comércio marítimo foi uma prática mercantilista das nações europeias.[1]

O mercantilismo foi uma doutrina econômica predominante na Europa entre os séculos XVI e XVIII que visava à acumulação de riquezas, especialmente metais preciosos, e fortalecimento do poder estatal. Suas principais características são a busca por uma balança comercial favorável, intervenção estatal na economia, colonialismo, protecionismo e ênfase na supremacia nacional.

O mercantilismo passou por duas fases distintas: a comercial, focada na acumulação de metais preciosos, e a industrial, voltada para o desenvolvimento interno e autossuficiência econômica. Diferentes nações adotaram abordagens específicas, como o mercantilismo espanhol, centrado na extração colonial de metais preciosos, e o mercantilismo inglês, caracterizado pelo desenvolvimento industrial e controle marítimo.

No Brasil colonial, o mercantilismo influenciou a exploração de recursos como o pau-brasil, a produção açucareira e a corrida do ouro, perpetuando o monopólio colonial. Globalmente, o mercantilismo estendeu-se às potências coloniais, influenciando o comércio triangular e as relações econômicas entre Europa, África e América.

Leia também: Grandes Navegações — período de expansão marítima, descobertas e fortalecimento do comércio

Resumo sobre o mercantilismo

  • O mercantilismo é uma doutrina econômica que vigorou na Europa entre os séculos XVI e XVIII.
  • As características centrais do mercantilismo são: a busca por uma balança comercial favorável, a acumulação de metais preciosos, a intervenção estatal na economia, o colonialismo, o protecionismo e a ênfase na supremacia nacional.
  • O mercantilismo comercial destacava a importância da balança comercial e a acumulação de metais preciosos.
  • O mercantilismo industrial direcionou o foco para o desenvolvimento da produção interna e a autossuficiência econômica.
  • O mercantilismo estendeu-se globalmente, influenciando as potências coloniais na exploração de recursos em suas colônias.
  • As consequências do mercantilismo foram: desigualdades econômicas, conflitos e guerras motivadas por interesses econômicos e a perpetuação de práticas coloniais.

Videoaula sobre mercantilismo

O que é o mercantilismo?

O mercantilismo foi uma doutrina econômica que prevaleceu na Europa entre os séculos XVI e XVIII, moldando as políticas econômicas de diversas nações durante esse período. Originado em um contexto de transição da Idade Média para a Idade Moderna, o mercantilismo buscava estabelecer uma base sólida para o poderio econômico e militar dos Estados, enfatizando a acumulação de riquezas, especialmente ouro e prata.

Qual é a origem do mercantilismo?

O surgimento do mercantilismo está intrinsecamente ligado às transformações sociais, políticas e econômicas que ocorreram na Europa renascentista. Com o declínio do feudalismo, as cidades começaram a se expandir, surgindo uma nova classe social, a burguesia, que almejava o desenvolvimento do comércio e a acumulação de capital. Nesse contexto, teóricos como Jean Bodin e Thomas Mun começaram a formular as bases do pensamento mercantilista.

Retrato de Jean Bodin, um dos teóricos do mercantilismo.

Principais características do mercantilismo

De forma geral, as principais características do mercantilismo são:

  • Balança comercial favorável: o mercantilismo preconizava a importância de manter uma balança comercial positiva, ou seja, exportar mais do que importar. Isso visava à acumulação de metais preciosos, especialmente ouro e prata, que eram considerados a base da riqueza nacional.
  • Intervenção estatal na economia: o Estado desempenhava um papel ativo na economia, buscando regular e controlar as atividades comerciais. Práticas como subsídios, tarifas e monopólios eram comuns para proteger as indústrias locais e garantir a supremacia econômica.
  • Acumulação de metais preciosos (teoria do metalismo): a busca por metais preciosos, como ouro e prata, era uma das principais metas do mercantilismo. Acreditava-se que a quantidade de metais preciosos detidos por uma nação refletia sua riqueza e poder. Essa visão foi criticada posteriormente por economistas como David Hume, que argumentaram que a riqueza de uma nação não está apenas na quantidade de ouro e prata que ela possui.
  • Colonialismo, exploração de recursos e mercados consumidores: as potências europeias buscavam expandir seus impérios coloniais para explorar os recursos naturais das colônias. Isso incluía a extração de matérias-primas e a implementação de monopólios comerciais. A expansão colonial era vista como essencial para garantir fontes de matérias-primas, mercados consumidores e áreas de investimento. As colônias eram exploradas para fornecer recursos e riquezas à metrópole.
  • Protecionismo e monopólio colonial: práticas protecionistas, como tarifas e barreiras comerciais, eram adotadas para favorecer a produção interna. Além disso, o estabelecimento de monopólios coloniais garantia o controle exclusivo sobre certos mercados e recursos.
  • Desenvolvimento do sistema monetário: o mercantilismo contribuiu para o desenvolvimento do sistema monetário, uma vez que a acumulação de metais preciosos exigia uma moeda forte. Isso teve implicações na formação dos sistemas financeiros e bancários das nações mercantilistas.
  • Conflitos e guerras motivadas por interesses econômicos: a competição por recursos, mercados e hegemonia econômica frequentemente levava a conflitos e guerras entre as nações mercantilistas.

Veja também: Renascimento comercial e urbano e as transformações durante a Idade Média

Fases do mercantilismo

O mercantilismo passou por diferentes fases ao longo do tempo, adaptando-se às mudanças nas condições econômicas e políticas. Inicialmente, destacou-se o mercantilismo comercial, concentrado na balança comercial e na acumulação de metais preciosos. Posteriormente, o mercantilismo industrial ganhou destaque, enfatizando o desenvolvimento da produção interna e a busca pela autossuficiência econômica.

De forma geral, pode-se organizar as fases do mercantilismo da seguinte maneira:

Fases do mercantilismo

Época

Principais características

Mercantilismo comercial

Séculos XVI e XVII

  • Ênfase na balança comercial favorável.
  • Acumulação de metais preciosos, especialmente ouro e prata.
  • Intervenção estatal na economia para regular o comércio e garantir vantagens competitivas.
  • Colonialismo e exploração de recursos nas colônias.
  • Protecionismo por meio de tarifas e barreiras comerciais.

Mercantilismo industrial

Séculos XVII e XVIII

  • Transição do foco na acumulação de metais preciosos para o desenvolvimento da produção interna.
  • Busca pela autossuficiência econômica e diversificação industrial.
  • Aumento do papel do Estado na promoção da indústria e na regulação das atividades econômicas.
  • Expansão do comércio marítimo e fortalecimento das frotas navais para garantir o controle de rotas comerciais.

Declínio do mercantilismo

Final do século XVIII

  • Mudanças nas condições econômicas e sociais, incluindo a Revolução Industrial.
  • Crescente crítica às práticas mercantilistas por economistas como Adam Smith.
  • Transição para novas teorias econômicas, como o liberalismo econômico e o laissez-faire.
  • Evolução das estruturas econômicas em direção a modelos mais descentralizados e voltados para o livre mercado.

 Tipos de mercantilismo e suas características

Dentro do mercantilismo, é possível identificar diferentes abordagens adotadas por diversas nações europeias.

→ Características do mercantilismo espanhol

  • Ênfase na exploração das colônias americanas, especialmente para a extração de metais preciosos, como ouro e prata.
  • Forte intervenção estatal na administração colonial para garantir o monopólio e o controle sobre os recursos.

→ Características do mercantilismo inglês

  • Desenvolvimento da indústria e do comércio marítimo como pilares fundamentais.
  • Busca pela supremacia naval e controle das rotas comerciais.
  • Políticas voltadas para a acumulação de capital por meio do comércio e da produção.

→ Características do mercantilismo francês

  • Ênfase na expansão colonial para garantir fontes de matérias-primas e mercados consumidores.
  • Desenvolvimento de políticas mercantilistas para promover a manufatura e proteger a indústria nacional.

→ Características do mercantilismo holandês

  • Destaque para a atividade comercial e marítima, com uma poderosa frota mercante.
  • Desenvolvimento de instituições financeiras e bancárias inovadoras.

→ Características do mercantilismo português

  • Exploração de colônias, especialmente no Brasil, com foco na produção de açúcar e extração de recursos naturais.
  • Participação ativa no comércio global, buscando estabelecer rotas comerciais.

Mercantilismo no Brasil

A exploração do ouro e de outros recursos naturais no Brasil foi uma influência do mercantilismo europeu.[2]

O Brasil, como colônia portuguesa, foi influenciado pelo mercantilismo europeu. A exploração do pau-brasil, o desenvolvimento da produção açucareira e, posteriormente, a corrida do ouro foram aspectos marcantes dessa influência. O monopólio colonial, que visava garantir o controle sobre as atividades econômicas, era uma prática comum, refletindo a lógica mercantilista.

Mercantilismo no mundo

O mercantilismo estendeu-se para além das fronteiras europeias, influenciando diversas regiões do mundo. As potências coloniais exploraram os recursos das colônias de acordo com os princípios mercantilistas, levando à transferência de riquezas e ao enriquecimento das metrópoles. O comércio triangular, envolvendo Europa, África e América, exemplifica essa dinâmica.

Quais são as consequências do mercantilismo?

O mercantilismo deixou um legado significativo, moldando as bases do sistema econômico e político de muitas nações. A busca incessante por metais preciosos resultou em conflitos e guerras, como a Guerra dos Trinta Anos, que teve motivações econômicas ligadas aos princípios mercantilistas.

Além disso, as práticas protecionistas e o monopólio colonial tiveram impactos duradouros, criando desigualdades econômicas e sociais. A dependência das colônias, a busca por mercados consumidores e a exploração de recursos naturais foram características que se perpetuaram ao longo dos séculos, influenciando as relações econômicas globais.

Saiba mais: Capitalismo — sistema econômico que se consolidou durante a Primeira Revolução Industrial

Exercícios resolvidos sobre mercantilismo

1. Durante o período em que o mercantilismo prevaleceu na Europa, uma das principais características era a busca por uma balança comercial favorável. Considerando esse contexto, qual era o objetivo primário dessa busca?

A) Acumular conhecimento cultural.

B) Promover a igualdade social.

C) Enfatizar a autonomia política.

D) Garantir a supremacia econômica.

E) Preservar valores religiosos.

Resposta Correta: letra D. No contexto do mercantilismo, a busca por uma balança comercial favorável tinha como objetivo garantir a supremacia econômica das nações, acumulando riquezas, especialmente metais preciosos, para fortalecer o poder estatal. Essa prática visava consolidar a posição dominante no cenário internacional.

2. Durante o mercantilismo, diferentes países europeus adotaram abordagens distintas, refletindo suas estratégias econômicas e políticas. Qual das seguintes características é associada ao mercantilismo inglês?

A) Foco na extração de metais preciosos nas colônias.

B) Ênfase no desenvolvimento industrial e comercial.

C) Prática de monopólio colonial sobre recursos naturais.

D) Intervenção estatal na produção agrícola.

E) Busca pela autonomia política nas colônias.

Resposta Correta: letra B. O mercantilismo inglês caracterizou-se pela ênfase no desenvolvimento industrial e controle marítimo. Diferentemente de outras nações, como a Espanha, o foco estava na produção interna e no fortalecimento do comércio, marcando uma abordagem distintiva no cenário mercantilista.

Créditos das imagens

[1] Wikimedia Commons

[2] Museu Paulista (USP)/ Wikimedia Commons

Fontes

DEYON, Pierre. O Mercantilismo. Perspectiva: 1973

FALCON, Franciso. Mercantilismo e Transição. São Paulo: Brasiliense, 1981.

Por Tiago Soares Campos

Você pode se interessar também

História

A figura do mercador na Baixa Idade Média

História

Alimentação nas Grandes Navegações Marítimas europeias

Português

Barroco

História

Colonização do Brasil

Últimos artigos

Milagre econômico brasileiro

Milagre econômico brasileiro foi um período da Ditadura Militar no qual a economia brasileira apresentou grande crescimento e importantes obras públicas foram realizadas.

Manto terrestre

O manto terrestre é uma camada, constituída pelo magma, muito dinâmica da Terra. Situado entre a crosta e o núcleo, ocupa aproximadamente 84% do volume total do planeta.

Altitude

A altitude é a distância vertical entre um ponto na superfície da Terra e o nível do mar, sendo uma medida importante para a caracterização do relevo de uma área.

Área do cubo

A área do cubo é a medida da superfície desse poliedro. A área da base, a área lateral e a área total do cubo estão relacionadas à área do quadrado.