Qual matéria está procurando ?

Geografia

Geografia

Aquífero Guarani

O Aquífero Guarani é um dos mais importantes reservatórios subterrâneos de água da América do Sul, situado em quatro países diferentes e em oito estados brasileiros.

Área alagada na região do Aquífero Guarani. As águas do Aquífero Guarani podem chegar a mais de mil metros de profundidade em algumas áreas.

O Aquífero Guarani é um imenso reservatório natural de água que está localizado na América do Sul. Sua área de 1,2 milhões de quilômetros quadrados abrange o Brasil, a Argentina, o Paraguai e o Uruguai. Entretanto, cerca de 70% desse aquífero se insere nos limites brasileiros, onde compreende oito estados e três diferentes regiões.

Formado em rochas areníticas e confinado por uma camada de basalto, o Aquífero Guarani contém 33 mil km³ em volume de água de boa qualidade que abastece centenas de cidades no Brasil. Ainda assim, enfrenta sérios problemas como a poluição e o manejo inadequado de suas águas.

Leia também: Rio São Francisco — onde nasce, qual a importância, tudo sobre a sua transposição

Resumo sobre Aquífero Guarani

  • Aquífero Guarani é um reservatório natural de água subterrâneo que se estende por parte do Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil, e abrange também áreas na Argentina, no Uruguai e no Paraguai.

  • Formou-se a partir do armazenamento de água em rochas areníticas, que são rochas porosas.

  • Por ser um aquífero confinado, as rochas areníticas apresentam uma camada de basalto sobre elas.

  • É recarregado nas áreas de afloramento ou por meio das fraturas na rocha basáltica.

  • Abrange uma área de quase 1,2 milhão de quilômetros quadrados, dos quais 70% estão inseridos no Brasil. As maiores extensões do Aquífero Guarani se encontram no Mato Grosso do Sul e em São Paulo.

  • Centenas de cidades são abastecidas pelo Aquífero Guarani, parcial ou totalmente.

  • Existem casos, como o de Ribeirão Preto, em que todo o recurso hídrico usado no município tem origem nesse reservatório.

  • É importante por fornecer água para as residências e para o desenvolvimento de atividades econômicas como a agropecuária e a produção industrial.

  • A poluição hídrica é o principal problema enfrentado no Aquífero Guarani.

  • Suas principais vantagens são o amplo volume e a boa qualidade das águas, enquanto tem como desvantagens os custos de exploração.

O que é o Aquífero Guarani?

O Aquífero Guarani é um manancial subterrâneo e transfronteiriço que armazena um volume muito grande de água doce no subsolo. Trata-se, portanto, de uma imensa reserva de águas que se estende por parte das regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil, abrangendo também áreas na Argentina, no Uruguai e no Paraguai. É chamado também de Sistema Aquífero Guarani (SAG), sendo considerado um dos maiores e mais importantes aquíferos de todo o mundo.

Como se formou o Aquífero Guarani

Os aquíferos, de modo geral, são formados a partir da penetração de água em rochas porosas que ficam em subsuperfície. Com o Aquífero Guarani não foi diferente. Esse reservatório de água se desenvolveu em uma área formada por rochas areníticas, cujo processo de sedimentação teve início há, pelo menos, 250 milhões de anos no passado geológico. O reservatório em questão foi constituído em duas províncias geológicas de rochas areníticas conhecidas como Formação Piramboia e Formação Botucatu.

Durante o período geológico conhecido como Cretáceo, vários episódios de vulcanismo onde hoje fica a parcela central do território brasileiro resultaram no derrame de lava sobre a área onde estavam as rochas areníticas. Após o resfriamento, essa lava se transformou na camada de rocha basáltica responsável por confinar o Aquífero Guarani abaixo da superfície do solo. Hoje em dia, as águas do Aquífero Guarani são recarregadas através de fraturas nas rochas ou naquelas áreas onde as águas do aquífero aparecem na superfície, chamadas de afloramentos.

Os afloramentos também são áreas de recarga do Aquífero Guarani.

Principais características do Aquífero Guarani

O Aquífero Guarani é uma reserva subterrânea de águas que se estende por uma área de 1.195.500 km², abrangendo quatro países diferentes da América do Sul. Na tabela a seguir conheça a área do aquífero que é correspondente a cada um desses países:

País

Área do Aquífero Guarani

Parcela da área total do Aquífero Guarani

Brasil

839.800 km²

70,2%

Argentina

225.500 km²

18,8%

Paraguai

71.700 km²

5,9%

Uruguai

58.500 km²

4,8%

Conforme indicam os dados, fica no Brasil a maior área do Aquífero Guarani. Em território nacional, essa imensa reserva subterrânea está disposta entre oito estados de três regiões diferentes. Veja como se distribuem as águas do Aquífero Guarani no Brasil:

Estado

Área do Aquífero Guarani

Parcela da área brasileira do Aquífero Guarani

Goiás

55.000 km²

6,5%

Mato Grosso do Sul

213.500 km²

25,4%

Mato Grosso

26.400 km²

3,1%

Minas Gerais

51.300 km²

6,1%

São Paulo

155.800 km²

18,5%

Paraná

131.300 km²

15,6%

Santa Catarina

49.200 km²

5,8%

Rio Grande do Sul

157.600 km²

18,7%

O estado do Mato Grosso do Sul é aquele que concentra a maior parte das águas do Aquífero Guarani, mais precisamente um quarto de toda a extensão desse reservatório. Na sequência estão o Rio Grande do Sul e o estado de São Paulo.

A área do Aquífero Guarani abrange quatro países da América do Sul.[1]

O Aquífero Guarani contém, aproximadamente, 33.051 km³ de água armazenada em subsolo. O limite máximo que pode ser retirado sem que haja o comprometimento da manutenção desse aquífero é de 40 km³ de água por ano, sendo esse volume utilizado no abastecimento dos centros urbanos que dependem parcial ou integralmente das águas oriundas do Aquífero Guarani.

A profundidade em que o Aquífero Guarani fica depende muito da área considerada. Em muitos locais, como vimos, suas águas aparecem na superfície do solo, que são os chamados afloramentos. Já em outros, as águas desse reservatório chegam a estar em até 1.500 metros de profundidade. A largura da camada de água correspondente ao aquífero, por sua vez, oscila entre 200 e 800 metros.

Veja também: Lençol freático — um tipo de aquífero natural

Cidades abastecidas pelo Aquífero Guarani

Centenas de cidades brasileiras dependem parcial ou totalmente do Aquífero Guarani para o abastecimento urbano, direcionando esse recurso para as residências e estabelecimentos comerciais. Ribeirão Preto, Matão e Sertãozinho, que são cidades do interior de São Paulo, são exemplos de cidades que dependem 100% do Aquífero Guarani para o atendimento da demanda urbana por esse recurso.

Outros municípios paulistas, como Franca, São José do Rio Preto, Bauru e São Carlos, são parcialmente abastecidos por essa fonte. No total, 200 cidades de São Paulo são abastecidas pelo Aquífero Guarani. Além dessas, existem áreas urbanas em todos os estados em que esse sistema de águas está presente e que são total ou parcialmente atendidas por ele.

Vista aérea de Ribeirão Preto, uma das cidades abastecidas pelo Aquífero Guarani.

Qual a importância do Aquífero Guarani?

O Aquífero Guarani é o maior reservatório subterrâneo de água da América do Sul, e a sua importância reside no fato de abastecer algumas das regiões de maior concentração populacional do território brasileiro. O recurso que é obtido desse reservatório abastece residências e auxilia no desenvolvimento das atividades econômicas de todos os setores: agropecuária, indústria e comércio.

Existe, ainda, um caráter estratégico do Aquífero Guarani, cujas águas apresentam elevada qualidade e alto potencial para uso. Presente em mais de um país da América do Sul, há um projeto em voga, que possui o apoio do Banco Mundial, que realiza o estudo das águas do Aquífero Guarani para a efetivação de futuras ações voltadas para a implementação de nova infraestrutura que garantirão maior acesso a esse importante recurso hídrico na região.

Problemas ambientais do Aquífero Guarani

A poluição hídrica é o principal problema ambiental enfrentado no Aquífero Guarani. Esse problema, que acontece em conjunto com a poluição dos solos, é decorrente do uso inadequado do substrato e do manejo impróprio do lixo das cidades e dos dejetos industriais e urbanos, como o esgoto e os resíduos resultantes da produção. Como o aquífero abrange uma enorme área agrícola do país, resíduos da atividade agropecuária, como agrotóxicos e fertilizantes artificiais que percolam no solo, podem igualmente causar degradação nas águas.

Esses agentes poluidores são descartados diretamente no solo, em rios ou riachos que estão na área de recarga do Aquífero Guarani, o que acaba introduzindo elementos poluidores no reservatório. Há, nesse sentido, a degradação da qualidade de suas águas.

Saiba mais: Assoreamento — problema que atinge os rios e pode até levá-los à extinção

Vantagens e desvantagens do Aquífero Guarani

  • Vantagens do Aquífero Guarani: trata-se de um reservatório muito grande com ampla capacidade de abastecimento, dispondo de água de boa qualidade que facilita o processo de tratamento que antecede a distribuição. Além disso, sendo um aquífero confinado por rochas basálticas, o risco de contaminação e de poluição direta das águas é muito menor.

  • Desvantagens do Aquífero Guarani: a profundidade em que suas águas se encontram em determinadas localidades e a presença da camada de basalto sobreposta torna o processo de exploração e retirada de água mais custoso em termos financeiros, além de difícil. O manejo inadequado dessa rocha basáltica e a exploração intensiva do Aquífero Guarani podem, ademais, causar problemas na estrutura da rocha e do solo que a recobre.

Exercícios resolvidos sobre Aquífero Guarani

Questão 1

(ENEM) O Aquífero Guarani, megarreservatório hídrico subterrâneo da América do Sul, com 1,2 milhão de km², não é o "mar de água doce" que se pensava existir. Enquanto em algumas áreas a água é excelente, em outras, é inacessível, escassa ou não potável. O aquífero pode ser dividido em quatro grandes compartimentos. No compartimento Oeste, há boas condições estruturais que proporcionam recarga rápida a partir das chuvas e as águas são, em geral, de boa qualidade e potáveis. Já no compartimento Norte-Alto Uruguai, o sistema encontra-se coberto por rochas vulcânicas, a profundidades que variam de 350 m a 1.200 m. Suas águas são muito antigas, datando da Era Mesozoica, e não são potáveis em grande parte da área, com elevada salinidade, sendo que os altos teores de fluoretos e de sódio podem causar alcalinização do solo.

Scientific American Brasil, n.º 47, abr./2006 (com adaptações).

Em relação ao Aquífero Guarani, é correto afirmar que:

a) seus depósitos não participam do ciclo da água.

b) águas provenientes de qualquer um de seus compartimentos solidificam-se a 0 °C.

c) é necessário, para utilização de seu potencial como reservatório de água potável, conhecer detalhadamente o aquífero.

d) a água é adequada ao consumo humano direto em grande parte da área do compartimento Norte-Alto Uruguai.

d) o uso das águas do compartimento Norte-Alto Uruguai para irrigação deixaria ácido o solo.

Resolução: Alternativa C. Sendo um sistema amplo e complexo, é necessário conhecer muito bem a área a ser explorada e traçar planos de ação adequados com os aspectos do trecho do qual se deseja realizar a captação de água.

Questão 2

(FUVEST) O Sistema Aquífero Guarani abrange parte dos territórios da Argentina, do Brasil, do Paraguai e do Uruguai. Possui um volume acumulado de 37.000 km³ e área estimada de 1.087.000 km². Na parte brasileira estende-se por oito Estados: Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

Disponível em https://www.mma.gov.br/.

Sobre os aquíferos e seus usos para atividades humanas, é correto afirmar:

a) Ocorrem em formações geológicas que contêm água em quantidades significativas que se movimentam no seu interior em condições naturais, permitindo seu uso para abastecimento público e estâncias turísticas de águas minerais e termais.

b) Consistem em reservatórios de águas superficiais formados a partir de processos de vulcanismo e tectonismo em áreas de intensa atividade sísmica; seus fluxos são passíveis de uso na produção de energia geotérmica obtida por meio do calor proveniente do interior do planeta Terra.

c) Os aquíferos apresentam volume de proporções, contudo os custos de tratamento inviabilizam sua utilização por atividades humanas, limitando-se a dessedentação animal.

d) Os aquíferos são formados pela ação dos ventos que acumulam areia na superfície, facilitando a infiltração e acúmulo de água nas camadas mais profundas; seus usos para atividades humanas dependem da escavação de poços muito profundos com uso de tecnologia indisponível no país.

e) Os aquíferos estão em profundidades que impossibilitam seu uso para atividades humanas, incluindo aqueles usos destinados a fins menos nobres, como lavagem de calçadas e praças.

Resolução: Alternativa A. Os aquíferos como o Aquífero Guarani são formados naturalmente em rochas com capacidade de armazenamento de água. Neles a água consegue se movimentar normalmente, sendo possível realizar a extração desse recurso para o abastecimento urbano e para o uso em diversas atividades econômicas.

Créditos da imagem

[1] Wikimedia Commons

Fontes

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Sistema Aquífero Guarani. YouTube, 2020. Disponível em: https://youtu.be/embTw1Rq5DI.

CÂNDIDO, Keila. Aquífero Guarani, o gigante subterrâneo. FUNDAJ, 01 out. 2020. Disponível em: https://www.gov.br/fundaj/pt-br/destaques/observa-fundaj-itens/observa-fundaj/revitalizacao-de-bacias/aquifero-guarani-o-gigante-subterraneo.

FELLET, João. Com águas de até 250 mil anos, Aquífero Guarani ganha peso no abastecimento de cidades. BBC News Brasil, 04 abr. 2022. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-60962619.

FOSTER, S.; HIRATA, R.; SCHMIDT, G.; GARDUÑO, H. A Iniciativa do Programa Sistema Aquífero Guarani – Rumo à Gestão Prática da Água Subterrânea em um Contexto Transfronteiriço. In S. Foster; K. Kemper. (Orgs.) GWMATE – Banco Mundial. Coleção de Perfis de Caso. 3a ed., v. 9, 2009, pp. 1-28. Disponível em: https://documents1.worldbank.org/curated/pt/493231468055456938/pdf/388090PORTUGES0ATE0Portuguese0CP009.pdf.

GOMES, M. A. F. Uso agrícola das áreas de afloramento do Aqüífero Guarani no Brasil: implicações para a água subterrânea e propostas de gestão com enfoque agroambiental. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2008, 417p. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/15642/uso-agricola-das-areas-de-afloramento-do-aquifero-guarani-no-brasil-implicacoes-para-a-agua-subterranea-e-propostas-de-gestao-com-enfoque-agroambiental.

GIGANTE GUARANI. Aquífero Guarani. Disponível em: https://giganteguarani.org.br/aquifero-guarani/

Por Paloma Guitarrara

Você pode se interessar também

Geografia

Assoreamento

Geografia

Bacia Platina

Ciências

Ciclo da água

Geografia

Eras Geológicas

Últimos artigos

Brincadeiras juninas

As brincadeiras juninas são uma das partes mais divertidas da Festa Junina. A seguir, você verá dicas de 15 dessas brincadeiras!

Sedentarização

A sedentarização foi o processo por meio do qual os humanos abandonaram o nomadismo, fixando-se em uma localidade.

Comidas de Festa Junina

Algumas comidas de Festa Junina são: a pamonha, o milho cozido, o milho assado, a canjica, o curau, o arroz-doce, a paçoca, o mané pelado, o pé de moleque e o bolo de milho.

Lixiviação

Lixiviação é um processo de degradação do solo que consiste na retirada de seus nutrientes pela percolação da água, o que reduz sua fertilidade e pode levar à desertificação.