Qual matéria está procurando ?

História

História

Ciclo da borracha

O ciclo da borracha foi um ciclo econômico que existiu no Brasil entre as décadas de 1880 e 1910 na região amazônica envolvendo a produção de borracha por meio do látex.

Látex sendo extraído de árvore A borracha exportada pelo Brasil era produzida por meio da extração do látex.

O ciclo da borracha foi um ciclo econômico que aconteceu na região Norte do Brasil entre as décadas de 1880 e 1910. Esse ciclo se caracterizou pela extração de látex das seringueiras presentes na região amazônica para produção de borracha visando atender às demandas do mercado internacional por essa mercadoria.

Com o ciclo da borracha, milhares de pessoas se mudaram para a região amazônica, e cidades como Manaus e Belém cresceram rapidamente. Suas populações aumentaram de tamanho, e a prosperidade trouxe grande infraestrutura para ambas as cidades. O ciclo da borracha teve fim por causa da concorrência com a borracha produzida na Ásia.

Leia também: Pau-brasil — árvore que deu início ao primeiro grande ciclo econômico no Brasil

Resumo sobre o ciclo da borracha

  • O ciclo da borracha foi um ciclo econômico que aconteceu na região Norte do Brasil.

  • Ficou marcado pela extração de látex e produção de borracha.

  • Atraiu milhares de pessoas para a região amazônica, principalmente vindas do Ceará.

  • Contribuiu para o crescimento e o enriquecimento de cidades como Manaus e Belém.

  • Teve fim por causa da concorrência com a borracha produzida na Ásia.

O que foi o ciclo da borracha?

O ciclo da borracha foi um dos ciclos econômicos da história brasileira, sendo que ele se deu com base na exportação da borracha produzida no Brasil. Esse produto era produzido por meio da extração do látex, obtido da seringueira, uma árvore encontrada em grande abundância na região amazônica.

Esse ciclo foi o responsável por atrair milhares de trabalhadores para a região amazônica a fim de trabalhar na extração do látex e contribuiu para fazer da borracha o segundo item mais exportado do Brasil entre as décadas de 1880 e 1910. O desenvolvimento dessa atividade econômica também promoveu grande desenvolvimento em grandes cidades do Norte, principalmente Manaus e Belém.

Importância da borracha

A produção da borracha e o seu consumo em larga escala são resultado das mudanças causadas pelo desenvolvimento tecnológico e industrial que aconteceu no final do século XIX. A borracha se tornou um item fundamental na produção de inúmeras mercadorias, além de ser um componente essencial dos carros e bicicletas, grandes novidades do final do século XIX.

A importância cada vez maior da borracha fez com que inúmeros fabricantes dedicassem esforços para desenvolver os melhores métodos de produção da borracha. O principal desafio era fazer a borracha manter suas propriedades elásticas com as variações do clima, e isso foi alcançado graças ao processo de vulcanização, desenvolvido por Charles Goodyear em 1844.

Com essa inovação, o consumo da borracha aumentou exponencialmente, e isso fomentou a exploração do látex no Brasil para a produção da borracha. Entretanto, a atividade só se acentuou consideravelmente no Norte do Brasil a partir da década de 1880.

Ciclo da borracha na Amazônia

Teatro Amazonas, em Manaus.
A cidade de Manaus cresceu bastante com a prosperidade proporcionada pela exportação da borracha. [1]

A partir de 1880, o aumento do consumo da borracha no mercado internacional impulsionou a produção dessa mercadoria no Brasil. A região amazônica era marcada pela grande abundância de Hevea brasiliensis, a seringueira, árvore da qual é obtido o látex, a matéria-prima da borracha. Com isso, milhares de pessoas foram atraídas para atuar na extração desse insumo.

O historiador Boris Fausto afirma que só entre 1890 e 1900 a população da região amazônica aumentou em cerca de 110 mil pessoas.|1| A maioria dos indivíduos que foram para a região trabalhar com o látex e com a borracha eram pessoas do Ceará. Acredita-se que esse grande fluxo tenha sido causado pelas fortes secas que atingiram o Ceará no final do século XIX.

Essas pessoas eram transportadas para a Amazônia em condições bastante ruins, e os trabalhadores nos seringais ficavam à mercê dos interesses de seus patrões. De qualquer forma, o grande número de indivíduos que se mudaram para a região amazônica contribuiu para o crescimento acelerado de muitas cidades.

Comunidades ribeirinhas se desenvolveram ou surgiram por conta da exploração dos seringais, e grandes cidades, como Manaus e Belém, cresceram rapidamente. A cidade de Belém, por exemplo, viu sua população aumentar de 50 mil para 96 mil de 1890 a 1900. Além do crescimento populacional, Manaus e Belém presenciaram um grande desenvolvimento em infraestrutura.

A prosperidade proporcionada pelo ciclo da borracha fez com que teatros, palácios, cinemas, prédios e outras construções fossem realizadas em ambas as cidades. Além disso, elas passaram a contar com energia elétrica, linhas de bondes elétricos, serviços de telefonia, água encanada, sistema de esgoto, iluminação pública com energia elétrica etc.

Isso fez das duas cidades as mais avançadas em questão de infraestrutura do país no começo do século XX. A prosperidade se justificava pelo fato de a borracha ser o segundo item mais exportado do Brasil e pelo fato de o principal comprador da borracha brasileira ser a Inglaterra, que pagava em libras esterlinas.

A importância do item pode ser medida pelas estatísticas, uma vez que entre 1898 e 1910, 25,7% das exportações brasileiras haviam sido de borracha. Esse é um número expressivo, já que esse produto ficava atrás apenas do café, que representava 52,7% das exportações do Brasil.|2| Outro dado que evidencia o volume das exportações é o fato de que somente em 1910, 40 mil toneladas de borracha foram exportadas pelo Brasil.|3|

Leia também: As primeiras lavouras de cana-de-açúcar no Brasil — o início do ciclo do açúcar

Crise do ciclo da borracha

A partir de 1912, o ciclo da borracha no Brasil entrou em decadência. Isso se explica por conta da concorrência internacional. Ingleses e holandeses conseguiram cultivar seringueiras em suas colônias na Ásia e foram responsáveis por produzir borracha de boa qualidade com preços muito melhores do que os oferecidos pelo Brasil.

Com isso, essa atividade econômica em território nacional entrou em decadência rapidamente. Em 1915, a borracha produzida na Ásia já controlava 68% do mercado internacional.|4| Com essa decadência, a economia na região amazônica sentiu forte impacto e também entrou em declínio. Isso porque não houve nenhum tipo de investimento na diversificação das atividades econômicas na Amazônia, que ficou dependente do dinheiro oriundo da borracha.

Na década de 1940, houve um segundo ciclo da borracha, que foi incentivado pelo consumo norte-americano durante a Segunda Guerra Mundial, sobretudo quando o Japão tomou o controle da produção do item na Ásia. Mas esse segundo ciclo perdeu força quando a guerra se encerrou, em 1945.

Notas

|1| FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Edusp, 2013, p. 250-51.

|2| Idem, p. 250.

|3| Ciclo Econômico da Borracha. Para acessar, clique aqui.

|4| FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Edusp, 2013, p. 251.

Créditos da imagem:

[1] Matyas Rehak e Shutterstock

Por Daniel Neves Silva

Você pode se interessar também

História

As Primeiras Lavouras de Cana-de-açúcar do Brasil

História

Origem do café no Brasil

História

Pau-brasil

História

República Velha (Primeira República)

Últimos artigos

Epiglote

Epiglote é uma estrutura cartilaginosa que atua como uma válvula. Essa válvula se fecha durante o ato de engolir, impedindo que o alimento entre na via respiratória.

Héstia

Héstia era uma divindade presente nos mitos gregos, considerada a personificação da lareira. Era a deusa do lar, da hospitalidade e da vida doméstica.

Papiro

Papiro é uma planta aquática que era encontrada ao longo do rio Nilo e utilizada para a fabricação de uma superfície para registro de textos.

Hades

Hades era um dos deuses mais tradicionais de toda a mitologia grega, conhecido como senhor do submundo, local para onde iam as almas dos mortos para os gregos.