Qual matéria está procurando ?

História

História

Cleópatra

Cleópatra foi a última rainha do Egito. Seu envolvimento amoroso com Júlio César e com Marco Antônio influenciou o destino de seu reino e de Roma.

Representação da Cleópatra VII Philopator, a última rainha do Egito. Cleópatra VII Philopator foi a última rainha do Egito. [1]

Cleópatra foi a última rainha do Egito. Seu reinado, iniciado em 51 a.C., foi marcado por intrincadas disputas familiares e alianças estratégicas para manter a estabilidade no Egito. Ao estabelecer relações com líderes romanos, como Júlio César e posteriormente Marco Antônio, Cleópatra influenciou significativamente a história de Roma e do Egito. Sua aliança com Marco Antônio levou a conflitos contra Otaviano em Áccio, resultando na derrota e no trágico fim do casal. O legado de Cleópatra transcendeu sua morte, abrangendo sua influência cultural, política e quebra de normas de gênero, sendo uma das últimas faraós egípcias.

Leia também: Faraó — principais características sobre a autoridade que governava o Egito Antigo

Resumo sobre Cleópatra

  • Cleópatra foi a última rainha do Egito.
  • Nascida em 69 a.C. em Alexandria, Egito, era membro da dinastia ptolemaica. Seu reinado começou em 51 a.C., marcado por intrigas familiares e lutas pelo poder.
  • Durante seu reinado, Cleópatra enfrentou desafios políticos internos e externos, buscando alianças com líderes romanos, como Júlio César, para garantir a estabilidade no Egito.
  • Cleópatra formou uma aliança política e amorosa com Marco Antônio após o assassinato de Júlio César. Juntos, enfrentaram Otaviano em conflitos que culminaram na derrota em Áccio, levando ao trágico fim do casal.
  • O legado de Cleópatra abrange sua influência cultural, política e sua representação como uma mulher poderosa. Seu reinado deixou marcas na história do Egito e de Roma, sendo uma das últimas faraós e uma figura emblemática na Antiguidade.
  • Cleópatra desafiou normas de gênero, liderou o Egito em um período crucial e suas alianças com líderes romanos tiveram repercussões significativas, moldando a história de Roma e do Egito.
  • Sua morte, envolta em mistério, é popularmente associada à picada de cobra, mas o método exato permanece incerto.

Videoaula sobre Cleópatra

Biografia de Cleópatra

Cleópatra VII Philopator, conhecida simplesmente como Cleópatra, é uma das figuras mais icônicas da história mundial. Nascida em 69 a.C., em Alexandria, Egito, Cleópatra era membro da dinastia ptolemaica, que governava o Egito após a morte de Alexandre, o Grande. Ela era a filha do faraó Ptolemeu XII Auletes e, mais tarde, se tornou uma das últimas rainhas do Egito.

A formação intelectual de Cleópatra foi excepcional para a época. Ela recebeu uma educação refinada, tornando-se fluente em vários idiomas, incluindo grego, egípcio, aramaico e latim. Sua inteligência e habilidades linguísticas foram aspectos essenciais de sua personalidade, contribuindo para sua notável capacidade diplomática e política.

Retrato de Cleópatra. [2]

Durante sua infância, Cleópatra testemunhou a instabilidade política e as disputas internas em sua família, marcadas por intrigas e conflitos pelo poder. A dinastia ptolemaica tinha como tradição o casamento entre irmãos para manter a linhagem real. No entanto, essa prática gerou disputas frequentes pelo trono, resultando em uma atmosfera de intriga e rivalidade. Quando seu pai, Ptolemeu XII Auletes, faleceu, Cleópatra, ainda uma criança, foi corregente com seu irmão mais novo, Ptolemeu XIII, o que desencadeou uma série de conflitos.

Os conselheiros e tutores de Cleópatra, como Pothinus e Achillas, exerceram influência considerável sobre o governo, minando a autoridade da jovem rainha. O Egito estava em meio a lutas pelo poder, e Cleópatra encontrou-se envolvida em uma série de intrigas palacianas desde cedo. A disputa entre Cleópatra e Ptolemeu XIII pela supremacia exacerbou ainda mais as tensões internas, levando a conflitos abertos.

Cleópatra casou-se com seu irmão Ptolemeu XIII, mas a relação tornou-se tensa devido às disputas de poder. O conflito atingiu seu ápice quando Cleópatra foi forçada a deixar Alexandria, quando buscou apoio militar de Júlio César, general romano, em sua luta pelo trono. Júlio César interveio no Egito, dando início ao cerco de Alexandria em 48 a.C. Durante esse período, ocorreram confrontos armados, e Ptolemeu XIII morreu em circunstâncias não totalmente claras.

Após a morte de Ptolemeu XIII, Cleópatra consolidou seu poder no Egito e deu à luz um filho com Júlio César, Cesarião. O relacionamento entre Cleópatra e Júlio César teve consequências significativas tanto para o Egito quanto para Roma, criando tensões adicionais na já instável cena política da época.

Após a morte de Júlio César em 44 a.C., Cleópatra voltou ao Egito e formou uma aliança política e amorosa com Marco Antônio, um dos generais romanos que buscavam controlar o vazio de poder deixado pela morte de César. Cleópatra e Marco Antônio tiveram três filhos juntos, mas a aliança provocou a ira de Roma, levando à famosa Batalha de Áccio em 31 a.C., onde foram derrotados por Otaviano, futuro imperador Augusto.

O desfecho trágico da vida de Cleópatra ocorreu em 30 a.C., após a derrota na Batalha de Áccio. Com Marco Antônio morto, Cleópatra buscava evitar ser levada a Roma como prisioneira. A lenda mais conhecida afirma que ela se suicidou com a picada de uma cobra, uma áspide, escolhendo a morte em vez da captura. Esse evento marcou o fim da dinastia ptolemaica e o início da anexação definitiva do Egito ao Império Romano.

→ Reinado de Cleópatra

O reinado de Cleópatra começou em 51 a.C., quando seu pai morreu e ela se tornou corregente com seu irmão mais novo, Ptolemeu XIII. No entanto, o poder real estava nas mãos de seus conselheiros e tutores, em particular Pothinus e Achillas, que tinham pouca consideração por Cleópatra. Em 48 a.C., Cleópatra buscou o apoio de Júlio César, o líder de Roma, em sua luta pelo trono egípcio. Ela conheceu César em Alexandria e rapidamente se envolveu em um relacionamento amoroso com o líder romano.

Seu reinado terminou com sua morte em 30 a.C, em um contexto da luta dos romanos, liderados por Otaviano, contra Marco Antônio e Cleópatra.

→ Cleópatra e Júlio César

A relação de Cleópatra com Júlio César teve implicações políticas significativas. César ajudou Cleópatra a recuperar o trono do Egito e, juntos, tiveram um filho chamado Ptolemeu XV Philopator Philometor Caesar, também conhecido como Cesarião.

Cleópatra esteve em Roma durante o relacionamento com Júlio César. Após o encontro deles no Egito em 48 a.C., Cleópatra e seu filho com Júlio César foram para Roma em 46 a.C. e passaram um tempo com ele. Cleópatra buscou estabelecer relações políticas e obter apoio de César para manter seu domínio sobre o Egito.

Durante sua estadia em Roma, Cleópatra enfrentou considerável controvérsia e hostilidade, já que sua presença na capital romana foi vista como uma intrusão nas dinâmicas políticas internas. Seu relacionamento com Júlio César causou desconforto entre os romanos, especialmente considerando que César já era casado com Calpúrnia.

Cleópatra retornou ao Egito após o assassinato de Júlio César em 44 a.C. Ela se tornou corregente com seu filho Cesarião.

→ Cleópatra e Marco Antônio

A relação entre Cleópatra e Marco Antônio teve implicações significativas para a história do mundo antigo. Marco Antônio foi um dos três generais que disputaram o poder romano após a morte de Júlio César, juntamente com Otaviano (futuro imperador Augusto) e Lépido.

Cleópatra e Marco Antônio estabeleceram uma aliança política e amorosa, e juntos tiveram três filhos, sendo eles Alexandre Hélio, Cleópatra Selene II e Ptolemeu Filadelfo. Juntos, Cleópatra e Marco Antônio planejaram a expansão de seus territórios e formaram uma aliança militar que visava desafiar o poder de Otaviano em Roma.

Isso levou à série de conflitos conhecidos como as Guerras Civis do Segundo Triunvirato, que culminaram na Batalha de Áccio em 31 a.C. A aliança de Cleópatra e Marco Antônio foi derrotada por Otaviano, e ambos acabaram se suicidando em 30 a.C. Cleópatra, segundo a lenda, morreu ao se permitir ser picada por uma cobra venenosa egípcia, a áspide, enquanto Marco Antônio apunhalou-se com sua espada.

Legado de Cleópatra

Cleópatra vestida como faraó.

O legado de Cleópatra é rico e perdura até os dias de hoje. Ela é amplamente lembrada por seu papel na história do Egito, sua inteligência política e sua relação com figuras proeminentes da Roma Antiga. Dentre os elementos de seu legado, pode-se destacar:

  • Cleópatra foi a última faraó da dinastia ptolemaica e uma das últimas monarcas a governar o Egito antes da anexação romana. Ela era uma patrona das artes e da cultura grega, e seu reinado testemunhou um renascimento da cultura helênica no Egito.
  • Cleópatra desafiou as normas sociais de sua época ao governar como uma mulher em um mundo dominado por homens. Ela demonstrou habilidade política e liderança em uma posição de poder, rompendo com as expectativas tradicionais de seu papel como mulher e rainha.
  • Sua relação com Júlio César e Marco Antônio teve um impacto duradouro na história de Roma. Os eventos que envolveram Cleópatra e esses líderes romanos ajudaram a moldar o destino do Império Romano.
  • Cleópatra tornou-se uma figura lendária ao longo dos séculos, inspirando inúmeras representações em literatura, teatro, cinema e outras formas de mídia. Ela é muitas vezes retratada como uma mulher sedutora e misteriosa, e sua história continua a fascinar o público.

Saiba mais: Como era a religião no Egito Antigo?

Importância de Cleópatra

A importância de Cleópatra na história é inegável. Ela desafiou as normas de gênero de sua época, exerceu um papel político influente e desempenhou um papel central nos eventos que moldaram o mundo antigo. Os principais elementos de sua importância são:

  • Política e liderança: Cleópatra governou o Egito por muitos anos, e seu reinado testemunhou melhorias na economia e na administração do reino. Ela desempenhou um papel ativo na política egípcia, mostrando habilidade e determinação em um ambiente dominado por homens.
  • Relações internacionais: A aliança entre Cleópatra e Marco Antônio desempenhou um papel crucial nas Guerras Civis do Segundo Triunvirato e nas tensões entre Roma e o Egito. Suas ações políticas tiveram implicações significativas nas relações entre o Egito e Roma, e na história global da época.
  • Representação feminina no poder: Cleópatra quebrou as expectativas tradicionais de seu papel como rainha e líder. Ela demonstrou que as mulheres podiam governar com habilidade e competência, desafiando a visão de que o poder era exclusivo dos homens.
  • Cultura e legado: A influência de Cleópatra na cultura egípcia e grega é evidente em seu patrocínio das artes e da literatura. Ela também é um ícone na cultura popular e tem sido retratada de várias maneiras em obras artísticas ao longo dos séculos.

Curiosidades sobre Cleópatra

A atriz Elizabeth Taylor interpretando Cleópatra no cinema.

Além de sua importância histórica, Cleópatra é uma figura que tem gerado inúmeras curiosidades e mitos ao longo dos anos. Dentre elas, destacam-se:

  • Não era de ascendência egípcia: Ela era membro da dinastia ptolemaica, uma família grega que governava o Egito após a conquista de Alexandre, o Grande.
  • Beleza lendária: Cleópatra é frequentemente retratada como uma mulher de grande beleza e sedução. No entanto, as descrições contemporâneas de sua aparência são escassas, e sua atração pode ter sido mais relacionada a seu carisma e habilidade política do que à sua aparência física.
  • Falava várias línguas: Além do grego, Cleópatra era fluente em egípcio, aramaico, hebraico e latim. Sua capacidade de se comunicar em várias línguas a ajudou em sua diplomacia e negociações.
  • Mito da morte pela picada de cobra: Embora a história mais popular seja que Cleópatra tenha se suicidado com a picada de uma cobra venenosa, alguns historiadores acreditam que ela pode ter usado outro método, como veneno ou um punhal. A verdade sobre sua morte permanece um mistério.
  • Não foi a primeira Cleópatra do Egito: Ela era, na verdade, a sétima rainha a usar esse nome, uma tradição que começou com a conquista de Alexandre, o Grande.
  • Conheceu alguns dos maiores líderes da época: Além de Júlio César e Marco Antônio, Cleópatra também se encontrou com outros líderes importantes, como o rei Herodes da Judeia e Otaviano, que futuramente veio a ser o imperador Augusto.

Créditos de imagem

[1]  Eslam17 / Wikimedia Commons (reprodução)

[2]  Ángel M. Felicísimo / Wikimedia Commons (reprodução)

Fontes

FLAMARION, Ciro. O Egito Antigo. São Paulo: Brasiliense, 1990.

LIVERANI, Mario. O Antigo Oriente. São Paulo: EDUSP, 2014.

Por Tiago Soares Campos

Você pode se interessar também

História

Anúbis

História

Arte egípcia

História

Egito Antigo

História

Faraó

Últimos artigos

Sedentarização

A sedentarização foi o processo por meio do qual os humanos abandonaram o nomadismo, fixando-se em uma localidade.

Comidas de Festa Junina

Algumas comidas de Festa Junina são: a pamonha, o milho cozido, o milho assado, a canjica, o curau, o arroz-doce, a paçoca, o mané pelado, o pé de moleque e o bolo de milho.

Lixiviação

Lixiviação é um processo de degradação do solo que consiste na retirada de seus nutrientes pela percolação da água, o que reduz sua fertilidade e pode levar à desertificação.

Ciclo do Café

O ciclo do café foi o ciclo econômico em que o café predominou na economia brasileira. Iniciou em meados do século XIX, estendendo-se até metade do século XX.