Qual matéria está procurando ?

História

História

Conflitos entre Israel e Palestina

Os conflitos entre Israel e Palestina se deram pela disputa do território da Palestina, sobretudo a partir de 1948, mas também pela luta dos palestinos por sua autodeterminação.

Destruição em Gaza (território habitado por palestinos) após bombardeios israelenses.[1] Destruição em Gaza (território habitado por palestinos) após bombardeios israelenses.[1]

Os conflitos entre Israel e Palestina são as disputas travadas entre israelenses e palestinos pelo controle da Palestina. Além disso, há o desejo de autodeterminação dos palestinos, isto é, da formação de um Estado Nacional para os árabes palestinos. Os conflitos entre árabes e israelenses ganharam força a partir da criação de Israel, em 1948.

A disputa surgiu quando o movimento sionista passou a agir pela fundação de um Estado judeu na Palestina. Desde a fundação de Israel diversos conflitos foram travados: Primeira Guerra Árabe-Israelense, Guerra de Suez, Guerra dos Seis Dias, Guerra de Yom Kippur e Intifadas. Atualmente, os pesquisadores apontam que os palestinos vivem sob regime de apartheid em Israel.

Leia também: Guerra Civil Síria — outro conflito que se desenrola no Oriente Médio

Resumo sobre os conflitos entre Israel e Palestina

  • Os conflitos entre Israel e Palestina são o conjunto de conflitos motivados pelo controle da Palestina.

  • Os palestinos também lutam pela formação de seu Estado Nacional.

  • A ideia de formar um Estado judeu na Palestina nasceu a partir do movimento sionista.

  • O Estado de Israel se formou a partir de uma resolução da ONU, em 1948.

  • Os conflitos travados, desde a fundação do Estado de Israel, foram: Primeira Guerra Árabe-Israelense, Guerra de Suez, Guerra dos Seis Dias, Guerra de Yom Kippur e duas Intifadas.

  • A comunidade internacional aponta que os palestinos estão submetidos a um regime de apartheid em Israel.

Videoaula sobre os conflitos entre Israel e Palestina

Causas dos conflitos entre Israel e Palestina

O conflito entre Israel e Palestina se arrasta oficialmente desde a década de 1940, quando o Estado de Israel foi criado a partir de uma resolução da ONU. Os problemas entre israelenses e palestinos, no entanto, se iniciaram antes disso, como veremos.

  • Sionismo

No final do século XIX, o antissemitismo estava em alta na Europa e a perseguição contra os judeus era evidente, principalmente em países do Europa Central e Europa Oriental. Uma resposta nacionalista dos judeus ao crescimento do preconceito contra eles no continente europeu foi defender a criação de um Estado Nacional para abrigar os judeus na Palestina.

Esse movimento se consolidou na década de 1890 a partir de um livro escrito por um jornalista judeu húngaro chamado Theodor Herzl. A partir da ideia dele, se formou o sionismo, movimento para criar um Estado judeu na Palestina. Para garantir seus objetivos os sionistas formaram uma Organização Sionista Mundial.

Essa organização atuou na compra de terras na Palestina e sua concessão para judeus. A migração de judeus para a Palestina, no entanto, trazia um problema, uma vez que aquela terra era ocupada havia séculos pelos árabes palestinos.

  • Criação do Estado de Israel

A presença de judeus foi crescendo gradativamente entre as décadas de 1910 e 1930 e disparou na década de 1940, como consequência da perseguição aos judeus promovida pelos nazistas. À medida que a presença judaica aumentava na Palestina, o relacionamento entre judeus e palestinos se tornava mais difícil, uma vez que os palestinos lutavam pelo seu próprio Estado Nacional.

O sionismo ganhou força na década de 1940 por conta do Holocausto, trazendo condições políticas para a formação de um Estado judeu na Palestina. A ONU interveio na situação, e por meio da Resolução 181, promoveu a divisão do território da Palestina, delimitando o território para os judeus e o território para os palestinos.

Os árabes palestinos rejeitaram a divisão, mas os judeus aceitaram e fundaram, em 14 de maio de 1948, o Estado de Israel. A partir da criação de Israel, os conflitos entre israelenses e palestinos ganharam força e se estendem desde então.

Leia também: A formação do império islâmico e a expansão muçulmana

Conflitos entre Israel e Palestina

  • Primeira Guerra Árabe-Israelense

O primeiro conflito travado após a fundação do Estado de Israel foi a Primeira Guerra Árabe-Israelense. Esse conflito se estendeu de 1948 a 1949, sendo travado por Israel e uma série de nações árabes que não concordavam com a existência de Israel. As forças árabes foram formadas por tropas do Egito, Síria, Líbano, Transjordânia (atual Jordânia), Iraque e de palestinos, obviamente.

As tropas israelenses eram formadas por cerca de 30 mil soldados com bom treinamento militar. Essa preparação permitiu que as forças israelenses se impusessem nesse conflito e conquistassem terras que fariam parte do território palestino (de acordo com a divisão proposta pela ONU). Uma das maiores consequências desse conflito foi o nakba.

O nakba, tragédia, em árabe, foi a expulsão de aproximadamente 700 mil palestinos de suas terras, forçando-os a se refugiar em outros países. Israel nunca permitiu o retorno desses palestinos e seus descendentes, e estima-se que atualmente eles sejam em mais de cinco milhões de pessoas.

  • Guerra de Suez

A crise de Suez aconteceu em 1956, se iniciando quando Israel decidiu atacar o Egito para controlar o canal de Suez. O ataque israelense teve o apoio da França e do Reino Unido, mas as pressões de Estados Unidos, União Soviética e da ONU forçaram as tropas israelenses a se retirar do Egito. O conflito reforçou a tensão de Israel com seus vizinhos árabes.

  • Guerra dos Seis Dias

Esse conflito se iniciou quando Israel atacou o Egito, a Síria e a Jordânia. Em seis dias, Israel conquistou diversos territórios, ampliando as regiões sob o seu controle. Os historiadores afirmam que esse conflito se iniciou como uma resposta de Israel à formação de guerrilhas palestinas que lutavam contra os israelenses, como meio de impedir o projeto de união árabe promovido pelo presidente egípcio, Gamal Abdel Nasser, e pelo desejo de expansão territorial de Israel.

Como saldo dessa guerra, Israel conquistou:

  • Jerusalém Oriental;

  • Faixa de Gaza (abandonada por Israel em 2005);

  • Cisjordânia;

  • Península do Sinai (posteriormente devolvida ao Egito);

  • Colinas de Golã.

  • Guerra de Yom Kippur

Essa guerra se iniciou em 6 de outubro de 1973, durante o feriado de Yom Kippur, dia do perdão para os judeus. Esse foi conflito foi motivado pela insatisfação do governo egípcio e sírio pela construção de bases militares de Israel na Península do Sinai (que Israel tomou do Egito durante a Guerra dos Seis Dias). Após esse conflito, Israel manteve todos os territórios conquistados na guerra de 1967.

  • Intifadas

A ocupação do território palestino por Israel e a violência dos militares israelenses com a população palestina motivou duas revoltas populares de palestinos que receberam o nome de Intifadas. As Intifadas foram protestos espontâneos em que os palestinos, armados de paus e pedras, se revoltavam contra as tropas de Israel.

Os historiadores entendem que houve duas Intifadas:

  • Primeira Intifada (1987-1993);

  • Segunda Intifada (2000-2004).

Uma consequência da Primeira Intifada foi a criação do Hamas, organização terrorista que procura a destruição completa de Israel. O Hamas se estabeleceu como uma alternativa às propostas do Fatah, secular, de alcançar a paz pela via diplomática, e da Organização pela Libertação da Palestina, que defendia apenas a criação da Palestina, sem necessariamente desejar o fim de Israel.

Acordos de Oslo

Após a Primeira Intifada, a comunidade internacional pressionou Israel para que um acordo de paz fosse realizado com a Palestina. Como parte dos Acordos de Oslo, assinados em 1993, foi formada uma Autoridade Nacional Palestina para conduzir o processo de formação da Palestina. Os acordos previam também a desocupação de territórios para concluir a criação da Palestina. Entretanto, Israel descumpriu parte dos acordos estabelecidos em Oslo, inviabilizando a criação da Palestina.

Atualmente, a situação está mais complexa em relação a década de 1990. Os assentamentos israelenses na Cisjordânia aumentaram consideravelmente, forçando a migração de palestinos, levando a realização de pogroms. Esses assentamentos israelenses são considerados ilegais pela ONU e muitos pesquisadores consideram que Israel mantém os palestinos sob um regime de apartheid.

Créditos da imagem:

[1] A-One Rawan e Shutterstock

Fontes

ARMSTRONG, Karen. Jerusalém: uma cidade, três religiões. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

CAMARGO, Cláudio. Guerras Árabe-israelenses. In.: MAGNOLI, Demétrio (org.). História das Guerras. São Paulo: Contexto, 2013.

OMER, Mohammed. Em estado de choque: sobrevivendo em Gaza sob ataque israelense. São Paulo: Autonomia Literária, 2017.

JANJEVIC, Darko. O que são as intifadas? Disponível em: https://www.dw.com/pt-br/o-que-s%C3%A3o-as-intifadas/a-41715345.

GUIMARÃES, Maria João. O que é uma Intifada? Disponível em: https://www.publico.pt/2017/12/08/mundo/perguntaserespostas/o-que-e-uma-intifada-1795255.

Por Daniel Neves Silva

Você pode se interessar também

História

Guerra do Golfo

História

Guerras árabe-israelenses

História

Islamismo

Geografia

ONU

Últimos artigos

Manto terrestre

O manto terrestre é uma camada, constituída pelo magma, muito dinâmica da Terra. Situado entre a crosta e o núcleo, ocupa aproximadamente 84% do volume total do planeta.

Altitude

A altitude é a distância vertical entre um ponto na superfície da Terra e o nível do mar, sendo uma medida importante para a caracterização do relevo de uma área.

Área do cubo

A área do cubo é a medida da superfície desse poliedro. A área da base, a área lateral e a área total do cubo estão relacionadas à área do quadrado.

Roma Antiga

Roma Antiga foi uma das principais civilizações da Idade Antiga. Sua história é dividida pelos historiadores em três períodos: monarquia, república e império.