Qual matéria está procurando ?

História

História

A figura do mercador na Baixa Idade Média

Entenda a importância da figura do mercador na Idade Média e os motivos que o tornaram decisivo para a formação do mundo moderno.

Quando estudamos a estrutura social da Idade Média, geralmente nos deparamos com aquela definição clássica das três formas de atividade entre os homens do medievo, isto é, os oradores, os guerreiros e os lavradores. Essa estrutura está associada, em termos gerais, ao sistema feudal e aos laços sociais criados por esse sistema.

Entretanto, na medida em que as cidades medievais passaram a organizar-se, outras figuras foram aparecendo, como a dos artesãos, ligados às Corporações de Ofício. Todavia, o mais intrigante dessas novas personagens era o mercador.

As cidades medievais começaram a desenvolver outras funções a partir do chamado Renascimento comercial e urbano, ocorrido nos séculos da Baixa Idade Média, isto é, a partir do século XI. As cidades que funcionavam basicamente como fortalezas passaram a receber pessoas de outras regiões do mundo interessadas em comprar e vender mercadorias. As cidades portuárias do Mediterrâneo e dos Mares do Norte, como Gênova, Veneza, Amsterdã e Antuérpia, tornaram-se grandes polos comerciais nesse período.

A figura do mercador tornou-se a mais ajustável a esse contexto. Ao contrário da fixidez social da sociedade feudal, o clima nas cidades, permeado pela atmosfera da burguesia em formação (burguesia vem de burgos, cidades), possibilitava uma ampliação de horizontes culturais, técnicos, científicos e comerciais. Os mercadores tinham como função principal viajar para regiões muito diversas e trazer desses lugares o que fosse mais necessário e mais interessante.

Assim, cada mercador precisava desenvolver uma série de habilidades e servir-se de todas elas. Eram necessários ao mercador, por exemplo, conhecimentos náuticos, domínio de bússolas, astrolábios, orientação astronômica etc. Ao mesmo tempo, para tratar dos negócios em terras estrangeiras, o mercador precisava aprender novas línguas e articular-se bem com comerciantes da Ásia Menor e do Extremo Oriente. Sem contar a aquisição de saber sobre moedas e formas de troca econômica com esses povos. Um exemplo notável de mercador foi Marco Polo, que ficou conhecido, entre tantas outras coisas, por trazer da China para a Península Itálica o macarrão.

Aos mercadores alguns historiadores ainda atribuem lampejos do que viria a ser o humanismo dos séculos XV e XVI. O cosmopolitismo proporcionado pela prática da navegação e o conhecimento técnico e científico associado a essa prática desenvolveriam o interesse por novas descobertas e invenções. Um exemplo notável de personalidade histórica humanista ligada ao universo dos mercadores é o de Cristóvão Colombo, nascido em Gênova e um dos maiores navegadores de alto-mar da modernidade.


Por Me. Cláudio Fernandes

Marco Polo foi um dos mercadores mais emblemáticos da Idade Média Marco Polo foi um dos mercadores mais emblemáticos da Idade Média
Por Cláudio Fernandes

Você pode se interessar também

História

A Idade Média era a Idade das Trevas?

História

Corporações de ofício

História

Economia na Idade Média

História

Evolução da cidade medieval

Últimos artigos

Cuca

Cuca é um ser do folclore brasileiro e apresentada como uma velha má que sequestra crianças. Por meio de Monteiro Lobato, a forma de jacaré da cuca se popularizou.

Animais herbívoros

Os animais herbívoros se alimentam de algas e/ou vegetais e, portanto, ocupam sempre o nível de consumidores primários na cadeia alimentar.

Realismo no Brasil

Realismo foi um estilo de época do século XIX. No Brasil, Machado de Assis é seu maior representante.

Código de Hamurábi

Código de Hamurábi — código de leis tradicionais na Mesopotâmia — foi compilado por Hamurábi, rei da Babilônia, no século XVIII a.C.