Qual matéria está procurando ?

História

História

Capitão do mato e as fugas escravas

Saiba quem era o Capitão do mato e sua importância na colônia.

 Uma das figuras mais conhecidas na repressão aos escravos no Brasil foi a do  Capitão do mato . Mas qual era sua função na sociedade escravista brasileira entre os séculos XVII e XIX? Você, leitor, sabe qual era?

O Capitão do mato era conhecido também como capitão-de-assalto-e-entrada, entre outros termos. Sua principal função era a de caçar gente, principalmente escravos fugidos das fazendas e minas pertencentes a seus senhores.

 Geralmente não atuavam sozinhos, compondo em sua maior parte tropas de número variável de capitães do mato, além de atuar em conjunto às forças militares da colônia.  

Ganhavam a vida caçando os escravos e entregando a seus senhores, que, em troca, retribuíam em dinheiro a entrega.

O capitão do mato surgiu na sociedade brasileira após a destruição do Quilombo do Palmares, em 1694. Com os capitães do mato, os senhores de engenho e as autoridades portuguesas pretendiam impedir fugas das fazendas e também impor o medo nos escravos caso tivessem interesse em fugir de seus cativeiros.

Porém, o capitão do mato não era muito querido na sociedade colonial e imperial brasileira. Havia muitas denúncias de que os capitães do mato roubavam escravos que não haviam fugido para poder entregá-los a seus senhores e conseguir o pagamento, burlando assim a regra de confiança entre senhores e capitães. Em alguns casos, os capitães do mato matavam cativos inocentes, gerando prejuízos aos proprietários dos escravos.

Os capitães do mato eram geralmente escravos libertos, o que garantia uma posição social superior a dos que permaneciam escravos e mesmo de pobres livres, já que estavam mais próximos dos senhores. Por outro lado, a origem escrava dos capitães do mato inflamava ainda mais a ira dos cativos contra esses caçadores, já que no passado estiveram em uma posição social semelhante.

Em virtude de sua função, o capitão do mato era um personagem de muita importância para a garantia da estabilidade social na colônia. Sem ele, possivelmente as fugas de escravos teriam sido ainda maiores, o que impedia a continuidade de existência da escravidão no Brasil colonial e imperial.

 Segundo um capitão-mor da colônia, funcionário da Coroa portuguesa, o capitão do mato era necessário “à segurança interna dos Povos e ao domínio dos Senhores sobre os Escravos e malfeitores, que de outro modo ou todos [os escravos] fugiriam”. Sua atuação serviria ainda para que os escravos não se levantassem “contra o mesmo Paiz [...] devendo-se a este Corpo [de capitães-do-mato] a segurança e tranquilidade interna de todo o paiz d’America, e da sua subsistencia”. [1]

A existência do capitão do mato na história colonial e imperial mostra que a violência foi uma das características mais marcantes da formação da sociedade brasileira. 

Nota.

[1] REIS, João José Reis. Quilombos e revoltas escravas no Brasil. Revista USP São Paulo (28): 14-39, Dezembro/Fevereiro 95/96. p. 17-18.  


Por Tales Pinto
Mestre em História

  

Um capitão do mato retratado por Johann Moritz Rugendas (1802-1858) Um capitão do mato retratado por Johann Moritz Rugendas (1802-1858)
Por Escola Kids

Você pode se interessar também

História

Os Negros Trazidos para o Brasil

História

Lei Eusébio de Queirós

História

Movimento abolicionista

História

As consequências do fim da escravidão no Brasil

Últimos artigos

Idade Moderna

Idade Moderna foi um dos períodos da História, iniciando-se em 1453 e finalizando-se em 1789. Foi o período dos regimes absolutistas e do surgimento do capitalismo.

Animais onívoros

Animais onívoros são aqueles que podem alimentar-se de algas ou plantas e também de outros animais. Porcos e baratas são exemplos de animais onívoros.

Réveillon e Ano-Novo

O Réveillon e o Ano-Novo são datas comemorativas de final e início de ano e remetem a comemorações diferentes.

Revolução Praieira

A Revolução Praieira foi a última revolução provincial que aconteceu no Brasil durante o período monárquico e abalou Pernambuco, de 1848 a 1850.