Qual matéria está procurando ?

História

História

Fim da União Soviética

Saiba como aconteceu o Fim da União Soviética durante o governo de Mikhail Gorbachev, na passagem da década de 1980 para a de 1990.

A União Soviética entrou em colapso na passagem da década de 1980 para a década de 1990 A União Soviética entrou em colapso na passagem da década de 1980 para a década de 1990

Nos anos que se seguiram à Revolução Russa, ocorrida em 1917, houve a progressiva formação do “Império Soviético”, isto é, a formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) – uma associação entre países comunistas do Leste Europeu, que se articularam em torno de um poder central, cuja sede era na Rússia. A URSS durou cerca de 70 anos e viveu o período da chamada Guerra Fria (começada após a Segunda Guerra Mundial, no fim da década de 1940), que consistia na disputa geopolítica e tecnológica entre dois sistemas socioeconômicos: o comunismo, que tinha a URSS como principal representante, e a economia de mercado (ou capitalismo), representado pelas democracias ocidentais, sobretudo pelos Estados Unidos da América. A ruína da URSS ocorreu na passagem da década de 1980 para a década de 1990.

Podemos dizer que a história do fim da União Soviética, em outras palavras, é a história da falência do sistema comunista. A revolução levada a cabo por Lenin e Trotsky em 1917 e a consolidação do Império Soviético com Stalin necessitaram do erguimento de um Estado centralizador e autoritário, que oprimia os indivíduos e lhes privava da liberdade de expressão e de livre pensamento, na tentativa de torná-los “ajustados” à visão de mundo comunista. O Estado autoritário forjado na URSS tinha como modelo as ideias comunistas desenvolvidas pelos intelectuais alemães Karl Marx e Friedrich Engels, que diziam ser possível uma sociedade sem classes sociais, sem propriedade privada e sem controle hierárquico dos meios de produção (indústria). Esse modelo, aplicado na Rússia e, depois, em outros países vizinhos, tornou-se, com o tempo, insustentável.

Os sinais mais evidentes dessa falência do comunismo começaram a aparecer nos anos 1970. Todavia, foi somente na década de 1980 que os soviéticos admitiram para o mundo inteiro que o sistema da URSS precisava de reformas. Em 1985, Mikhail Gorbachev foi eleito presidente da URSS e secretário-geral do Partido Comunista Soviético. A missão de Gorbachev era renovar o comunismo soviético sem alterar a sua essência. Entretanto, as suas reformas, conhecidas como “Perestroika” e “Glasnost”, não tiveram o efeito esperado. Ao contrário, aceleraram o fim do sistema vigente.

Gorbachev teve de enfrentar problemas de grandes proporções, como a explosão do reator atômico da usina nuclear da cidade ucraniana de Chernobyl em 1986 (a Ucrânia era um dos países que compunham a URSS) e a guerra do Afeganistão (que era uma república comunista à época auxiliada pela URSS), da qual ele teve que retirar as tropas soviéticas em razão dos altos gastos que o conflito demandava. Associada a isso, ainda havia, de um lado, a pressão política dos setores mais tradicionais dentro do Partido Comunista, comandados por Valentin Pavlov, e, de outro, a pressão dos setores mais progressistas – esses últimos eram liderados por Boris Yeltsin, que também contribuiu para o fim da URSS.

O ano de 1991 foi decisivo para a queda do regime soviético. Em agosto, Gorbachev sofreu um golpe de Estado e acabou sendo preso pelos representantes dos setores do Partido Comunista interessados em manter o caráter autoritário da URSS. Esse golpe gerou uma onda de revoltas populares que resultou na liberação do líder. Gorbachev, entretanto, renunciou ao posto de secretário-geral do partido, permanecendo apenas como presidente até outubro do mesmo ano, quando, enfim, renunciou também a esse posto, dando fim também à antiga estrutura da URSS.

Veja o que diz o historiador Silvio Pons: […] No final de 1991, no momento da dissolução da URSS, Gorbachev saiu de cena, como um político derrotado. Em sua derrota, apesar de tudo, havia um dado inegável: o que também saía de cena eram as opções mais atrasadas e mais repletas de consequências catastróficas, que sua política colocara fora de jogo. A iniciativa política de Gorbachev não mudou o sistema nem renovou o comunismo. Mesmo assim, destituiu de sentido sua defesa extremada. [1]

O comunismo não podia mais ser legitimado ou reelaborado após o fim da URSS. Uma “defesa extremada” desse sistema só continuou a ser feita em países em que o autoritarismo comunista já estava mais arraigado que na própria URSS – como era o caso da China e da Coreia do Norte.

NOTAS

[1] PONS, Silvio. A Revolução Global – história do comunismo internacional. (1917-1991). trad. Luís Sérgio Henriques. Rio de Janeiro: Contraponto; Fundação Astrogildo Pereira, 2014. p. 551


Por Me. Cláudio Fernandes

Por Cláudio Fernandes

Você pode se interessar também

História

Domingo Sangrento e Revolução Russa de 1905

História

Formação da União Soviética

História

Holodomor

Ciências

Importância das matas ciliares

Últimos artigos

Revolta da Armada

Revolta da Armada foi um levante armado organizado por membros da Marinha, em 1893. Esse movimento se deu pela forte oposição da Marinha a Floriano Peixoto.

Símbolos nacionais

Símbolos nacionais são quatro símbolos que, por determinação da nossa lei, representam a nação brasileira.

Guerra do Contestado

Guerra do Contestado foi um conflito que se estendeu de 1912 a 1916 e mesclou insatisfação social com messianismo religioso.

Encontro vocálico

O encontro vocálico ocorre quando uma vogal e uma semivogal aparecem uma depois da outra em uma palavra. Há três tipos de encontro vocálico: o ditongo, o tritongo e o hiato.