Qual matéria está procurando ?

Matemática

Matemática

Ângulos colaterais internos e externos

Clique e descubra o que são ângulos colaterais internos e externos e saiba como localizá-los em duas retas paralelas cortadas por uma transversal.

A posição dos ângulos formados por retas paralelas e uma transversal define se são colaterais internos ou externos A posição dos ângulos formados por retas paralelas e uma transversal define se são colaterais internos ou externos

Ângulos colaterais internos e externos são observados no encontro de uma reta transversal com duas retas paralelas. As palavras “colaterais”, “internos” e “externos” dizem respeito às posições ocupadas por esses ângulos em relação à reta transversal e às retas paralelas.

Lembre-se de que duas retas são chamadas de paralelas quando não existe nenhum ponto de encontro entre elas em toda a sua extensão e que as retas são infinitas para duas direções.

Região interna e externa

Dadas duas retas paralelas, duas regiões podem ser observadas: a interna e a externa. A região interna é o espaço que fica entre as duas retas, e qualquer ângulo aí, dentro do tema “ângulos colaterais internos e externos”, é chamado de ângulo interno.

A figura a seguir representa o espaço entre duas retas paralelas.

Já a região externa é o conjunto de pontos exteriores a duas retas paralelas, ou seja, é a região que não é interna. A figura a seguir ilustra a região externa de duas retas paralelas.

Ângulos na região externa, também dentro desse tema, são chamados de ângulos externos.

Reta transversal

A reta transversal possui uma propriedade: se uma reta t corta uma reta r, que por sua vez é paralela a uma reta s, então a reta t também corta a reta s.

Supondo que a reta seja transversal às retas r e s, que são paralelas, sempre poderemos observar a formação de oito ângulos, quatro deles na região interna – por isso chamados ângulos internos – e quatro deles na região externa – por isso chamados ângulos externos.

Ângulos colaterais internos e externos

Dos oito ângulos formados nas duas retas paralelas cortadas por uma transversal, observe os quatro ângulos internos: dois deles estão do lado direito e os outros dois estão do lado esquerdo da reta transversal. Esses dois ângulos na região interna de duas retas paralelas, e que ao mesmo tempo estão em um mesmo lado com relação à reta transversal, são chamados colaterais internos.

Note que a palavra “colaterais” é usada justamente porque os ângulos estão de um mesmo lado. Além disso, a palavra “internos” é usada porque os ângulos se encontram na região interna das duas retas paralelas.


Exemplo de ângulos colaterais internos

O mesmo vale para ângulos colaterais externos, com a diferença de que os ângulos se encontram na região externa das retas paralelas.


Exemplo de ângulos colaterais externos

Propriedade

Dois ângulos que são colaterais internos e dois ângulos que são colaterais externos possuem a mesma propriedade:

Ângulos colaterais internos são suplementantes.

Em outras palavras, a soma entre dois ângulos que são colaterais internos resulta sempre em 180°, assim como a soma de dois ângulos que são colaterais externos resulta nessa mesma medida.



Videoaulas relacionadas:

Por Luiz Paulo Moreira Silva

Você pode se interessar também

Matemática

Classificação dos triângulos

Matemática

Condição de existência de um triângulo

Matemática

Estudo da Reta, Segmento de Reta e Semirreta

Matemática

Retas paralelas cortadas por uma transversal

Últimos artigos

Brincadeiras juninas

As brincadeiras juninas são uma das partes mais divertidas da Festa Junina. A seguir, você verá dicas de 15 dessas brincadeiras!

Sedentarização

A sedentarização foi o processo por meio do qual os humanos abandonaram o nomadismo, fixando-se em uma localidade.

Comidas de Festa Junina

Algumas comidas de Festa Junina são: a pamonha, o milho cozido, o milho assado, a canjica, o curau, o arroz-doce, a paçoca, o mané pelado, o pé de moleque e o bolo de milho.

Lixiviação

Lixiviação é um processo de degradação do solo que consiste na retirada de seus nutrientes pela percolação da água, o que reduz sua fertilidade e pode levar à desertificação.