Disseminação da semente

  • Atualmente 4.2857142857143/5 Estrelas.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Disseminação da semente Esquilo ajudando a disseminar as sementes.
PUBLICIDADE

Muitas plantas que conhecemos são capazes de formar flores e frutos. Os frutos são, na verdade, o resultado de transformações que ocorrem na flor, após sua fecundação.
 


A maioria dos frutos possui sementes em seu interior, protegendo essa estrutura. Alguns possuem substâncias açucaradas, assim como um cheiro gostoso e cor atrativa. Assim, chamam a atenção de pessoas da nossa espécie e de outros animais.

Dependendo do fruto, podemos eliminar suas sementes, como costumamos fazer com o mamão. Dependendo de onde a semente for lançada, ela pode se desenvolver, dando origem a uma nova planta.

Algumas sementes costumam ser ingeridas junto com o fruto. Assim, ao defecar (fazer cocô), o animal libera essas estruturas em locais geralmente bem distantes da planta que deu origem ao fruto que foi comido.

Há também casos em que, acidentalmente, o animal deixa o fruto cair em local diferente de onde o colheu.
 


Outro exemplo curioso é o caso da cotia, que tem o hábito de enterrar os frutos que encontra. Alguns ela desenterra para comer e outros não, propiciando a germinação da semente.

Esse espalhamento de sementes é chamado de dispersão ou disseminação. Quando ela é feita por animais, é chamada de zoocoria.

A zoocoria também pode ocorrer sem estar relacionada à alimentação do animal. Alguns frutos, como o carrapicho, possuem estruturas que grudam facilmente no pelo de animais (e também na nossa roupa). Isso permite com que sejam transportados para outros locais.
 


Alguns frutos podem ser transportados pelo vento: é a anemocoria. Nesses casos, geralmente se trata de frutos leves e/ou pequenos. Há também aqueles que possuem estruturas semelhante a asas, facilitando seu transporte pelo vento.
 


Um outro caso de dispersão da semente é o que acontece com o coco-da-baía. Ele possui estruturas que permitem com que flutue. Assim, pode ser levado pela correnteza sem afundar, encontrando novos territórios para sua semente germinar. A dispersão pela água é chamada hidrocoria.

Para finalizar, algumas plantas são capazes de espalhar suas próprias sementes, com bastante eficiência. É o caso da mamoneira, que estoura e arremessa para longas distâncias as sementes que estão dentro do seu fruto (mamona). A dispersão feita dessa forma é chamada de autocoria.



 

Por Mariana Araguaia
Bióloga, especialista em Educação Ambiental
Equipe Brasil Escola

Avaliação

8.6


    Escola Kids