Qual matéria está procurando ?

História

História

Unificação Italiana

Saiba como ocorreu o processo de Unificação Italiana e que importância isso teve para a Península Itália.

por Cláudio Fernandes
Entrada de Victor Emmanuel II no Palácio Madama, em Turin, 1860 Entrada de Victor Emmanuel II no Palácio Madama, em Turin, 1860

Em 1815, após o malogro de sua última investida bélica na Batalha de Waterloo, Napoleão Bonaparte deixou de ser imperador da França, definitivamente, sendo exilado na ilha de Santa Helena, ao Sul do Oceano Atlântico. O fim da Era Napoleônica provocou um movimento de retorno das bases do sistema absolutista, que haviam sido desintegradas pelas guerras promovidas por Napoleão. Um dos objetivos do Congresso de Viena (realizado em 1815) foi reconstruir essas bases. Todavia, várias regiões do continente europeu já haviam sido “contaminadas” com os ideais nacionalistas e liberais. A partir da década de 1840, muitas revoltas foram organizadas contra os resquícios de dominação absolutista. A Unificação Italiana esteve entre essas revoltas.

Até o fim dos anos 1860, a Itália não existia enquanto país. Havia, na Península Itálica, vários reinos isolados, muitos deles vivendo sob a tutela do Império Austríaco (um dos vitoriosos contra Napoleão). A região do Norte da Itália, onde se encontrava o reino do Piemonte, era a mais industrializada e com mais necessidade de expansão. A falta de unidade com os outros territórios italianos era um empecilho para Piemonte. Outro reino que ansiava pela unificação de todo o território italiano era o reino de Sardenha, uma das ilhas vinculadas à Itália.

Em 1847, houve a primeira tentativa, por parte do rei sardenho, Carlos Alberto, de unificar a Itália por meio de uma guerra contra as dominações austríacas. Apesar de não ter tido sucesso, a ação de Carlos Alberto despertou uma série de insurgências nos anos seguintes que culminou no processo de unificação. Um dos fatores cruciais para dar início a esse processo foi a união entre os reinos de Sardenha e Piemonte, em 1849. A chefia do reino sardo-piemontês foi conferida ao filho de Carlos Alberto, Victor Emmanuel II.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Victor Emmanuel II, ao lado do conde de Cavour e dos republicanos Giuseppe Mazzini e Giuseppe Garibaldi, foram as principais personagens da Unificação Italiana. O movimento por eles deflagrado ficou conhecido como “Risorgimento”, isto é, um ressurgimento de uma grande Itália. Garibaldi ficou conhecido por ser o comandante do exército dos “camisas vermelhas”.

Ao longo das décadas de 1850 e 1860, vários conflitos estouraram entre italianos (que passaram a receber o apoio dos franceses) e austríacos. Esses últimos foram definitivamente derrotados quando se envolveram também na guerra contra a Prússia, liderada por Otto von Bismarck, que tentava promover a Unificação da Alemanha. O Estado Nacional Italiano teve sua consolidação praticamente na mesma época em que foi feita a Unificação Alemã, na virada dos anos 1860 para 1870.

Aproveite para conferir a nossa videoaula sobre o assunto:

Você pode se interessar também

História

Tratado de Latrão

História

Era Napoleônica (1799-1815), a vitória burguesa

História

O Absolutismo na Europa Ocidental

Últimos artigos

Escandinávia

A Escandinávia é uma região que abrange a Península Escandinávia. Os países pertencentes a essa região assemelham-se cultural, histórica e politicamente.

Simón Bolívar

Simón Bolívar foi um dos nomes mais importantes da história sul-americana, tendo participação direta nas independências de países, como Venezuela e Colômbia.

Monarquia

Monarquia é a forma de governo mais antiga que existe no mundo, e atualmente mais de 40 países adotam-na sob dois modelos: constitucional e absoluto.

Marquês de Pombal

Marquês de Pombal ficou conhecido por ter sido o administrador de Portugal entre 1750 e 1777, promovendo reformas que fizeram parte do Reformismo Ilustrado.