Qual matéria está procurando ?

História

História

Princesa Isabel

Princesa Isabel, filha do imperador Dom Pedro II e herdeira do trono do Brasil, ficou conhecida por ter assinado a Lei Áurea em 13 de maio de 1888.

Princesa Isabel era a herdeira do trono do Brasil no período em que nosso país era uma monarquia. Era casada com um nobre francês conhecido como Conde d’Eu e ficou famosa por ter sido a responsável por assinar a Lei Áurea, a lei que aboliu a escravatura no Brasil em 13 de maio de 1888.

Biografia

  • Infância

A princesa Isabel nasceu no Rio de Janeiro, em 29 de julho de 1846. Seus pais eram Dom Pedro II, o imperador do Brasil, e Teresa Cristina, esposa do imperador. O nome de nascença da princesa era Isabel Cristina Leopoldina Augusta Micaela Gabriela Rafaela Gonzaga de Bragança e Bourbon, e essa foi o segundo filho do imperador e a primeira do sexo feminino.

Os historiadores falam que a infância da princesa Isabel ficou marcada pelo isolamento. Não costumava aparecer frequentemente em público e ir aos locais visitados por outros membros da família real e da corte. Passou sua infância no Paço do São Cristóvão, local no qual atualmente ficam os restos do Museu Nacional, destruído por um incêndio em 2018.

Com onze meses de idade, a princesa recebeu o título de herdeira presuntiva do Brasil, isto é, ela era herdeira por não existir melhor opção disponível para o trono. Isso aconteceu porque os dois filhos do imperador — um deles mais velho que a princesa Isabel — morreram ainda na infância. Assim, por ser a filha mais velha do imperador, acabou herdando o título.

Por ser filha da realeza e herdeira do trono brasileiro, a educação da princesa Isabel foi de qualidade. Durante a sua adolescência, chegava a estudar durante 15 horas por dia e estudava disciplinas diversas, como História, Retórica, Filosofia, Geologia, Economia, Política etc. Aprendia diversos idiomas, como latim, inglês e francês; nas artes, estudava pintura, desenho e piano, por exemplo.

Acesse também: Entenda como se deu a Independência do Brasil

  • Casamento

No final de 1863, quando a princesa estava às vésperas de completar 18 anos, seu pai começou a procurar um marido para casar-se com ela. Nessa busca, chegou-se a um acordo com Luís Filipe Maria Fernando Gastão, um membro da nobreza francesa e conhecido como Conde d’Eu.

O Conde d’Eu não era a pessoa mais bem querida na corte brasileira, e a indisposição das pessoas com ele dava-se por ser francês, além de ter existido certo preconceito pelo fato de ele ser surdo e falar um português ruim. Do casamento da princesa com o Conde d’Eu, nasceram quatro filhos: Luísa Vitória, Pedro, Luís e Antônio. Os relatos dos historiadores dão conta de que Isabel e Conde d’Eu possuíam uma relação muito estável, sendo um casal extremamente apaixonado.

O Conde d’Eu chegou a ser enviado para a Guerra do Paraguai por ordem do imperador, para comandar as tropas no lugar de Duque de Caxias. Na Guerra do Paraguai, Conde d’Eu foi responsável por alforriar os escravos paraguaios em 1870 e também coordenou a caçada ao ditador Solano López.

  • Política

Apesar de ter sido a herdeira e de ter tido uma ótima educação, os historiadores afirmam que a princesa nunca teve muito apreço pela política brasileira e preferia manter-se alheia a esse assunto tanto quanto fosse possível. Como era herdeira do trono, tornou-se senadora quando completou 25 anos de idade (a primeira mulher senadora de nosso país). A princesa Isabel, no entanto, preferia dedicar-se aos assuntos domésticos e religiosos.

Mesmo assim, pela sua posição (de herdeira do trono), foi obrigada a assumir o comando do país em três ocasiões. Isso aconteceu em decorrência das viagens do imperador, que se tornaram bastante comuns quando a saúde de D. Pedro II deteriorava-se. Ela regeu o Brasil em três ocasiões:

  1. Em 1870, sendo a responsável por assinar a Lei do Ventre Livre.
  2. Entre 1876-1877, tendo que lidar com um conflito entre católicos e maçons.
  3. Em 1888, quando assinou a Lei Áurea.
  • Participação na abolição

Esse é o assunto mais polêmico no que se refere à vida da princesa Isabel. Por ter assinado a lei que aboliu o trabalho escravo no Brasil, a princesa ficou marcada na história do nosso país como uma grande benfeitora. O envolvimento da princesa na causa abolicionista tem sido alvo de intensos estudos pelos historiadores, e essa posição da princesa como “redentora” tem sido questionada.

Primeiramente, a abolição da escravatura no nosso país não foi um ato de benfeitoria política da princesa, mas foi resultado de um processo de luta que mobilizou a sociedade brasileira e incluiu a luta de diversas pessoas, inclusive os próprios escravos. A manutenção da escravidão naquele momento tornara-se insustentável por uma série de fatores.

Além disso, o envolvimento da princesa com a causa foi tardio. Os historiadores apontam que ela só se manifestou publicamente sobre o assunto quando a abolição da escravatura parecia ser inevitável e, ao longo da década de 1880, a postura dela foi a de evitar tratar desse assunto publicamente. Ainda existem críticas que apontam que a mudança de postura da princesa foi puramente por razões políticas.

De toda forma, ela realizou um ato que, provavelmente, seu pai não teria coragem de realizar, e existem relatos que apontam que ela abrigou escravos em sua residência uma vez e também foi vista publicamente portando camélias, flor símbolo da luta abolicionista no Brasil. Por fim, em 13 de maio de 1888, a princesa Isabel assinou a Lei Áurea e aboliu a escravidão no Brasil. Caso queira saber mais sobre o processo dessa abolição, sugerimos a leitura deste texto: Abolição da Escravatura no Brasil.

  • Fuga do Brasil

A princesa foi obrigada a fugir do Brasil e exilar-se na França após a Proclamação da República, que aconteceu em 15 de novembro de 1889. Isso aconteceu porque, depois desse evento, a família real brasileira foi expulsa do país. Como o Conde d’Eu tinha família e posses na Europa, a princesa instalou-se na França. A transformação do Brasil em república foi resultado da perda de popularidade da monarquia nos quadros políticos do nosso país.

Outro fator relevante é que, por puro preconceito, tanto a princesa quanto seu marido não eram personalidades bem-vistas para assumir o trono do Brasil. A princesa era questionada pelo fato de ser uma mulher, e o Conde era questionado pelo fato de ser estrangeiro. Assim, os militares — o grupo mais insatisfeito com a monarquia — organizou um golpe e derrubou-a.

Acesse também: Conheça um dos capítulos mais importantes da história de Portugal

Morte

A princesa faleceu em 14 de novembro de 1921, quando possuía a idade de 75 anos. Ela faleceu no exílio e, portanto, nunca teve a chance de retornar ao Brasil após sua expulsão em 1889. A expulsão da família real foi revogada em 1920, mas a princesa não retornou ao país por questões de saúde. Seus restos mortais encontram-se atualmente em Petrópolis, cidade localizada no Rio de Janeiro.

*Créditos da imagem: Georgios Kollidas e Shutterstock

Princesa Isabel, nascida em 1846, era herdeira do trono brasileiro e foi a responsável por assinar a lei que libertou os escravos no Brasil.* Princesa Isabel, nascida em 1846, era herdeira do trono brasileiro e foi a responsável por assinar a lei que libertou os escravos no Brasil.*
Por Daniel Neves Silva

Você pode se interessar também

Datas Comemorativas

Como ficou a vida dos escravos após a Lei Áurea?

História

Dom Pedro II

História

Movimento abolicionista

História

As consequências do fim da escravidão no Brasil

Últimos artigos

O que é patrimônio cultural?

Patrimônio cultural é qualquer objeto da cultura material e imaterial que é importante para a cultura de nossa sociedade e que, por isso, é preservado.

Embaixo ou em baixo: junto ou separado?

“Embaixo” é um advérbio de lugar e indica a localização de algo, enquanto “em baixo” é, na verdade, a junção de uma preposição com um adjetivo.

22 de abril – Dia da Terra

O Dia da Terra é comemorado em 22 de abril e é um momento para refletirmos sobre o modo como nos relacionamos com o nosso planeta e que atitudes devemos adotar.

Combustíveis fósseis

Combustíveis fósseis são fontes de energia originadas da decomposição de plantas e animais soterrados ao longo de milhares de anos. São úteis para a produção energética.