Qual matéria está procurando ?

Ciências

Ciências

Dengue

A dengue é uma doença causada por um vírus, o qual é transmitido pela picada do mosquito Aedes aegypti. Os sintomas incluem febre, dores no corpo, dor de cabeça e manchas avermelhadas. Manifestações hemorrágicas, quando ocorrem, podem indicar um caso mais grave da infecção.

A dengue não apresenta tratamento específico, sendo utilizados medicamentos que visam apenas ao alívio dos sintomas. Em casos graves, a internação pode ser necessária para evitar complicações. Por não possuir tratamento, a melhor opção é investir em prevenção, evitando, por exemplo, a proliferação do mosquito.

Agente causador da dengue

A dengue é uma doença causada por vírus, que é transmitido pela picada do mosquito infectado. Circulam, no Brasil, quatro tipos de vírus da dengue, os quais são conhecidos como sorotipos 1, 2, 3 e 4. Um fato curioso é que a pessoa que se infecta por um desses vírus adquire imunidade a ele, ou seja, a pessoa não terá mais a dengue causada por aquele tipo de vírus.

Transmissão da dengue

O Aedes aegypti é o mosquito responsável pela transmissão do vírus causador da dengue.

Conhecido como mosquito-da-dengue, o Aedes aegypti é o responsável por garantir a transmissão da doença em nosso país. O Aedes aegypti é um mosquito doméstico, vivendo próximo ao homem, sendo comum observar sua presença dentro das casas. Seus hábitos são diurnos, sendo o período de maior atividade o amanhecer e o entardecer. Isso não significa, no entanto, que o A. aegypti não pique à noite.

Esse mosquito, para se reproduzir, necessita de água parada, que é o local onde os seus ovos são colocados. Sua proliferação é maior no verão, época com maior quantidade de chuvas e também com maior temperatura, características que facilitam a reprodução.

A transmissão ocorre pela picada do Aedes aegypti infectado. Vale destacar que a doença não é transmitida por meio de contato com o paciente doente nem com suas secreções.

Leia também: Zika: outra doença transmitida pelo Aedes aegypti

Sintomas da dengue

A dengue pode desenvolver-se de maneira assintomática, ou seja, sem provocar sintomas, ou, então, causar sintomas, que podem ser de leves a graves. Quando os sintomas surgem, eles aparecem cerca de 5 a 6 dias após a picada do mosquito contaminado. Os principais sintomas da infecção são:

  • Febre alta;
  • Mal-estar;
  • Dores no corpo;
  • Dor atrás dos olhos;
  • Dor de cabeça;
  • Manchas vermelhas no corpo.

Geralmente o primeiro sintoma a aparecer em caso de dengue é a febre, que pode sumir em menos de uma semana. Em casos graves da doença, podem ocorrer vômitos persistentes, dores abdominais e manifestações hemorrágicas, como sangramento de mucosas.

Leia também: Febre hemorrágica: saiba mais sobre essa ocorrência que pode levar à morte!

Diagnóstico da dengue

Normalmente a dengue é diagnosticada por meio da análise dos sintomas que o paciente possui. Entretanto, alguns exames de sangue podem ser solicitados para a confirmação do diagnóstico da doença.

Tratamento da dengue

A dengue é uma doença que não apresenta tratamento específico. Normalmente, observa-se uma cura espontânea, na maioria dos casos, em pouco mais de uma semana. Nesse período, em que se espera que o corpo se recupere da infecção, os medicamentos utilizados visam ao alívio dos sintomas, como dor no corpo e coceira intensa, em alguns casos. Além disso, a recomendação é que o paciente faça repouso e se hidrate bem.

Medicamentos com ácido acetilsalicílico, por exemplo, não podem ser utilizados, pois eles afetam a coagulação sanguínea e podem favorecer o desenvolvimento de manifestações hemorrágicas. Outros medicamentos que devem ser evitados são o ibuprofeno e anti-inflamatórios não esteroidais.. Ao tomar medicamentos que não são recomendados pelo médico, o paciente pode provocar complicações. perigo da automedicaçãoUm ponto importante é o

Leia também: Doenças transmitidas pelo Aedes aegypti

Prevenção da dengue

A melhor forma de se evitar a dengue é impedindo a multiplicação do mosquito transmissor da doença. Para isso, é importante ter alguns cuidados para evitar água parada, meio em que o mosquito se prolifera, tais como:

  • Manter a caixa d’água sempre fechada;
  • Colocar areia na borda dos pratinhos das plantas para evitar o acúmulo de água;
  • Trocar água das plantas aquáticas uma vez por semana;
  • Não descartar lixo de maneira inadequada;
  • Não deixar entulhos espalhados no quintal;
  • Limpar bem as calhas;
  • Manter a piscina sempre limpa;
  • Limpar bem, pelo menos duas vezes por semana, os recipientes que são usados para colocar água para animais;
  • Tampar ralos pouco utilizados;
  • Não deixar objetos que possam acumular água da chuva.
Evitar o acúmulo de água parada é uma forma de evitar a proliferação do vetor da doença.

As pessoas podem prevenir-se da dengue também utilizando repelentes e roupas que cobrem bem o corpo, sendo essas ações importantes, principalmente, em áreas em que se sabe do aumento dos casos da doença. Não podemos nos esquecer também da vacina contra a dengue. Até o momento, há uma vacina registrada na Anvisa, mas ela está disponível apenas na rede particular. A vacina apresenta três doses e deve ser aplicada em pessoas que já tiveram a dengue pelo menos uma vez.

Por Vanessa Sardinha dos Santos

Você pode se interessar também

Ciências

Sistema reprodutor

Ciências

Febres hemorrágicas

Ciências

Caxumba

Ciências

Doenças transmitidas pelo AEDES AEGYPTI

Últimos artigos

Medidas de volume

Utilizamos o volume para calcular o espaço ocupado por uma determinada matéria. Assim, é necessário desenvolver unidades de medidas de volume, como o metro cúbico.

Sólidos geométricos | Ensino Fundamental I

Sólidos geométricos são figuras com três dimensões e podem ser encontrados facilmente no nosso dia a dia. Cada sólido apresenta características únicas.

Sílabas | Ensino Fundamental I

Sílaba é o som que pronunciamos ao falarmos uma palavra. É formada por vogal ou por consoante mais vogal.

Lei do Ventre Livre

A Lei de Ventre Livre foi uma lei aprovada em 1871 que tinha como proposta iniciar a transição lenta e gradual do Brasil para a abolição do trabalho escravo.