Domínios morfoclimáticos

  • Atualmente 0/5 Estrelas.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Domínios morfoclimáticos O domínio amazônico é constituído por áreas florestais de baixa altitude e declividade
Por Thamires Olimpia Silva
PUBLICIDADE

Os domínios morfoclimáticos dizem respeito a uma classificação do meio ambiente brasileiro elaborada pelo geógrafo Aziz Ab'Saber em 1970. Essa classificação utiliza como critério para dividir o espaço natural do país as características do relevo, clima, solo, vegetação e ocupação humana.

Como o Brasil possui uma extensão territorial de dimensões continentais e está localizado na zona tropical, apresenta uma grande diversificação natural, o que permite a sua divisão em diferentes regiões. De acordo com Ab'Saber, o meio natural brasileiro pode ser dividido em:

  • Domínio Amazônico:

É o maior domínio morfoclimático do Brasil, ocupa cerca de 40% do território brasileiro e abrange a maior parte dos estados de Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Amapá, Pará e parte do Maranhão, Tocantins e Mato Grosso.

Apresenta um relevo, relativamente, de baixa altitude, que é composto por planaltos, depressões e algumas planícies aluviais (planície formada pelo acúmulo de sedimentos transportados por rios). A rede de drenagem nessa região é muito rica, pois abrange toda a região da bacia hidrográfica do rio Amazonas no Brasil, área por onde circula cerca de 20% de toda a água do mundo. Seu potencial hidrelétrico é grande nos rios afluentes (cursos d'água que deságuam em um rio principal) ao Rio Amazonas que se localizam em áreas de planalto e quase inexistente no rio principal, que está localizado em uma área de planície.

A vegetação florestal é muito densa e composta por árvores de pequeno, médio e grande porte que podem chegar a mais de 60 metros de altura. O clima característico dessa região é o equatorial, em que predominam as altas temperaturas, pouca amplitude térmica e bastante umidade, com chuvas bem distribuídas no ano todo.

Originalmente, o solo da região é pobre em nutrientes e, por isso, de baixa fertilidade. Porém, em virtude da grande quantidade de matéria orgânica que é depositada no solo diariamente pela floresta Amazônica, essa baixa fertilidade é corrigida, permitindo, assim, a existência dessa formação vegetal na região.

Apesar disso, essa baixa fertilidade do solo compromete o desenvolvimento de atividades agrícolas na região, pois, para realizar esse tipo de atividade, é preciso desmatar a vegetação original, o que diminui a concentração de matéria orgânica no solo, que se torna novamente de baixa fertilidade.

A ocupação humana na região é a menor do país. Atualmente, mesmo não sendo indicado, tem sido cada vez mais frequente o desmatamento da vegetação natural para exploração de madeira ou implantação de atividades agropecuárias e de extrativismo mineral.

  • Domínio do Cerrado:

Com cerca de dois milhões de quilômetros quadrados, o Cerrado é o segundo maior domínio do Brasil. Localiza-se em uma região de relevos planálticos, no planalto central do país, com diversas chapadas e chapadões. Como esse domínio natural está no interior do país, o tipo de clima predominante é o tropical típico ou tropical continental, em que predomina a alternância entre uma estação seca e uma estação quente e úmida.

A vegetação, adaptada a essa alternância de estações, é composta por gramíneas, arbustos e árvores de pequeno porte, com galhos retorcidos e cascas grossas, que perdem parte das folhas durante a estação seca. Como o solo da região é pobre e ácido, para desenvolver qualquer prática agrícola nessa porção territorial, é necessário corrigir a acidez do solo a partir da adição de calcário (método de calagem).

A rede de drenagem da região é composta por diversos cursos d'água provenientes das bacias Tocantins-Araguaia, Paraná e Paraguai e também é influenciada pela alternância de estações que essa região possui. A ocupação humana intensificou-se bastante nas últimas décadas em razão da expansão da fronteira agrícola.

  • Domínio dos Mares de Morro:

Localiza-se nas regiões litorâneas do país, desde o Nordeste até o Sul, estendendo-se para parte do interior da região Sudeste. O relevo dessa região apresenta um aspecto ondulado, de altitudes relativamente elevadas, sendo rico em morros convexos (formas conhecidas como “meias-laranjas” viradas para baixo) com declividade elevada.

A vegetação florestal original era a Mata Atlântica, que foi praticamente toda devastada pela ocupação humana, visto que essa região foi a primeira a ser colonizada e é a que apresenta a maior densidade demográfica (média do número de pessoas residentes por unidade de área em uma dada localidade) do país.

O clima característico é o Tropical Atlântico, que é muito úmido, com chuvas bem distribuídas durante o ano todo e temperaturas médias que variam entre 20° e 24° C. Os solos, que variam bastante nessa região (desde solos muito arenosos a solos muito argilosos), possuem uma grande suscetibilidade à erosão em razão da grande declividade do terreno.

Como estão localizadas no domínio de Mares de Morro, a maior parte das cidades históricas de Minas Gerais possui um relevo com vários morros
Como estão localizadas no domínio de Mares de Morro, a maior parte das cidades históricas de Minas Gerais possui um relevo com vários morros

  • Domínio das Caatingas:

Localiza-se na região Nordeste e em uma pequena extensão do Sudeste do Brasil. Abrange uma área de 1,1 milhão de quilômetros quadrados que envolve o estado do Ceará e parte dos estados da Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí e Minas Gerais.

O clima predominante é o semiárido, com altas temperaturas e chuvas escassas e irregulares, havendo grandes períodos de estiagem. A vegetação é composta por arbustos, árvores de pequeno porte e raízes profundas e plantas xerófilas (adaptadas à baixa umidade). Essa vegetação, que só é encontrada no Brasil, recebe o nome de Caatinga.

Geralmente, as áreas da Caatinga estão localizadas em regiões interplanálticas e apresentam um relevo composto por depressões e algumas regiões de planalto (chapadas e chapadões). Os solos são pouco profundos, ricos em minerais e argila e, geralmente, com alta concentração de sais minerais (solos salinos).

  • Domínio das Araucárias:

Predomina na região Sul do país em uma área de cerca de 400.000 quilômetros quadrados. A sua vegetação é rica em árvores da espécie Araucaria Angustifolia, conhecida como Araucária ou Pinheiro-do-Paraná. O clima é o subtropical úmido, com chuvas regulares o ano todo e uma temperatura mais amena, com médias anuais que variam entre 14ºC e 22°C.

Nessa região, predominam relevos planálticos (tabuleiros, planaltos basálticos e escarpas) e solos muito variados. A ocupação humana tem sido intensa na região, com o desenvolvimento de atividades agropecuárias modernas e cidades de pequeno, médio e grande porte. A exploração da vegetação original foi muito intensa, pois a madeira da Araucárias é muito valorizada.

  • Domínio das Pradarias:

Localiza-se no extremo sul do país, na região do sudoeste do Rio Grande do Sul, e estende-se pelo Uruguai e pela Argentina. A sua vegetação é composta quase que exclusivamente por gramíneas, com exceção das matas fluviais.

O clima predominante é o subtropical, muito úmido e com temperaturas amenas. O relevo é plano, levemente ondulado e composto por pequenas colinas (coxilhas).

Existe uma grande variedade de solos na região, que são constituídos principalmente pela decomposição de rochas basálticas, fato que proporciona a existência de solos relativamente férteis. Desde o século XVII a intensa produção de arroz, trigo e de soja tem contribuído para a arenização do solo (degradação do solo que provoca a formação de bancos de areia).


Por Thamires Olimpia
Graduada em Geografia

Avaliação

-


    Escola Kids