Qual matéria está procurando ?

História

História

Revolução Praieira

A Revolução Praieira foi a última rebelião provincial que aconteceu no Brasil, durante o século XIX. Essa revolta foi resultado da disputa entre praieiros e conservadores pelo poder na província de Pernambuco. Esse conflito estendeu-se durante dois anos e resultou no enfraquecimento dos liberais na política brasileira.

Acesse também: Você sabe o que aconteceu em Pernambuco, no ano de 1817?

Contexto histórico em Pernambuco

A Revolução Praieira foi a última rebelião provincial que aconteceu no Brasil, durante o período monárquico. Essa rebelião aconteceu no Segundo Reinado, em um momento em que a política brasileira acomodava-se com a forma de governar do novo imperador. Essa revolta aconteceu em Pernambuco, historicamente, um dos lugares de maior agitação política e social no Brasil.

O país passava por grandes transformações, como o enfraquecimento do tráfico negreiro, fruto do Bill Aberdeen. A dificuldade de obter trabalhadores escravizados criava uma certa tensão nas elites pernambucanas, pois não havia escravos suficientes para as demandas dessas elites e, principalmente, porque o escravo estava cada dia mais caro.

Além disso, Pernambuco enfrentava um cenário econômico muito ruim, especialmente, porque a atividade mais importante da região – produção de açúcar – estava em decadência. Os problemas da economia local tinham maior impacto na população empobrecida da província, que, além de tudo, ainda sofria com o desabastecimento, um problema que existia em Recife desde a colonização.

A disputa pelo poder entre praieiros e conservadores deu início à Revolução Praieira, evento que estendeu-se de 1848 a 1850.

Não bastassem os problemas econômicos e a falta de alimentos, a população carente de Pernambuco afligia-se também com a falta de empregos. Essa questão era resolvida de maneira paliativa por meio de obras públicas que os conservadores faziam na cidade, mas, durante a gestão praieira, as obras foram interrompidas, e o desemprego aumentou.

A situação explosiva de Pernambuco ficava completa com o cenário político que o país vivia e que lá foi reproduzido de maneira mais intensa. As disputas políticas eram uma realidade no Brasil, e liberais e conservadores faziam de tudo para continuar no poder, inclusive usavam a violência, vide o caso das eleições do cacete. Essa disputa acontecia no Rio de Janeiro, e em Pernambuco ganhou um novo elemento com o surgimento do Partido Praieiro.

Acesse também: Confederação do Equador - revolta separatista que abalou o Nordeste brasileiro

Praieiros no poder

A disputa entre conservadores e liberais não era civilizada, apesar de um rodízio ser realizado entre os partidos. Na década de 1840, a província de Pernambuco viu esse revezamento acontecendo, mas os desentendimentos entre os adversários não perderam a força.

Nessa província, uma terceira via (muito ligada aos liberais) surgiu por conta das indisposições que existiam no interior das oligarquias pernambucanas. O Partido Praieiro surgiu por meio de desavenças que brotaram dentro do Partido Liberal, que envolviam a crescente influência que a família Cavalcanti tinha em Pernambuco.

Essa família tinha três irmãos eleitos senadores, sendo um deles – Holanda Cavalcanti, do Partido Liberal. Os Cavalcanti ainda tinham inúmeras alianças, o que os tornavam verdadeiramente poderosos na política de Pernambuco. Por conta disso, o Partido Liberal rachou.

O termo praieiro que constituía o nome do partido originou-se do fato de os membros dele reunirem-se e publicarem suas ideias no jornal Diário Novo, localizado, na época, na Rua da Praia, em Recife. Em 1844, o ciclo da política no Rio de Janeiro alterou-se, e os liberais assumiram o poder no gabinete. O reflexo disso foi que, em Pernambuco, os conservadores enfraqueceram-se, e Antônio Pinto Chichorro, aliado dos liberais, foi nomeado presidente da província, em 1845.

Com essa nomeação, os praieiros chegaram ao poder e começaram uma série de ações contra os seus adversários conservadores. As instituições da província, como a Guarda Nacional e a polícia civil, começaram a ser aparelhadas com pessoas que apoiavam os praieiros. Aliados dos conservadores começaram a ser demitidos para que novas pessoas fossem contratadas.

Essas centenas de demissões aconteciam com o objetivo de acabar com qualquer influência política dos Cavalcanti e dos conservadores. Os aliados dos praieiros que foram investidos nos cargos policiais e militares começaram a ser armados pelo governo, e investigações foram iniciadas na província.

Conservadores começaram a ter suas propriedades invadidas com a finalidade de desarmar aqueles que haviam sido demitidos da polícia e da Guarda Nacional. Além disso, as operações também buscavam encontrar criminosos e escravos fugidos. O propósito aqui era claro: prejudicar todos os que tinham relação com os conservadores.

Os praieiros também agiram para radicalizar a população local, incentivando o crescimento da xenofobia contra portugueses. A falta de emprego era um grave problema, e a questão do comércio a retalho (varejo) começou a ser vista como crucial para que novas vagas de trabalho surgissem. A população recifense começou a considerar como os culpados pelo desemprego os portugueses que ocupavam em peso esses empregos no comércio varejista.

Acesse também: Guerra do Paraguai - conflito que foi um divisor de águas na história brasileira

Estopim

Novembro de 1848 foi quando a Revolução Praieira iniciou-se. A motivação estava ligada com a disputa política entre praieiros e conservadores. Em 1848, o ciclo dos liberais teve fim, e os conservadores tornaram-se a maioria no gabinete. Isso se refletiu em Pernambuco, e o presidente da província, Antônio Pinto Chichorro, foi destituído do cargo.

O resultado foi que a vez dos conservadores governar a província retornou e, com isso, a vingança conservadora foi iniciada. As demissões dos praieiros de instituições, como a polícia e a Guarda Nacional, começaram a ser realizadas, e logo os praieiros começaram a ser desarmados, tal como haviam feito com os conservadores.

Porém o grupo dos praieiros recusou-se a desarmar-se e a ser destituído dos cargos, e logo os desentendimentos tornaram-se pequenos conflitos armados. Esses conflitos armados espalharam-se para o interior da província e estenderam-se até 1850, quando as forças praieiras foram derrotadas definitivamente.

A cidade de Recife chegou a ser atacada por tropas praieiras. Isso aconteceu em fevereiro de 1849 e, nesse ataque, Pedro Ivo, um dos líderes praieiros, levou mais de 1500 homens para atacar a capital da província. O ataque fracassou, e centenas de praieiros foram mortos. Outro nome importante dessa revolução foi Borges da Fonseca, autor do manifesto dos praieiros, o Manifesto ao Mundo.

A derrota dos praieiros fez com que os liberais se enfraquecessem nacionalmente. O partido liberal só ganhou relevância novamente no começo da década de 1860.

Por Daniel Neves Silva

Você pode se interessar também

História

Guerra dos Farrapos

História

Primeiro Reinado

História

Revolta dos Malês – 1835

História

Segundo Reinado

Últimos artigos

Animais herbívoros

Os animais herbívoros se alimentam de algas e/ou vegetais e, portanto, ocupam sempre o nível de consumidores primários na cadeia alimentar.

Realismo no Brasil

Realismo foi um estilo de época do século XIX. No Brasil, Machado de Assis é seu maior representante.

Código de Hamurábi

Código de Hamurábi — código de leis tradicionais na Mesopotâmia — foi compilado por Hamurábi, rei da Babilônia, no século XVIII a.C.

Idade Moderna

Idade Moderna foi um dos períodos da História, iniciando-se em 1453 e finalizando-se em 1789. Foi o período dos regimes absolutistas e do surgimento do capitalismo.