Qual matéria está procurando ?

Português

Português

Paródia

Leia este artigo e saiba mais a respeito da paródia, um texto criado a partir de outro texto com o objetivo de provocar a reflexão no leitor.

Paródia é um texto criado a partir de outro texto com o objetivo de fazer com que o leitor reflita criticamente a respeito das práticas sociais Paródia é um texto criado a partir de outro texto com o objetivo de fazer com que o leitor reflita criticamente a respeito das práticas sociais

A paródia consiste na recriação de um texto conservando a ideia central do hipertexto (texto de referência), mas atribuindo a ele efeitos mais sarcásticos, humorísticos e críticos. Podemos dizer que a paródia é um exercício de intertextualidade cujo objetivo é levar o leitor a fazer uma reflexão crítica a respeito do que acontece na sociedade.

De modo irreverente, a paródia contribui para a formação de leitores/sujeitos mais reflexivos e politizados. É possível observarmos de que maneira isso ocorre a partir, por exemplo, da Paródia do poema “Canção do Exílio” (do poeta romântico Gonçalves Dias) escrita pelo apresentador de programa televisivo de entrevistas, Jô Soares, e intitulada “Canção do Exílio às avessas”.

A partir da leitura do poema de Gonçalves Dias e da paródia de Jô Soares, é possível observar que tanto Gonçalves Dias quanto Jô Soares procuraram apresentar o seu ponto de vista e deixar as suas impressões da realidade, dos acontecimentos de suas épocas, dos seus dias, do contexto político, social, cultural e filosófico.

Leia o Poema e a Paródia:

Canção do Exílio
Gonçalves Dias

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar — sozinho, à noite —
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu’inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Canção do Exílio às avessas
Jô Soares

Minha Dinda tem cascatas
Onde canta o curió
Não permita Deus que eu tenha
De voltar pra Maceió.

[..]

O meu céu tem mais estrelas
Minha várzea tem mais cores.
Este bosque reduzido
deve ter custado horrores.

[...]

Minha Dinda tem piscina,
Heliporto e tem jardim
feito pela Brasil's Garden:
Não foram pagos por mim.
Em cismar sozinho à noite
sem gravata e paletó
Olho aquelas cachoeiras
Onde canta o curió.

[...]

Minha Dinda tem primores
De floresta tropical.
Tudo ali foi transplantado,
Nem parece natural.
Olho a jabuticabeira
dos tempos da minha avó.
Não permita Deus que eu tenha
De voltar pra Maceió.

[...]

Finalmente, aqui na Dinda,
Sou tratado a pão-de-ló.
Só faltava envolver tudo
Numa nuvem de ouro em pó.
E depois de ser cuidado
Pelo PC, com xodó,
Não permita Deus que eu tenha
De acabar no xilindró.

O poema de Gonçalves Dias reflete a respeito da saudade que sente de sua terra natal, destacando suas características ambientais, naturais, e revelando seu desejo de retornar a ela. Nesse poema, Gonçalves Dias, que se encontrava em Coimbra, Portugal, cursando a Faculdade de Direito, reflete sobre as belezas de sua terra, no momento da recém-adquirida independência do Brasil em relação a Portugal.

A Paródia de Jô Soares, entretanto, faz exatamente o contrário: por meio da ironia (figura de pensamento bastante recorrente em paródias), o eu lírico enaltece a região em que se encontra no presente e não deseja retornar à sua terra natal, Maceió. Jô Soares transforma a poesia de Gonçalves Dias em uma paródia na qual denuncia os escândalos políticos do ex-presidente da República, Fernando Collor de Melo, entre os anos de 1990 a 1992, o qual sofreu um processo de impeachment.

Como você pôde observar, de modo crítico e bem-humorado, a paródia de Jô Soares reflete sobre os confortos, regalias e modernidades desfrutados devido ao cargo que Collor ocupava e sobre o horror que o eu lírico (Collor) sentia sobre voltar à sua terra natal.

 

Por Ma. Luciana Kuchenbecker Araújo

Por Luciana Kuchenbecker Araújo

Você pode se interessar também

Português

Dicas práticas para uma boa interpretação de texto

Português

Diferenças entre a poesia, o poema e o soneto

Português

Eu lírico

Português

Intertextualidade

Últimos artigos

Revolta da Armada

Revolta da Armada foi um levante armado organizado por membros da Marinha, em 1893. Esse movimento se deu pela forte oposição da Marinha a Floriano Peixoto.

Símbolos nacionais

Símbolos nacionais são quatro símbolos que, por determinação da nossa lei, representam a nação brasileira.

Guerra do Contestado

Guerra do Contestado foi um conflito que se estendeu de 1912 a 1916 e mesclou insatisfação social com messianismo religioso.

Encontro vocálico

O encontro vocálico ocorre quando uma vogal e uma semivogal aparecem uma depois da outra em uma palavra. Há três tipos de encontro vocálico: o ditongo, o tritongo e o hiato.