Qual matéria está procurando ?

História

História

Império Bizantino e seu legado

O Império Bizantino deixou um vasto legado cultural à posteridade, como várias obras dos pensadores da Antiguidade. Clique e saiba mais.

por Tales Pinto
Exemplo de um mosaico bizantino. O legado cultural deixado pelo Império Bizantino influenciou inclusive o Renascimento Exemplo de um mosaico bizantino. O legado cultural deixado pelo Império Bizantino influenciou inclusive o Renascimento

O Império Bizantino foi uma continuidade do Império Romano do Oriente, que perdurou até o século XV, quando a capital Constantinopla (ou Bizâncio para os gregos, e hoje Istambul) foi conquistada pelos turcos-otomanos, em 1453. O legado deixado pelo Império Bizantino é amplo, influenciando desde as rotas comerciais entre Ocidente e Oriente até os códigos civis contemporâneos.

A cidade de Constantinopla, uma antiga aldeia de pescadores gregos, foi urbanizada por volta de 330 d.C. por orientação do imperador romano Constantino. Inicialmente conhecida como Nova Roma, Constantinopla se transformou na capital do Império Romano do Oriente e em um grande centro comercial devido à sua localização geográfica privilegiada, no estreito de Bósforo, em um ponto de junção entre o mundo ocidental e oriental.

O principal imperador bizantino foi Justiniano (527-565), que durante seu reinado expandiu o Império aos seus limites máximos na região mediterrânica, chegando inclusive a reconquistar a cidade de Roma e a Península Itálica dos povos germânicos. Foi durante o governo de Justiniano que foram compiladas as leis romanas, criando o Corpus Juris Civilis (Corpo do Direito Civil). Esse código jurídico romano organizado pelos bizantinos influenciou a constituição de diversos códigos civis em países da época contemporânea.

Entretanto, após a morte de Justiniano, o Império Bizantino entrou em um lento processo de decadência, que iria se arrastar até a tomada de Constantinopla pelos turcos, em 1453.

Justiniano também financiou a construção de grandes obras públicas, das quais se pode destacar a Catedral de Santa Sofia, que até hoje existe na cidade de Istambul. O imperador governava ainda com poderes absolutos, considerando-se o representante de Deus na Terra, o que o tornava também o chefe da Igreja. Isso acabou diferenciando a própria Igreja, já que no Ocidente, o bispo de Roma passou a ser o chefe da Igreja a partir de 455, transformando-se no papa Leão I.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Interior da Catedral de Santa Sofia, construída em Constantinopla, atual Istambul na Turquia.*

Interior da Catedral de Santa Sofia, construída em Constantinopla, atual Istambul na Turquia.*

Outro ponto de diferenciação com o cristianismo católico ocidental pode ser encontrado com o movimento dos iconoclastas, que, orientados pela não veneração de imagens (ícones), passaram a destruí-las. Entretanto, a produção de mosaicos e pinturas era incentivada, dentro de parâmetros preestabelecidos pelos teólogos, como a retratação das figuras sempre de frente.

Essa diferenciação entre as práticas religiosas da Igreja Romana e do Império Bizantino, aliada às disputas políticas e econômicas entre o papa e os imperadores bizantinos, levou à separação das duas igrejas. O episódio ficou conhecido como Cisma do Oriente, ou Grande Cisma, dando origem a duas igrejas católicas: a Igreja Católica Apostólica Romana e a Igreja Católica do Oriente, mais conhecida no Brasil como Igreja Ortodoxa.

Constantinopla foi considerada o maior centro cultural do mundo cristão durante a Idade Média, principalmente pela preservação de uma grande quantidade de obras de artistas e pensadores da Antiguidade, em especial dos gregos e dos romanos. As atividades dos monges copistas proporcionou que os pensadores do Renascimento pudessem entrar em contato com os clássicos da Antiguidade. Inclusive a influência grega sobre o Império Bizantino foi enorme, a ponto de substituírem o uso do latim pelo grego nas cerimônias religiosas e nos documentos oficiais.

Foram os bizantinos que difundiram o cristianismo no oriente europeu, a ponto de dois monges bizantinos, Cirilo e Metódio, terem criado um alfabeto, baseado no alfabeto grego, para converter os povos eslavos. O alfabeto cirílico, como foi batizado, é hoje utilizado em diversos países, como na Rússia e na Ucrânia.

* Crédito da Imagem: muharremz e Shutterstock.com

Aproveite para conferir a nossa videoaula sobre o assunto:

Você pode se interessar também

História

Estabelecimento e desenvolvimento da Igreja na Idade Média

Matemática

Números fracionários

História

Império Islâmico e a expansão muçulmana

Últimos artigos

Escandinávia

A Escandinávia é uma região que abrange a Península Escandinávia. Os países pertencentes a essa região assemelham-se cultural, histórica e politicamente.

Simón Bolívar

Simón Bolívar foi um dos nomes mais importantes da história sul-americana, tendo participação direta nas independências de países, como Venezuela e Colômbia.

Monarquia

Monarquia é a forma de governo mais antiga que existe no mundo, e atualmente mais de 40 países adotam-na sob dois modelos: constitucional e absoluto.

Marquês de Pombal

Marquês de Pombal ficou conhecido por ter sido o administrador de Portugal entre 1750 e 1777, promovendo reformas que fizeram parte do Reformismo Ilustrado.