Qual matéria está procurando ?

História

História

Abolição da escravatura no Brasil

A abolição da escravatura no Brasil foi resultado de um forte processo de mobilização popular e das fugas e rebeliões feitas pelos escravos.

por Daniel Neves Silva
A escravidão de negros permaneceu como uma forma de trabalho legalizada no Brasil até 13 de maio de 1888.* A escravidão de negros permaneceu como uma forma de trabalho legalizada no Brasil até 13 de maio de 1888.*

A abolição da escravatura no Brasil foi resultado de um processo longo, lento e concluído por meio de muita mobilização popular. Diferentemente do que os defensores da monarquia afirmavam, a abolição da escravatura não aconteceu por uma decisão de bondade da princesa Isabel, mas foi resultado de uma intensa mobilização popular que pressionou a monarquia brasileira a abolir o trabalho escravo no Brasil.

A abolição da escravatura no Brasil pode ser explicada por uma junção de fatores, destacando-se:

  1. luta abolicionista realizada pelos próprios escravos;

  2. mobilização de grupos abolicionistas que davam apoio aos escravos;

  3. mobilização política de determinada ala da sociedade brasileira.

Acesse também: Formas de resistência ao neocolonialismo no continente africano

Outros fatores também podem ser apontados em relação a esse assunto, como a pressão internacional para que o Brasil abolisse essa forma de exploração do trabalho, uma vez que a escravidão já era vista como um atraso para o padrão civilizacional que se consolidava na segunda metade do século XIX e também pelo fato de a escravidão ser um entrave para o desenvolvimento do capitalismo aqui no Brasil.

Selo comemorativo celebrando o pioneirismo do Amazonas como um dos primeiros estados a abolir o trabalho escravo.**
Selo comemorativo celebrando o pioneirismo do Amazonas como um dos primeiros estados a abolir o trabalho escravo.**

Contexto histórico

A abolição da escravatura no Brasil era um assunto que estava no centro de nossa pauta política desde que a independência do país foi conquistada em 1822. A elite econômica e política do nosso país sabia que o reconhecimento internacional da nossa independência, sobretudo no que se refere ao reconhecimento inglês, passava pela abolição do trabalho escravo.

A postura do nosso país, no entanto, foi a de postergar qualquer compromisso assumido, seja com o fim do tráfico negreiro, seja com a abolição da escravatura. Em razão do perfil e dos interesses da elite econômica do nosso país, o trabalho escravo, ao invés de ser combatido, foi reforçado.

O tráfico negreiro, por exemplo, manteve-se bastante ativo em nosso país até 1850. Seu fim só aconteceu de fato, por meio da Lei Eusébio de Queirós, em razão das pressões inglesas e do risco de guerra com a Inglaterra.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O desejo das elites escravocratas do Brasil era de que o fim do trabalho escravo fosse lento e gradual e só acontecesse quando o último escravo morresse. Foi levando essa ideia em consideração que a escravidão permaneceu legal em nosso país por mais de 38 anos após a proibição do tráfico negreiro.

O debate abolicionista no Brasil só ganhou mais força a partir da década de 1870, com o fim da Guerra do Paraguai. Já no começo dessa década, registrou-se o surgimento de novas associações abolicionistas. Em virtude da atuação dessas entidades, os grupos interessados na manutenção da escravidão intervieram e optaram por soluções graduais.

Isso resultou na aprovação da Lei do Ventre Livre, aprovada em setembro de 1871 e que tinha como objetivo principal controlar a causa abolicionista. A lei funcionava da seguinte maneira: a partir daquela data, todos os filhos de escravos seriam considerados livres, mas seriam obrigados a trabalhar por um tempo como compensação. A lei estipulava que o filho do ventre da escrava seria livre:

  • aos 8 anos (nesse caso, o dono da escrava receberia uma indenização de 600 mil réis);

  • aos 21 anos (nesse caso, da escrava não receberia nenhuma indenização).

A Lei do Ventre do Livre, na ótica dos escravocratas, conseguiu alcançar seu objetivo principal: fazer o movimento abolicionista, temporariamente, perder força. O movimento só se recuperou na década de 1880, e a mobilização de parte da sociedade e dos próprios escravos foi fundamental para que a causa tivesse sucesso.

O crescimento da causa abolicionista na década de 1880 é claramente perceptível pelo crescimento do número de associações que atuavam pela causa. As historiadoras Lilia Schwarcz e Heloísa Starling destacam a atuação da Sociedade Brasileira contra a Escravidão e a Confederação Abolicionista|1|.

Além disso, o número de publicações que faziam a defesa da causa abolicionista disparou, e pessoas influentes, como Castro Alves e Joaquim Nabuco, associaram-se à causa. Outros nomes de destaque na defesa do abolicionismo nessa década foram Luís Gama, José do Patrocínio, André Rebouças, entre outros.

Nesse contexto, em defesa da abolição, a publicação de artigos e panfletos e a realização de atos públicos, como procissões e outros tipos de manifestações, tornaram-se comuns. A década de 1880, porém, viu um tipo de manifestação que foi fundamental para que a campanha tivesse sucesso: a desobediência civil.

O grande destaque nesse momento foi a própria luta dos escravos, uma vez que fugas e rebeliões tornaram-se comuns no período e demonstraram que a situação estava fora do controle das entidades governamentais. Lilia Schwarcz e Heloísa Starling destacam que, “conscientes de que a escravidão perdia a legitimidade e o consenso, grupos de escravos ganhavam em ousadia e articulação, revoltando-se fugindo, cometendo crimes, clamando por melhorias em suas condições de vida e por autonomia”|2|.

O resultado disso foi o aumento substancial na quantidade de quilombos, que surgiram para abrigar o grande fluxo de escravos fugidos de seus cativeiros. Os arredores da cidade do Rio de Janeiro e de Santos presenciaram uma quantidade enorme de quilombos formados com o intuito de, além de abrigar os escravos fugidos, organizar formas de resistência e prestar auxílio para outros escravos.

Esses quilombos são definidos pelo historiador Eduardo Silva como quilombos abolicionistas|3|, pois possuíam lideranças politicamente articuladas para fazer a intermediação entre a sociedade e os escravos fugidos, além de prestar-lhes apoio, incentivar fuga de escravos, abrigá-los em esconderijos ou deslocá-los para o Ceará (estado em que o trabalho escravo foi abolido em 1884).

O apoio e a pressão popular foram outras formas de atuação e resistência importantes. Propagandear o movimento era importante para garantir-lhe apoio. Nesse sentido, um símbolo tornou-se muito influente, e o gesto de portar esse símbolo na época tornou-se um ato político, como definem Lilia Schwarcz e Heloísa Starling|4|. Estamos falando das camélias brancas.

No final da década de 1880, a camélia branca tornou-se um símbolo dos abolicionistas no Brasil.
No final da década de 1880, a camélia branca tornou-se um símbolo dos abolicionistas no Brasil.

Essa flor era cultivada por um quilombo localizado no Leblon e foi utilizada muitas vezes para identificar abolicionistas em ações consideradas mais arriscadas.

Por fim, somado a isso, há uma questão importante. O Estado tornou-se ineficaz no combate de todas as formas de resistência à escravidão em nosso país, uma vez que polícia e Exército começaram a fazer “vista grossa” em razão da quantidade de ocorrências. Assim, o movimento abolicionista colocou-se como um “risco” para a ordem do Império, fazendo com que a manutenção da escravidão no país fosse inviável política, econômica e socialmente.

Acesse também: A abolição resolveu o problema vivido pelos negros no Brasil?

Lei Áurea

A princesa Isabel foi a responsável por assinar a Lei Áurea em 13 de maio de 1888.***
A princesa Isabel foi a responsável por assinar a Lei Áurea em 13 de maio de 1888.***

Foi nesse quadro em que ocorreu a abolição da escravatura no Brasil. Ela não foi resultado da benevolência da princesa Isabel, mas fruto de uma forte pressão popular e política. O Império, sem saídas, optou por garantir a abolição da escravatura quando João Alfredo, político do Partido Conservador, propôs o projeto da Lei Áurea.

O projeto avançou e, no dia 13 de maio de 1888, a princesa Isabel, enquanto princesa regente do Brasil, assinou o documento que garantiu a abolição da escravatura de maneira imediata e sem reparação. Cerca de 700 mil escravos ganharam a sua liberdade, mas sem que medidas de integração social e econômica fossem realizadas. Isso garantiu que o negro continuasse extremamente marginalizado na sociedade brasileira.

Resumo

A abolição da escravatura foi um processo lento e gradual que se estendeu no Brasil ao longo de grande parte do século XIX. A pressão do movimento abolicionista e os distúrbios causados pelas formas de resistência e luta dos escravos forçaram o Império a abolir essa forma de trabalho.

Com a Lei Áurea, os negros permaneceram marginalizados na sociedade, uma vez que políticas de integração social e econômica não foram realizadas, e o racismo permaneceu como um problema grave na sociedade brasileira. Com a Lei Áurea, assinada em 13 de maio de 1888, aproximadamente 700 mil escravos ganharam a liberdade.

|1| SCHWARCZ, Lilia Moritz e STARLING, Heloisa Murgel. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015, p. 305.
|2| Idem, p. 308.
|3| SILVA, Eduardo. As camélias do Leblon e a abolição da escravatura. Para acessar, clique aqui.
|4| SCHWARCZ, Lilia Moritz e STARLING, Heloisa Murgel. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015, p. 309.

*Créditos da imagem: Everett Historical e Shutterstock
**Créditos da imagem: irisphoto1 e Shutterstock
***Créditos da imagem: Georgios Kollidas e Shutterstock

 

Aproveite para conferir a nossa videoaula relacionada ao assunto:

Você pode se interessar também

História

Lei Eusébio de Queirós

Datas Comemorativas

Como ficou a vida dos escravos após a Lei Áurea?

História

Escravidão no Brasil

História

Lei Áurea

Últimos artigos

Modernismo

O Modernismo foi o principal movimento literário do século XX e teve manifestações na Europa e no Brasil.

Noradrenalina

A noradrenalina ou norepinefrina atua como hormônio e neurotransmissor. Entre suas funções, podemos destacar a ação vasodilatadora e a degradação do glicogênio em glicose.

China

A China é um país localizado no continente asiático e que concentra a maior população do mundo. É atualmente um dos países em maior ascensão econômica.

Guerra das Rosas

A Guerra das Rosas foi um conflito que se arrastou pela segunda metade do século XV, na Inglaterra, e colocou York e Lancaster na disputa pelo trono inglês.