Qual matéria está procurando ?

Geografia

Geografia

Sistemas de Informações Geográficas

Confira o conceito e as principais funções dos Sistemas de Informações Geográficas!

Ninguém tem dúvida que o mundo atual é marcado pela presença de alta tecnologia! Essa tecnologia serve de auxílio para muitas atividades econômicas, de pesquisa e também no nosso cotidiano. Nesse contexto, os Sistemas de Informações Geográficas (SIGs) são exemplos de como as transformações técnicas influenciam a forma como lidamos com o espaço geográfico em que vivemos.

Os SIGs são o conjunto de aparelhos (computadores, satélites e outros) e softwares que permite uma melhor representação e análise do espaço geográfico e natural. É a combinação do conjunto de técnicas e procedimentos tecnológicos responsáveis não só por produzir mapas com avançada precisão, mas medir distâncias, identificar localidades e monitorar as atividades humanas.

A base dos Sistemas de Informações Geográficas é composta por três principais frentes tecnológicas: o sensoriamento remoto, o geoprocessamento e o sistema de posicionamento global (GPS).

O sensoriamento remoto consiste na utilização de ferramentas tecnológicas e computacionais para representar ou observar uma determinada área da superfície terrestre. Assim, qualquer visualização por meio indireto que se faz sobre a superfície, ou seja, com a mediação de algum aparelho, é um sensoriamento remoto. Ele é muito utilizado em monitoramentos do desmatamento de florestas ou para visualizar melhor o espaço e permitir ações de planejamento.

O Sistema de Posicionamento Global, mais conhecido como GPS, é um elaboradíssimo sistema de localização a partir da utilização das coordenadas geográficas, que abrangem a combinação entre latitudes e longitudes. Esse sistema envolve uma ação conjunta de 24 satélites e milhares de profissionais espalhados em todo o mundo, permitindo a identificação de áreas e até o endereçamento que fazemos quando pesquisamos uma localidade no celular ou no aparelho de GPS.


O GPS auxilia-nos em tarefas cotidianas, como a localização de endereços nas ruas das grandes cidades

O Geoprocessamento, por sua vez, é o processo de seleção e obtenção de dados e informações geográficas para convertê-los nos diferentes tipos de representações cartográficas. É, portanto, a etapa que converte tudo o que se obtém sobre a superfície terrestre em mapas, que permitem o estudo e a difusão rápida dessas informações. Graças ao geoprocessamento, conseguimos reunir informações previamente selecionadas de uma área e representar a sua distribuição espacial, o que auxila na elaboração de ações públicas e privadas, na preservação da natureza, no ensino escolar e em muitos outros casos.

Os SIGs são, dessa forma, importantes instrumentos que combinam os avanços tecnológicos ocorridos durante a III Revolução Industrial com o trabalho realizado pelas pessoas para melhorar a forma como produzimos o espaço da nossa sociedade. Assim, desde que bem utilizadas, essas informações podem ajudar-nos a construir um mundo melhor, baseado na produção de conhecimento.


Por Me. Rodolfo Alves Pena


Aproveite para conferir nossa videoaula sobre o assunto:

Os Sistemas de Informações Geográficas envolvem o uso de tecnologia para a compreensão do espaço terrestre Os Sistemas de Informações Geográficas envolvem o uso de tecnologia para a compreensão do espaço terrestre
Por Rodolfo F. Alves Pena

Você pode se interessar também

Geografia

Coordenadas Geográficas

Geografia

GPS

Geografia

Instrumentos de Localização

Geografia

O que é Espaço Geográfico?

Últimos artigos

Cuca

Cuca é um ser do folclore brasileiro e apresentada como uma velha má que sequestra crianças. Por meio de Monteiro Lobato, a forma de jacaré da cuca se popularizou.

Animais herbívoros

Os animais herbívoros se alimentam de algas e/ou vegetais e, portanto, ocupam sempre o nível de consumidores primários na cadeia alimentar.

Realismo no Brasil

Realismo foi um estilo de época do século XIX. No Brasil, Machado de Assis é seu maior representante.

Código de Hamurábi

Código de Hamurábi — código de leis tradicionais na Mesopotâmia — foi compilado por Hamurábi, rei da Babilônia, no século XVIII a.C.