Qual matéria está procurando ?

História

História

Grandes Navegações

As Grandes Navegações foram responsáveis pela exploração do Oceano Atlântico ao longo dos séculos XV e XVI e contaram com o pioneirismo português.

Grandes Navegações é o nome dado ao período da história em que os europeus lançaram-se à navegação do Oceano Atlântico. Esse processo foi encabeçado pelos portugueses e, um tempo depois, foi também colocado em curso pelos espanhóis e por outros países da Europa. Os resultados foram a “descoberta” de inúmeros locais até então desconhecidos pelos europeus e a chegada ao continente americano em 1492.

Resumo

Grandes Navegações é a expressão usada para se falar da exploração do Oceano Atlântico, feita de maneira pioneira por Portugal, ao longo dos séculos XV e XVI. O pioneirismo português foi resultado de condições políticas, comerciais e geográficas específicas. Com o tempo, outros países da Europa, como Espanha, também se lançaram à exploração do Oceano Atlântico.

O resultado das Grandes Navegações foi o “descobrimento” de uma série de novos locais pelos portugueses, como Açores e Madeira (ilhas atlânticas). Esse processo resultou também na chegada dos europeus ao continente americano em 1492. Em 1500, os portugueses chegaram ao Brasil e deram início à colonização da América Portuguesa.

Acesse também: Veja o que foi a crise do século XIV que afetou todos os países da Europa

Grandes Navegações portuguesas

Quando falamos de Grandes Navegações, o primeiro país que vem à tona é Portugal, que se lançou como pioneiro na navegação e exploração do Oceano Atlântico interessado, principalmente, na abertura de novas rotas comerciais.

O pioneirismo de Portugal explica-se por uma série de fatores:

  • Monarquia consolidada;

  • Unificação territorial assegurada;

  • Investimento na aquisição de conhecimento náutico;

  • Interesse em expansão comercial;

  • Investimentos genoveses;

  • Localização geográfica.

Portugal era um reino unificado e estável durante o século XV. Essa estabilidade, fruto da Revolução de Avis, garantiu melhores condições políticas a Portugal para investir em comércio e tecnologia náutica. Nesse mesmo período, Espanha, Inglaterra e França, por exemplo, enfrentavam complicações internas e ainda estavam à procura de estabilidade política.

Réplica de uma caravela portuguesa utilizada durante o período das Grandes Navegações.
Réplica de uma caravela portuguesa utilizada durante o período das Grandes Navegações.

Territorialmente falando, Portugal também estava em uma posição muito mais estável que seus vizinhos, uma vez que o último território português na mão dos mouros – Algarve – foi reconquistado no século XIII. Os mouros eram muçulmanos que invadiram a Península Ibérica (região formada por Portugal, Espanha e outros territórios). A Espanha, por exemplo, só foi concluir o seu processo de reconquista e unificação territorial no fim do século XV.

Além disso, existem historiadores que apontam que, no século XV, foi desenvolvido por infante D. Henrique um centro em Algarve que promovia estudos para o desenvolvimento de melhores técnicas de navegação: a Escola de Sagres. Todavia, existem alguns historiadores que sugerem que a Escola de Sagres é um mito e que, portanto, sua influência nas Grandes Navegações é irrelevante.

Na questão comercial, Portugal já possuía certa vocação para o comércio, fruto do período em que os mouros dominaram o país. Essa vocação para o comércio acabou sendo incentivada pelos comerciantes genoveses, que passaram a investir em Lisboa, transformando a cidade em um importante centro comercial.

Há também a questão geográfica, que garantia às caravelas em Portugal um rápido acesso às correntes marítimas. Além disso, Portugal estava mais próximo da costa da África e era, portanto, uma porta de saída para encontrar uma nova rota para a Índia, local que havia o comércio de especiarias, produto muito valorizado no mercado europeu.

Por causa do processo de expansão marítima, os portugueses:

  • conquistaram Ceuta, em 1415;

  • chegaram à Ilha da Madeira, em 1418;

  • chegaram em Açores, em 1427;

  • passaram pelo Cabo Bojador, em 1434;

  • passaram pelo Cabo da Boa Esperança, em 1488;

  • descobriram um novo caminho para a Índia, em 1499;

  • chegaram ao Brasil, em 1500.

Grandes navegações espanholas

Ao longo de quase todo o século XV, os espanhóis presenciaram o desenvolvimento náutico dos portugueses e acompanharam os seus inúmeros feitos. A Espanha, no entanto, permaneceu alheia às Grandes Navegações até o final do século XV. Isso aconteceu porque, ao longo do século XV, os espanhóis tentavam consolidar-se territorialmente.

Somente com a conquista de Granada (região no sul do território espanhol) pela Espanha, em 1492, que os espanhóis deram abertura para o investimento em navegações marítimas. A primeira expedição montada pelos espanhóis foi exatamente a organizada por Cristóvão Colombo, um navegante genovês. Ele organizou uma expedição com três navios para alcançar a Ásia. A expedição de Colombo, no entanto, foi responsável pela chegada dos espanhóis à América em 12 de outubro de 1492.

Consequências

As Grandes Navegações foram resultado de uma série de transformações em curso na Europa desde o século XII. Por meio delas, o continente europeu completou sua passagem da Idade Média para a Idade Moderna e fortaleceu o comércio e o uso da moeda a partir do mercantilismo.

Além disso, as Grandes Navegações tornaram Portugal a maior potência do mundo entre os séculos XV e XVI, consolidando um império ultramarino. Com as “descobertas” feitas nesse período, foi iniciada a colonização do continente americano. Os portugueses, por exemplo, conquistaram colônias em diferentes partes do mundo: América, África e Ásia.

A “descoberta” da América foi responsável por uma verdadeira revolução. Os europeus entraram em contato com novos povos e novas culturas. Esse encontro, no entanto, resultou no massacre da cultura ameríndia e da cultura africana, ambas utilizadas como mão de obra escrava pelos europeus.

Acesse também: Conheça a história da colonização do Brasil pelos portugueses

Exercício resolvido

Selecione a alternativa que não explica o início das Grandes Navegações em Portugal.

a) Investimento dos genoveses no comércio de Lisboa.

b) Proximidade geográfica com a costa da África e o Oceano Atlântico.

c) Desejo de retomar Constantinopla das mãos dos otomanos.

d) Desejo de encontrar uma rota para a Índia.

e) Estabilidade política garantida pela unificação territorial e pela Revolução de Avis.

LETRA C

A cidade de Constantinopla foi conquistada pelos otomanos em 1453 em um momento em que as Grandes Navegações de Portugal já estavam em curso. De toda forma, a reconquista de Constantinopla, uma cidade cristã que estava em mãos muçulmanas, não foi uma pauta que motivou as Grandes Navegações.

|1| FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Edusp, 2013, p. 22.

Padrão dos Descobrimentos, monumento em Lisboa em homenagem aos importantes nomes das Grandes Navegações. Padrão dos Descobrimentos, monumento em Lisboa em homenagem aos importantes nomes das Grandes Navegações.
Por Daniel Neves Silva

Você pode se interessar também

História

Escravidão na África

História

Fases da colonização do Brasil

História

Descobrimento do Brasil

Últimos artigos

Lobisomem

O lobisomem é um homem amaldiçoado com a condição de se transformar em um ser violento, que é metade homem e metade lobo, todas as noites de lua cheia.

Sarampo

O sarampo é uma virose que pode desencadear complicações e até mesmo a morte. Causa febre, manchas no corpo e mal-estar.

Bicho-preguiça

Bicho-preguiça, também conhecido apenas por preguiça, é um animal vertebrado, mamífero, pertence à superordem Xenarthra, e habita desde a América Central até a América do Sul.

USMCA

A nova atualização do acordo trilateral entre Estados Unidos, México e Canadá foi chamada de USMCA. Esse acordo representa uma modernização da zona de livre comércio.