Qual matéria está procurando ?

História

História

Estandarte de Ur

Saiba mais sobre as civilizações da Mesopotâmia e sua riqueza artística por meio da análise do Estandarte de Ur.

Além de grandes monumentos, como seu Zigurate, a cidade de Ur também dispõe de outros tesouros artísticos Além de grandes monumentos, como seu Zigurate, a cidade de Ur também dispõe de outros tesouros artísticos

Certamente, nas aulas de História Antiga, você já deve ter se deparado mais de uma vez com o tema do aparecimento das civilizações da Mesopotâmia, isto é, os povos sumérios, acádios, caldeus, babilônios e assírios. Pois bem, essas civilizações, que se desenvolveram na região dos atuais países de Iraque e Síria, entre os rios Tigre e Eufrates, legaram uma riqueza cultural e artística vastíssima. Um exemplo são as grandes construções arquitetônicas chamadas Zigurates (templos erigidos para cultuar deuses e cuidados por sacerdotes).

Além dos monumentos arquitetônicos, outras formas de arte, como a arte em relevo, a escultura e a pintura, floresceram entre esses povos. Um dos exemplos de pintura mais interessantes é do chamado “Estandarte de Ur”.

O “Estandarte de Ur” consiste em uma caixa (ou urna) em forma de trapézio (trapezoidal) com várias imagens pintadas em suas laterais que contêm cenas que descrevem variadas situações, como a guerra e a aclamação ao rei. Essa caixa foi encontrada no ano de 1928 pelo arqueólogo britânico Sir C. Leonard Wooley, quando escavava o Cemitério Real de Ur, isto é, o cemitério em que era enterrada a realeza suméria na cidade de Ur, na Mesopotâmia (atual Iraque).

A caixa e suas pinturas datam de aproximadamente 2.600 a.C. O material usado para pintar as cenas foi, basicamente, conhas, calcário vermelho e lápis-lazúli (um tipo especial de pedra de cor azulada), tal como descreve o historiador da arte Stephen Farthing no trecho a seguir:

Em pé, empregados servem o rei e os nobres, e na faixa de baixo um grupo de homens leva os espólios de guerra – um touro, uma cabra, peixes e outros produtos de pilhagem – para o banquete. As conchas usadas para retratar as pessoas têm enfeites delicados em preto, ao passo que lascas de lápis-lazúli servem como pano de fundo. Pedacinhos de calcário vermelho foram adicionados para fins decorativos. [1]

Acima, a caixa denominada ?Estandarte de Ur?
Acima, a caixa denominada “Estandarte de Ur”

O nome “Estandarte de Ur” foi dado por Wooley após ter encontrado a caixa, dentro de um túmulo, sobre a ossada de um indivíduo que parecia levá-la nas costas. Wooley partiu da perspectiva de que, nas antigas batalhas da Mesopotâmia, os exércitos tinham alguém designado a carregar sobre as costas uma caixa com o estandarte (um brasão amarrado a um suporte de madeira) do rei. Porém, depois de um tempo, outra hipótese foi levantada: suspeita-se de que essa caixa, na verdade, servia para acomodar algum instrumento musical.

Os dois lados do “Estandarte de Ur” possuem títulos específicos. Um deles é chamado de “Quadro Bélico” e descreve as cenas de batalhas, e o outro é o “Quadro da Paz”, que pode ser visto na imagem do centro do texto.

NOTAS

[1] FARTHING, Stephen. Tudo Sobre Arte. Rio de Janeiro, Sextante. 2010. p. 22.


Por Me. Cláudio Fernandes

Por Cláudio Fernandes

Você pode se interessar também

História

Assírios

História

Hebreus

História

Mesopotâmia

Últimos artigos

Revolta da Armada

Revolta da Armada foi um levante armado organizado por membros da Marinha, em 1893. Esse movimento se deu pela forte oposição da Marinha a Floriano Peixoto.

Símbolos nacionais

Símbolos nacionais são quatro símbolos que, por determinação da nossa lei, representam a nação brasileira.

Guerra do Contestado

Guerra do Contestado foi um conflito que se estendeu de 1912 a 1916 e mesclou insatisfação social com messianismo religioso.

Encontro vocálico

O encontro vocálico ocorre quando uma vogal e uma semivogal aparecem uma depois da outra em uma palavra. Há três tipos de encontro vocálico: o ditongo, o tritongo e o hiato.