Qual matéria está procurando ?

História

História

Missa do Galo

Missa do Galo é o nome da cerimônia realizada pela Igreja Católica na véspera de Natal. Essa missa é iniciada pontualmente à meia-noite da virada do dia 24 para o dia 25 de dezembro e é uma das tradições mais antigas do catolicismo. A Missa do Galo é realizada como parte das celebrações pelo Natal, a festa que comemora o nascimento de Jesus Cristo.

Tradicionalmente, a missa é realizada no Vaticano, e é conduzida pelo próprio papa na Basílica de São Pedro. Essa cerimônia também está presente pelo mundo afora em outras igrejas católicas, porém a celebração mais expressiva, naturalmente, é a que ocorre no Vaticano e ela costuma ser acompanhada por milhões de pessoas ao redor do planeta, por meio de transmissão televisiva.

Acesse também: Quais são as origens históricas do Papai Noel, um importante símbolo natalino

Qual origem desse nome?

Na véspera de Natal, realiza-se na Basílica de São Pedro, no Vaticano, a Missa do Galo.

Não existe nenhuma certeza do porquê chamamos a missa de véspera de Natal como Missa do Galo. Esse nome é utilizado nos idiomas dos países ibéricos (Portugal e Espanha), sendo chamado de Misa del Gallo em espanhol.

Em outros idiomas, o nome dessa missa já é diferente. Em inglês, a missa é chamada de Midnight Mass e em italiano é chamada de Messa Della Notte (ambas significando Missa da Meia-noite), por exemplo. Existem diferentes teorias que apontam o motivo de a missa de véspera ser chamada assim.

Uma delas sugere que um galo cantou durante o nascimento de Jesus Cristo e isso acabou sendo entendido como uma anunciação do filho de Deus. Outra teoria remonta a uma suposta tradição realizada na região de Toledo, na Espanha, na qual os camponeses matavam um galo exatamente na hora em que o sino da igreja anunciasse a meia-noite de Natal. Esse galo seria levado à igreja local e sua carne seria distribuída para os mais pobres.

Uma das teorias sugere que o nome tem origem na tradição da peregrinação de alguns cristãos a Belém, pois esses peregrinos chegavam a seu destino na hora em que o galo cantava. Ainda há a teoria que está associada com o papa Sisto III, que anunciou a missa para celebrar o nascimento de Jesus “na hora em que o galo canta”. Existem algumas menções que falam que o galo era um símbolo pagão que foi apropriado pelos cristãos.

Por fim, existe também uma teoria que sugere que camponeses portugueses e espanhóis tinham como hábito levar galos à missa de Natal para que eles cantassem durante sua realização. Podemos perceber então que existem uma gama de teorias que apontam as origens do termo e, por certo, nunca saberemos exatamente qual delas fundamentou o nome dessa missa.

Acesse também: 06 de janeiro - Dia de Reis: conheça a simbologia dessa data religiosa

Quem criou a Missa do Galo?

A criação da Missa do Galo é um assunto que também possui um debate a respeito, por conta da incerteza em volta dela. O papa Sisto III é considerado por muitos como o criador da Missa do Galo, tendo feito isso em meados do século V d.C. Outros, no entanto, sugerem que a Missa do Galo foi criada por São Telésforo em 143. Essa última possibilidade é difícil de acreditar, uma vez que até o final do século II d.C., o nascimento de Jesus não era comemorado e não se acreditava, nessa época, que ele havia nascido em 25 de dezembro.

Crédito da imagem

[1] Frippitaun/Shutterstock

Por Daniel Neves Silva

Você pode se interessar também

Datas Comemorativas

Páscoa

História

Corpus Christi

Últimos artigos

Idade Moderna

Idade Moderna foi um dos períodos da História, iniciando-se em 1453 e finalizando-se em 1789. Foi o período dos regimes absolutistas e do surgimento do capitalismo.

Animais onívoros

Animais onívoros são aqueles que podem alimentar-se de algas ou plantas e também de outros animais. Porcos e baratas são exemplos de animais onívoros.

Réveillon e Ano-Novo

O Réveillon e o Ano-Novo são datas comemorativas de final e início de ano e remetem a comemorações diferentes.

Revolução Praieira

A Revolução Praieira foi a última revolução provincial que aconteceu no Brasil durante o período monárquico e abalou Pernambuco, de 1848 a 1850.