Qual matéria está procurando ?

História

História

Guerras árabe-israelenses

Clique neste link do Escola Kids e tenha acesso a informações a respeito das guerras travadas entre árabes e israelenses. Os conflitos entre árabes e judeus foram, a princípio, motivados pela disputa da Palestina. No decorrer do século XX, diferentes confrontos aconteceram e, em geral, levaram ao fortalecimento de Israel.

As guerras árabe-israelenses são os conflitos que foram travados entre israelenses e árabes ao longo do século XX. Esses conflitos tiveram como ponto de partida a criação do Estado de Israel, em 1948, e foram resultado da crescente rivalidade entre judeus e palestinos por conta da ocupação da Palestina por judeus incentivada pelo movimento sionista.

Antecedentes históricos e criação de Israel

Os conflitos entre árabes e israelenses surgiram da disputa pela região da Palestina e pelo reconhecimento internacional do Estado da Palestina. A origem dessa tensão está diretamente relacionada com o surgimento do sionismo como movimento político dos judeus no final do século XIX.

O sionismo surgiu de maneira oficial no ano de 1896, a partir da publicação do livro escrito pelo jornalista húngaro Theodor Herzl. Intitulada O estado judeu, a obra basicamente defendia a ideia da formação de um Estado nacional para os judeus em resposta ao crescimento do antissemitismo em todo o continente europeu.

O crescimento dessa ideia levou à formação de organizações sionistas que faziam comissões para visitar a Palestina e averiguar as possibilidades de aquela região abrigar o Estado Judeu. Dentro desse contexto, no final do século XIX, iniciou-se o retorno de judeus para a Palestina.

O entrave para os interesses sionistas era exatamente o fato de a região que havia sido abandonada pelos judeus ainda nos tempos do Império Romano estar ocupada por outro povo: os árabes. Isso se refletia na baixa presença de judeus na população total da Palestina, pois, no começo do século XX, os judeus representavam apenas cerca de 8% de toda a população da Palestina, segundo dados de Cláudio Camargo|1|.

A disputa entre árabes e palestinos ganhou força a partir da interferência inglesa. Os ingleses ocuparam a Palestina após tomá-la dos turcos otomanos. Os britânicos haviam prometido a criação de um Estado nacional para árabes e judeus em 1916 e 1917, respectivamente. A ideia de formação de um Estado para os judeus na região foi apoiada pela Liga das Nações, o que fortaleceu o ressentimento entre os árabes.

Durante a década de 1930, a chegada de judeus na Palestina aumentou consideravelmente, o que resultou na consolidação do movimento nacionalista árabe, que se negava a dividir o território da Palestina para a criação de um possível Estado judeu. Além do fortalecimento do nacionalismo árabe, deu-se também a formação de grupos paramilitares de judeus na região para combater o poderio dos árabes. Destaque para o Haganá, Irgun e Stern.

Com a perseguição aos judeus na Europa realizada pelos nazistas, a instalação de judeus na Palestina disparou e, em 1945, eles já representavam 41% da população total da Palestina|2|. Além disso, o Holocausto criou as condições políticas que permitiram a criação do Estado de Israel pela Organização das Nações Unidas.

Depois da Segunda Guerra Mundial, a Organização Sionista Mundial passou a pressionar as autoridades internacionais para que um Estado judeu na Palestina fosse criado. Esse assunto era delicado, pois encontrava a oposição das nações árabes vizinhas, além dos próprios palestinos, e o debate foi transferido para a ONU.

A ONU reuniu-se em assembleia em novembro de 1947 e colocou em votação a Resolução 181, que debatia a partilha da Palestina e a criação de um Estado judeu e outro palestino. Durante essa reunião, a divisão da Palestina foi aprovada por 33 votos favoráveis, 13 contra e 10 abstenções. Assim, foi determinada a criação do Estado de Israel e foi-lhe atribuído 53,5% do território, enquanto 45,4% seriam atribuídos aos palestinos e Jerusalém ficaria sob controle internacional.

Guerras entre árabes e israelenses

Depois da aprovação sobre a criação de Israel pela Organização das Nações Unidas, o Estado judeu só foi oficialmente fundado em 14 maio de 1948. Assim, após a decisão da ONU, a tensão entre os dois lados cresceu bastante e milícias paramilitares de judeus passaram a atacar vilas habitadas pelos palestinos árabes. Como os árabes não reconheciam o Estado de Israel, um dia após a sua fundação foi declarada guerra contra Israel.

Esse confronto inicial ficou conhecido como Primeira Guerra Árabe-israelense e estendeu-se de maio de 1948 a janeiro de 1949. Apesar de o exército e a população palestina serem numericamente superiores, os grupos israelenses, conhecidos como Força de Defesa de Israel (FDI), estavam mais bem treinados e preparados para o conflito. Durante as duas primeiras semanas de conflito, a FDI chamava-se Haganá.

Assim, ao longo dessa guerra, os israelenses impuseram-se sobre as forças árabes (compostas por palestinos e soldados de muitos outros países) e conquistaram uma série de lugares, aumentando o território israelense em 1/3. Os palestinos, derrotados, além de amargar a perda de territórios, foram obrigados a fugir da região.

Ao final dessa guerra, cerca de 700 mil palestinos fugiram da Palestina por conta das violências cometidas pela FDI. Isso ficou conhecido pelos árabes como nakba, o que, traduzindo para o português, significa “desastre”. O Estado de Israel, ao final da guerra, não permitiu que esses palestinos retornassem para suas antigas casas, levando a comunidade palestina a se espalhar pelo mundo. Até hoje, Israel não permite que os descendentes desses palestinos refugiados retornem à região.

As guerras seguintes travadas por árabes e israelenses na região foram:

  • Guerra de Suez (1956)

  • Guerra dos Seis Dias (1967)

  • Guerra de Yom Kippur (1973)

A Guerra de Suez iniciou-se em outubro de 1956 e foi resultado de uma ação conjunta de britânicos, franceses e israelenses contra Israel. Tudo começou em julho daquele ano, quando o presidente do Egito, Gamal Abdel Nasser, declarou a nacionalização do Canal de Suez, importante via que ligava o Mar Mediterrâneo ao Mar Vermelho.

A ação do governo egípcio sobre o canal prejudicava os interesses econômicos de britânicos e franceses, que, assim, passaram a discutir com Israel uma ação militar contra os egípcios na região do canal (Península do Sinai). A ação militar conjunta das três nações contra Israel iniciou-se no dia 29 de outubro de 1956 e em poucos dias os egípcios haviam sido derrotados militarmente.

Os israelenses, no entanto, foram obrigados a abandonar a região por causa das pressões de americanos e soviéticos, que tinham como maior interesse a manutenção da paz. A pressão dos Estados Unidos ocorria porque o país queria evitar que seus aliados entrassem em um conflito direto com a União Soviética, aliada do Egito. Com isso, no dia 9 de novembro, os israelenses declararam a retirada dos territórios que haviam sido ocupados no Sinai e também na Faixa de Gaza.

Em 1967, uma nova guerra estourou (Guerra dos Seis Dias) por conta de uma agressão cometida por Israel contra aeronaves da Síria. Nessa época, a luta dos palestinos contra Israel se dava com base em duas organizações armadas: a Organização para a Libertação da Palestina (OLP) e o Al Fatah, que realizava ataques contra Israel a partir de bases instaladas na Síria.

Em represália, Israel atacou e abateu seis aeronaves sírias em abril de 1967, criando uma nova crise diplomática. Logo em seguida, Síria e Jordânia passaram a pressionar o Egito para que ações em resposta contra Israel fossem tomadas e, assim, os egípcios expulsaram as forças da ONU do Canal de Suez, bloqueando a navegação de embarcações israelenses no estreito de Tiran.

Israel buscou a autorização dos EUA e, em 5 de junho de 1967, iniciou um ataque militar contra os egípcios e, depois, contra jordanianos e sírios. No dia 10 de junho, o ataque israelense foi encerrado, com um saldo extremamente positivo para eles: os israelenses haviam conquistado o Sinai, Jerusalém Oriental, Gaza e Golã. Esta última é ocupada por Israel até hoje.

A última guerra registrada no século XX foi a Guerra de Yom Kippur, travada em 1973. Esse conflito iniciou-se a partir de um ataque surpresa organizado por egípcios e sírios contra Israel em uma tentativa de recuperar os territórios que haviam perdido em 1967 (Sinai e Golã, respectivamente). Essa guerra foi dividida em duas fases distintas e iniciou-se oficialmente em 6 de outubro de 1973. Na primeira etapa, os árabes consideraram impor sua força sobre a FDI, mas, a partir do dia 14, as forças israelenses retomaram o controle da guerra. Esse conflito se encerrou em 22 de outubro de 1973 sem que Egito e Síria recuperassem os territórios que pretendiam.

|1| CAMARGO, Cláudio, Guerras árabe-israelenses. In.: MAGNOLI, Demétrio (Org.). História das guerras. São Paulo: Contexto, 2013, p. 429.
|2| Idem, p. 431.



Aproveite para conferir nossa videoaula relacionada ao assunto:

Guerras entre árabes e israelenses iniciaram-se de fato a partir de 1948, com a criação de Israel Guerras entre árabes e israelenses iniciaram-se de fato a partir de 1948, com a criação de Israel
Por Daniel Neves Silva

Você pode se interessar também

História

Guerra Civil na Síria

História

Guerra do Golfo

História

Império Islâmico e a difusão da cultura árabe

História

Islamismo

Últimos artigos

Pau-brasil

Pau-brasil foi o primeiro artigo que os portugueses exploraram durante a colonização. Era uma madeira conhecida por permitir a fabricação de um corante avermelhado.

Deuses gregos

Os deuses gregos formavam o chamado panteão da religião dos gregos. Na crença grega, eram imortais, mas tinham forma humana e sentimentos comuns aos dos humanos.

Macacos

Macacos são animais mamíferos da ordem dos primatas que, geralmente, são encontrados vivendo em grupos, os quais apresentam comportamento social.

Tutu

Tutu, no folclore brasileiro, é reconhecido como um monstro disforme que é muito associado com o bicho-papão, o monstro devorador de crianças.