Qual matéria está procurando ?

História

História

Ataque a Pearl Harbor

Aprenda como foi o ataque a Pearl Harbor, responsável pela destruição de parte da frota americana e pela entrada dos EUA na Segunda Guerra.

O ataque a Pearl Harbor foi o primeiro ato de agressão sofrido pelos Estados Unidos no contexto da Segunda Guerra Mundial. Ocorrido em 7 de dezembro de 1941, ele foi organizado pela Marinha Japonesa, e seu planejamento ficou a cargo do almirante Yamamoto. O ataque a essa base americana resultou no início do conflito entre Estados Unidos e Japão, que ficou conhecido como Guerra do Pacífico.

Japão e Estados Unidos antes do ataque

O ataque a Pearl Harbor, que ocorreu no contexto da Segunda Guerra Mundial, foi o responsável pela entrada dos Estados Unidos na guerra. Não havia por parte da população norte-americana interesse em participar desse conflito, diferentemente do Japão, que havia anos esperava por um confronto direto com os Estados Unidos e, desde 1937, estava em guerra contra a China.

Durante as décadas de 1920 e 1930, o Japão manifestava uma forte onda nacionalista que defendia ideais de exaltação aos valores nacionais, além de uma vontade imperialista de expandir suas posses e interesses para as nações vizinhas na Ásia.

Nesse período, vários grupos políticos no Japão defenderam a formação de um forte exército para dominar os povos que eles consideravam “inferiores” (como os chineses) e formar colônias japonesas nesses locais. Os Estados Unidos não viam com bons olhos esses projetos de expansão territorial e, assim, atuou contra os interesses japoneses nessas regiões. Por causa disso, uma série de intelectuais japoneses passaram a defender a ideia de uma guerra direta contra os norte-americanos.

Ataque a Pearl Harbor

O ataque japonês foi planejado pelo almirante Isoroku Yamamoto, e seu objetivo era a destruição completa da frota americana que estava estacionada na base naval de Pearl Harbor, no Havaí. Mesmo fazendo parte do projeto de ataque, Yamamoto não era a favor do conflito contra os Estados Unidos, pois acreditava que o Japão não possuía os recursos necessários para uma guerra contra os norte-americanos.

Semanas antes da ofensiva japonesa, os Estados Unidos tinham muitas evidências de que um ataque japonês poderia acontecer a qualquer momento, porém, quando o Japão atacou Pearl Harbor, a frota naval americana foi pega totalmente despreparada. Os japoneses usaram submarinos e mais de 400 aviões nesse ataque, o que resultou em grande destruição para a frota americana: vários encouraçados (navios de combate) afundaram, outros ficaram muito danificados e mais de 2400 fuzileiros morreram, além de muitos outros ficarem feridos.

Apesar de resultar em grande destruição, o ataque japonês não conseguiu acabar por completo com a frota americana e também não conseguiu destruir os importantes estoques de combustíveis. Um dia depois ao ataque, os Estados Unidos declararam guerra ao Japão, e a nação foi mobilizada contra o inimigo que acabava de surgir.

Aproveite para conferir a nossa videoaula relacionada ao assunto:

Foto tirada de um avião japonês durante o ataque a Pearl Harbor em 1941 Foto tirada de um avião japonês durante o ataque a Pearl Harbor em 1941
Por Daniel Neves Silva

Você pode se interessar também

História

O Brasil na Segunda Guerra Mundial

História

As bombas atômicas lançadas sobre o Japão

História

Segunda Guerra Mundial

Últimos artigos

Hititas

Os hititas foram um povo indo-europeu que se estabeleceu na Anatólia e formou um reino a partir de 1650 a.C., sendo uma das maiores forças da Antiguidade oriental.

Idade Contemporânea

Idade Contemporânea é um dos períodos nos quais a História humana divide-se. Segundo os historiadores, essa idade iniciou-se com a queda da Bastilha, em 1789.

Guerra do Peloponeso

Guerra do Peloponeso foi um conflito travado entre Esparta e Atenas, cada uma apoiada por seus respectivos aliados, e o que estava em jogo era a hegemonia da Grécia.

Medidas de volume

Utilizamos o volume para calcular o espaço ocupado por uma determinada matéria. Assim, é necessário desenvolver unidades de medidas de volume, como o metro cúbico.