Qual matéria está procurando ?

História

História

Revolução de Avis

A Revolução de Avis foi resultado da crise dinástica que afetou Portugal entre 1383 e 1385. Dessa revolução surgiu a dinastia de Avis, que governou o país até o século XVI.

A Revolução de Avis, também conhecida como Crise de 1383, refere-se à sucessão de eventos e conflitos que aconteceram em Portugal e que resultaram no fim da Dinastia Afonsina e no começo da Dinastia de Avis. Essa revolução resultou na coroação de João, Mestre de Avis, como D. João I e rei de Portugal no ano de 1385.

Antecedentes históricos

O surgimento de Portugal enquanto nação relacionou-se diretamente com as Guerras de Reconquista, nas quais os cristãos da Península Ibérica iniciaram uma luta para expulsar os mouros, que invadiram e fixaram-se na península no século VIII. À medida que os mouros eram expulsos, novos reinos surgiam na península.

Portugal surgiu de fato quando D. Afonso Henriques, filho de Henrique da Borgonha, declarou a independência do Condado Portucale e o fim da relação de vassalagem com o Reino de Leão. Além de ter proclamado a independência de Portugal em 1139, D. Afonso Henriques também se declarou rei de Portugal e deu início à Dinastia Afonsina.

Apesar de independente, Portugal ainda não havia concluído a sua formação territorial – processo que se estendeu para o século XIII, quando os mouros foram expulsos de Algarve, região ao sul de Portugal que ainda não tinha sido reconquistada. Ainda que concluída sua formação territorial, Portugal sempre esteve à sombra do Reino de Castela, um reino vizinho que alimentava ambições de conquistar o território português.

Uma crise na Dinastia Afonsina no final do século XIV colocou a independência portuguesa em xeque. Nesse período, o Reino de Castela tentou conquistar o trono de Portugal.

Acesse também: Saiba como surgiu o Islamismo, a segunda maior religião do mundo

Crise dinástica

Até 1383, Portugal era governado por D. Fernando I, rei que havia herdado o trono de seu pai, D. Pedro I. O reinado de D. Fernando I, no entanto, não era muito popular entre o povo português, pois ele se casara com D. Leonor Teles, que já havia sido casada.

Do casamento de D. Fernando I e Leonor Teles, nasceu a princesa Beatriz, que, com 11 anos de idade, foi oferecida em casamento para João I de Castela, o rei do Reino de Castela, como uma maneira de encerrar as guerras travadas entre Portugal e Castela (somente no reinado de D. Fernando I, foram travadas três guerras contra Castela).

A situação de Portugal ficou dramática depois que o rei D. Fernando I morreu em 1383. O rei português não possuía um herdeiro do sexo masculino, sendo assim, a lei portuguesa determinava que Portugal seria governado por D. Leonor Teles até que a princesa Beatriz tivesse um herdeiro e este completasse 14 anos de idade.

D. Leonor Teles tornou-se a regente de Portugal, mas logo se iniciaram conspirações contra a regente. As conspirações contra Leonor Teles foram precedidas por uma série de rebeliões, e os conspiradores – formados em grande parte pela burguesia portuguesa – planejaram assassinar Conde Andeiro, suposto amante de Leonor Teles.

Percebendo que sua posição estava ameaçada, D. Leonor solicitou o auxílio de sua família e do rei de Castela, João I de Castela. O apoio do rei de Castela à Leonor Teles foi visto com grande alarmismo pela burguesia portuguesa, que via nesse ato uma ameaça à independência de Portugal, pois, caso João I de Castela assumisse o trono, poderia unificar os territórios de Portugal com os territórios de Castela. O envolvimento de João I de Castela na crise dinástica portuguesa contava com o apoio de grande parte da nobreza de Portugal.

A burguesia portuguesa e a população de Lisboa escolheram João, Mestre de Avis, para liderar a defesa de Portugal contra as pretensões castelhanas. O Mestre de Avis era filho bastardo do rei Pedro I, portanto, irmão bastardo do falecido D. Fernando I. Além disso, o Mestre de Avis foi o responsável pelo assassinato do amante de D. Leonor Teles.

Com isso, Portugal dividiu-se em duas facções: uma apoiando João I de Castela e D. Leonor Teles e outra apoiando João, Mestre de Avis. Essa crise dinástica de Portugal iniciou-se em 1383 e estendeu-se até 1385. Esse período em que Portugal não possuiu reis governando o país ficou conhecido como interregno.

Guerra

O racha interno em Portugal proporcionado pela crise dinástica arrastou o país para a guerra. Essa guerra contou com o envolvimento indireto de outras nações, pois os franceses começaram a apoiar João I de Castela, e os ingleses começaram a apoiar o Mestre de Avis. Um dos episódios marcantes dessa guerra entre portugueses e castelhanos foi o cerco de Lisboa, em 1384.

Lisboa, capital de Portugal, foi cercada por tropas castelhanas em 1384 durante cerca de três meses. Os castelhanos, porém, foram obrigados a se retirar quando suas tropas foram atacadas por um surto de peste, que matou milhares de soldados. A derrota em Lisboa, no entanto, não colocou fim às ambições castelhanas, assim, novas batalhas aconteceram.

O ponto alto dessa guerra ocorreu na Batalha de Aljubarrota, em 14 de agosto de 1385. Essa batalha foi extremamente relevante, pois marcou o fim das pretensões de Castela sobre Portugal. Em Aljubarrota, as tropas castelhanas, mesmo numericamente superiores, foram derrotadas pelas tropas portuguesas, lideradas por D. Nuno Álvares Pereira.

Atribui-se a vitória dos portugueses a uma tática defensiva que permitia às tropas numericamente inferiores dos portugueses suportar uma série de ataques castelhanos. O papel de D. Nuno Álvares na liderança também é entendido como fundamental pelos historiadores. Com a derrota em Aljubarrota, as tropas de Castela fugiram de Portugal.

Nesse ínterim, João, Mestre de Avis, teve seu papel de líder consolidado em Portugal. O resultado foi que, após derrotar os castelhanos, o Mestre de Avis foi proclamado rei em 1385. Foi iniciada nesse momento a dinastia de Avis, que esteve no poder de Portugal até o ano de 1580. Uma vez coroado, o Mestre de Avis tornou-se João I de Portugal e reinou até o ano de 1433.

Acesse também: Entenda como a dinastia de Avis teve fim em Portugal no final do século XVI

Importância da Revolução de Avis

A Revolução de Avis foi extremamente importante por consolidar de maneira definitiva a formação de Portugal e afastar de vez as ambições dos castelhanos. Portugal e Castela só firmaram paz novamente em 1411. A Revolução de Avis também foi responsável por consolidar Portugal politicamente e garantir que o país focasse no seu desenvolvimento econômico.

Com a estabilidade política, os reis portugueses garantiram apoio para o desenvolvimento da burguesia e, assim, o comércio de Portugal cresceu consideravelmente. A estabilidade política instaurada por meio da Revolução de Avis também garantiu o investimento no desenvolvimento náutico, elemento fundamental para a expansão marítima que o país encabeçou no século XV.

D. Nuno Álvares Pereira foi o grande líder do exército português que derrotou os castelhanos na Batalha de Aljubarrota. D. Nuno Álvares Pereira foi o grande líder do exército português que derrotou os castelhanos na Batalha de Aljubarrota.
Por Daniel Neves Silva

Você pode se interessar também

História

Islamismo

História

Invasões holandesas no Brasil

História

Peste negra

História

Descobrimento do Brasil

Últimos artigos

O que é patrimônio cultural?

Patrimônio cultural é qualquer objeto da cultura material e imaterial que é importante para a cultura de nossa sociedade e que, por isso, é preservado.

Embaixo ou em baixo: junto ou separado?

“Embaixo” é um advérbio de lugar e indica a localização de algo, enquanto “em baixo” é, na verdade, a junção de uma preposição com um adjetivo.

22 de abril – Dia da Terra

O Dia da Terra é comemorado em 22 de abril e é um momento para refletirmos sobre o modo como nos relacionamos com o nosso planeta e que atitudes devemos adotar.

Combustíveis fósseis

Combustíveis fósseis são fontes de energia originadas da decomposição de plantas e animais soterrados ao longo de milhares de anos. São úteis para a produção energética.