Qual matéria está procurando ?

História

História

Acádios

Os acádios eram um povo originário da cidade de Acádia que habitava a Mesopotâmia. Eles formaram o primeiro grande império centralizado na região, com Sargão, o Grande.

Ilustração representando o rei acádio, guerreiros e leões em combate. Os acádios foram os primeiros mesopotâmicos a formar um grande império centralizado na região.

Acádios ou acadianos foram um povo da Mesopotâmia. Eram originários da cidade de Acádia, capital do seu império. Esse povo ficou conhecido por formar um grande império que se estendia do Golfo Pérsico até o mar Mediterrâneo, e a construção desse império foi iniciada com o rei Sargão, em 2334 a.C.

Além de possuírem uma agricultura próspera e um comércio pujante, os acádios ficaram conhecidos por realizar a construção de grandes estradas e templos. Também contribuíram para difundir a escrita cuneiforme e consolidar o acádio como o principal idioma na Mesopotâmia. Mudanças climáticas e invasões estrangeiras levaram os acádios ao colapso, no século XXII a.C.

Leia também: Papiro — material egípcio usado para a escrita que antecedeu o pergaminho

Resumo sobre acádios

  • Os acádios eram um povo mesopotâmico.

  • Tinham a cidade de Acádia como sua capital. Os historiadores ainda não sabem a real localização dessa cidade.

  • Estabeleceram o primeiro grande império centralizado na Mesopotâmia. As fronteiras acádias se estendiam do Golfo Pérsico ao mar Mediterrâneo.

  • O primeiro rei acádio foi Sargão, que subiu ao poder em 2334 a.C.

  • Mudanças climáticas e invasões estrangeiras, em especial dos gutis, contribuíram para o colapso acádio no século XXII a.C.

Quem são os acádios?

Os acádios foram um povo mesopotâmico que ficou conhecido por formar o primeiro império centralizado na região entre 2334 a.C. e 2154 a.C. Esse império se iniciou com Sargão, o Grande, rei acádio que conseguiu conquistar uma série de cidades na Mesopotâmia por meio de inúmeras campanhas militares.

A partir daí, o domínio acádio se iniciou e estendeu-se por aproximadamente dois séculos. O centro do Império Acádio foi a cidade de Acádia, da qual sabemos da existência por conta de fontes textuais do período, mas ainda hoje não se sabe a real localização dessa cidade. O Império Acádio uniu sumérios e acádios e levou as fronteiras desse império do mar Mediterrâneo ao Golfo Pérsico.

Sabemos que os acádios foram os responsáveis por consolidar e estender o uso da escrita cuneiforme, adaptando-a ao idioma acádio, o que contribuiu para que esse idioma fosse o mais popular da Mesopotâmia até o surgimento do aramaico. Eles também utilizaram a escrita cuneiforme para realizar importantes registros do seu período.

Os acádios dominaram a Mesopotâmia por meio das armas, garantindo que rebeliões de diferentes povos sob seu domínio fossem esmagadas, mas também incentivaram o desenvolvimento do comércio na região, contribuindo para o enriquecimento da Mesopotâmia e a chegada de importantes mercadorias à região.

Por fim, utilizaram a religião como forma de garantir sua sustentação no poder. O rei acádio Sargão, o Grande, por exemplo, contou com sua filha Enheduanna para garantir o controle da população por meio da religião. Ela foi colocada como uma sacerdotisa da deusa Nanna e manteve-se na função por mais de 40 anos.

Veja também: Assírios — outro povo que habitava a Mesopotâmia

Rei Sargão e o Império Acádio

Os historiadores não sabem se Sargão foi o responsável por fundar ou por desenvolver a cidade de Acádia, tornando-a a mais poderosa da Mesopotâmia. Sabemos unicamente que ele foi o responsável pela ascensão acádia que se iniciou em 2334 a.C., quando ele assumiu o trono da Acádia.

Uma vez estabilizado no poder, Sargão realizou importantes feitos:

  • incentivou a construção de estradas;

  • melhorou o sistema de irrigação na agricultura;

  • ampliou o comércio da Acádia com outros povos;

  • incentivou o desenvolvimento das artes e da ciência;

  • permitiu o desenvolvimento do sistema da escrita cuneiforme, inserindo mudanças por conta do idioma acádio e fazendo com que os escribas locais fossem devidamente instruídos a respeito disso.

O reinado dele também ficou marcado por desenvolver um sistema postal, o primeiro de que temos conhecimento, fazendo com que cartas fossem enviadas e entregues pessoalmente. Politicamente falando, Sargão colocou pessoas de sua confiança em posições de poder estratégicas. Isso garantiu estabilidade para que ele pudesse governar.

É bastante consolidado que Sargão foi o responsável por fazer do Império Acádio o primeiro império centralizado da Mesopotâmia, mas alguns historiadores discordam dessa afirmação, defendendo que na Suméria já havia existido iniciativas do tipo, embora de proporções muito menores.

O império liderado por Sargão possuía uma agricultura próspera, e o excedente de produção era utilizado para reforçar os laços comerciais com povos vizinhos, levando para a Acádia uma série de mercadorias que não eram produzidas localmente. As grandes dimensões do império de Sargão faziam os acádios afirmarem que ele era o senhor dos quatro cantos do Universo.

Demais reinados da Acádia

Depois que Sargão morreu, o Império Acádio foi governado por seus filhos Rimus e Manistusu. O reinado de ambos ficou marcado por uma série de revoltas que precisaram ser controladas pela força militar. Foi somente depois de controladas as revoltas que ambos puderam desenvolver ações que garantiram o desenvolvimento do império.

Rimus, por exemplo, teve de lutar contra a civilização Elam, derrotando-a e restabelecendo o controle acádio sobre aquele local. O reinado de Rimus teve duração de apenas nove anos, pois ele morreu em 2271 a.C. Muitos historiadores acreditam que Manistusu, irmão de Rimus, foi o responsável pela morte do rei da Acádia.

Manistusu seguiu a política de seu pai, Sargão, e manteve o incentivo à construção de estradas, ao desenvolvimento do comércio, bem como à construção de templos religiosos e outras importantes obras arquitetônicas, procurando manter o domínio cultural acadiano sobre a Mesopotâmia.

O filho de Manistusu, chamado Naram-Sin, sucedeu o trono e manteve um reinado longo e próspero. Ele também teve de lidar com revoltas em algumas cidades conquistadas pelos acadianos. Naram-Sin conseguiu expandir as fronteiras do Império Acádio, além de ter dado continuidade ao crescimento do comércio local.

Carimbo com gravação em escrita cuneiforme que menciona Naram-Sin, rei acádio. [1]

A economia acadiana sob o reinado de Naram-Sin foi próspera por conta da boa produtividade agrícola das terras do Império Acádio e também por uma organizada política de impostos. Entretanto, ao final de seu reinado, o Império Acádio entrou em declínio. O reinado dele se encerrou em 2218 a.C., e alguns historiadores entendem que esse foi o final do Império Acádio.

Leia também: Alexandre, o Grande — um dos maiores reis da Antiguidade

Declínio dos acádios

Depois de Naram-Sin, a Acádia foi governada por uma série de outros reis, segundo uma lista de reis suméria. Entre eles estavam Sarcalissarri e Sudurul, o último dos reis da Acádia. Entre Naram-Sin e Sudurul existem algumas décadas de diferença, período no qual o Império Acádio foi se desmontando até o colapso final.

Tradicionalmente, a queda dos acadianos foi explicada pelas sucessivas invasões de gutis, que desciam de regiões montanhosas e que por meio de grande violência conseguiram destruir o império por inteiro. Entretanto, muitos historiadores questionaram essa queda “repentina” dos acadianos, procurando algum outro elemento que explicasse esse enfraquecimento tão rápido a ponto de permitir a derrota para os gutis.

Lendas mesopotâmicas atribuíam a queda dos acadianos à ira dos deuses, alegando que os reis da Acádia haviam demonstrado ter muita soberba, desonrando e desrespeitando as divindades, que então enviaram os gutis para promover a destruição do império. Claro que essas lendas não explicam historicamente a queda do Império Acádio.

Novas evidências apontaram que, no final do terceiro milênio a.C., uma rigorosa mudança climática afetou profundamente a Mesopotâmia, prejudicando de maneira considerável a agricultura e a economia local. As evidências demonstraram que uma seca muito forte se abateu sobre a região, dando início a um processo de desertificação.

Aparentemente, o desastre climático não afetou apenas a Mesopotâmia, mas todo o Oriente Médio, e acredita-se que essa seca se estendeu por cerca de 300 anos. Isso fez com que inúmeros povos, incluindo os acádios, passassem por grandes dificuldades para garantir a sua sobrevivência. O norte da Mesopotâmia foi mais afetado, e milhares de pessoas começaram a migrar para o sul.

para roubar tudo o que fosse útil para garantir sua sobrevivência. A desorganização causada pelos ataques e pelo desastre climático e econômico levou o Império Acádio a ruir, chegando ao fim no século XXII a.C. Os gutis se estabeleceram como força predominante na Mesopotâmia por um breve período.os gutis, passaram a atacar as terras dominadas pelos acádiosAs alterações climáticas levaram inúmeros povos a movimentar-se como forma de sobreviver, e muitos, entre eles

Crédito da imagem

[1] Commons

Por Daniel Neves Silva

Você pode se interessar também

História

Alexandre, o Grande

História

Assírios

História

Hititas

História

Mesopotâmia

Últimos artigos

Folclore brasileiro

O folclore brasileiro é o rico conjunto de manifestações de nossa cultura. Mitos, lendas, danças, músicas, brincadeiras e festas populares fazem parte dele.

El Niño

O El Niño é um fenômeno descrito pelo aquecimento anormal das águas do Oceano Pacífico, provocando chuvas volumosas no Sul do Brasil e secas severas no Norte e no Nordeste.

Bicho-papão

Bicho-papão é uma lenda presente no folclore brasileiro que fala de um monstro que sequestra e devora crianças desobedientes. Foi influência portuguesa em nossa cultura.

Queda da Bastilha

A queda da Bastilha foi um acontecimento marcante que se passou em 14 de julho de 1789, marcando o início da Revolução Francesa.