Qual matéria está procurando ?

Matemática

Matemática

Ângulos colaterais internos e externos

Clique e descubra o que são ângulos colaterais internos e externos e saiba como localizá-los em duas retas paralelas cortadas por uma transversal.

Ângulos colaterais internos e externos são observados no encontro de uma reta transversal com duas retas paralelas. As palavras “colaterais”, “internos” e “externos” dizem respeito às posições ocupadas por esses ângulos em relação à reta transversal e às retas paralelas.

Lembre-se de que duas retas são chamadas de paralelas quando não existe nenhum ponto de encontro entre elas em toda a sua extensão e que as retas são infinitas para duas direções.

Região interna e externa

Dadas duas retas paralelas, duas regiões podem ser observadas: a interna e a externa. A região interna é o espaço que fica entre as duas retas, e qualquer ângulo aí, dentro do tema “ângulos colaterais internos e externos”, é chamado de ângulo interno.

A figura a seguir representa o espaço entre duas retas paralelas.

Já a região externa é o conjunto de pontos exteriores a duas retas paralelas, ou seja, é a região que não é interna. A figura a seguir ilustra a região externa de duas retas paralelas.

Ângulos na região externa, também dentro desse tema, são chamados de ângulos externos.

Reta transversal

A reta transversal possui uma propriedade: se uma reta t corta uma reta r, que por sua vez é paralela a uma reta s, então a reta t também corta a reta s.

Supondo que a reta seja transversal às retas r e s, que são paralelas, sempre poderemos observar a formação de oito ângulos, quatro deles na região interna – por isso chamados ângulos internos – e quatro deles na região externa – por isso chamados ângulos externos.

Ângulos colaterais internos e externos

Dos oito ângulos formados nas duas retas paralelas cortadas por uma transversal, observe os quatro ângulos internos: dois deles estão do lado direito e os outros dois estão do lado esquerdo da reta transversal. Esses dois ângulos na região interna de duas retas paralelas, e que ao mesmo tempo estão em um mesmo lado com relação à reta transversal, são chamados colaterais internos.

Note que a palavra “colaterais” é usada justamente porque os ângulos estão de um mesmo lado. Além disso, a palavra “internos” é usada porque os ângulos se encontram na região interna das duas retas paralelas.


Exemplo de ângulos colaterais internos

O mesmo vale para ângulos colaterais externos, com a diferença de que os ângulos se encontram na região externa das retas paralelas.


Exemplo de ângulos colaterais externos

Propriedade

Dois ângulos que são colaterais internos e dois ângulos que são colaterais externos possuem a mesma propriedade:

Ângulos colaterais internos são suplementantes.

Em outras palavras, a soma entre dois ângulos que são colaterais internos resulta sempre em 180°, assim como a soma de dois ângulos que são colaterais externos resulta nessa mesma medida.



Videoaulas relacionadas:

A posição dos ângulos formados por retas paralelas e uma transversal define se são colaterais internos ou externos A posição dos ângulos formados por retas paralelas e uma transversal define se são colaterais internos ou externos
Por Luiz Paulo Moreira Silva

Você pode se interessar também

Matemática

Ângulos opostos pelo vértice

Matemática

Soma dos ângulos internos de um triângulo

Matemática

Classificação dos triângulos

Matemática

Condição de existência de um triângulo

Últimos artigos

Idade Moderna

Idade Moderna foi um dos períodos da História, iniciando-se em 1453 e finalizando-se em 1789. Foi o período dos regimes absolutistas e do surgimento do capitalismo.

Animais onívoros

Animais onívoros são aqueles que podem alimentar-se de algas ou plantas e também de outros animais. Porcos e baratas são exemplos de animais onívoros.

Réveillon e Ano-Novo

O Réveillon e o Ano-Novo são datas comemorativas de final e início de ano e remetem a comemorações diferentes.

Revolução Praieira

A Revolução Praieira foi a última revolução provincial que aconteceu no Brasil durante o período monárquico e abalou Pernambuco, de 1848 a 1850.