Qual matéria está procurando ?

História

História

Expansão romana e o escravismo

Saiba mais sobre a expansão romana e como ela fortaleceu o escravismo.

Após as vitórias contra Cartago nas Guerras Púnicas (264-146 a.C.), houve uma grande expansão romana na região do Mar Mediterrâneo e no continente europeu, fazendo com que Roma criasse o maior império que havia existido em toda a Antiguidade. Em cinco séculos, Roma havia estendido seus domínios na Europa, no norte da África e na Ásia.

Entretanto, a expansão romana gerou mudanças internas na organização da sociedade. Antes da intensificação da expansão territorial, boa parte do trabalho agrícola em Roma era realizada por homens livres, camponeses em sua maioria. Mas como o processo expansionista necessitava de um exército cada vez maior, os soldados eram recrutados entre os camponeses, deixando as terras com pouca mão de obra para trabalhá-la.

Por outro lado, as conquistas de novos territórios resultavam na escravização dos povos que habitavam esses locais. Os escravos eram usados principalmente em trabalhos agrícolas e nas minas, mas também em atividades nas cidades, como artesanato e comércio.

Essas conquistas resultavam ainda no aumento da quantidade de terras que pertenciam aos latifundiários, que precisavam de um número cada vez maior de escravos para nelas trabalhar, pois além do aumento de suas dimensões, o número de pessoas livres disponível para o trabalho diminuía, já que eram recrutadas para o exército.

Com esse processo, o escravismo romano tornou-se a base de sustentação da sociedade que havia se originado na Península Itálica. Os escravos eram usados principalmente nos trabalhos das minas e na agricultura, mas também havia escravos que conseguiam grande prestígio entre os patrícios (a classe dominante em Roma), trabalhando como médicos ou arquitetos, por exemplo.

Apesar de haver pessoas livres trabalhando nos campos dos territórios romanos, grande parte da população dirigia-se às cidades, principalmente depois da participação nas guerras. Durante as campanhas militares, os pequenos proprietários perdiam suas terras para os latifundiários, resultando no aumento do número de habitantes nas áreas urbanas. Nas cidades, as condições de vida eram péssimas para a imensa maioria das pessoas, já que viviam amontoadas nos bairros pobres, sem condições de higiene e de saúde, gerando epidemias e violência.

A vida dos escravos nas minas e nos campos também não era das melhores, longas jornadas de trabalho, castigos físicos e outras punições eram práticas constantes. Porém, em alguns momentos, os escravos rebelaram-se contra essa situação. Uma das rebeliões ocorreu na Sicília, uma ilha ao sul da Península Itálica. Entre 136 e 132 a.C., os escravos rebelaram-se, tomaram uma cidade e proclamaram como seu rei um escravo de nome Euno, mas foram derrotados por tropas do exército romano.

Estátua de Espártaco, líder da rebelião de escravos que levou seu nome. *

A mais famosa das revoltas escravas ocorreu sob a liderança do escravo gladiador Espártaco. Ocorrida na Península Itálica, a revolta de Espártaco reuniu cerca de 90 mil pessoas, entre 73 e 71 a.C.. Em muitos momentos, tropas romanas foram derrotadas pelos escravos que pretendiam sair da península. Porém, depois de uma traição, Espártaco e os outros escravos foram vencidos pelo exército romano, que executou e castigou a maioria dos participantes.

Apesar de nos chegar aos dias atuais uma impressão de exuberância e beleza da civilização romana, sua construção aconteceu pela escravização dos povos que foram conquistados.

––––––––

* Crédito da Imagem: pseudolongino e Shutterstock.com

Aproveite para conferir a nossa videoaula relacionada ao assunto:

Estátua representando um militar romano com seus prisioneiros, que seriam transformados em escravos Estátua representando um militar romano com seus prisioneiros, que seriam transformados em escravos
Por Tales Pinto

Você pode se interessar também

História

Poder e instituições políticas romanas

História

Império Romano, um resumo

História

Política na República Romana

História

O poderoso exército romano

Últimos artigos

Dízima periódica

Uma dízima periódica é um número que possui sua parte decimal infinita e periódica

Período Helenístico

Período Helenístico foi iniciado com a conquista da Grécia pelos macedônicos e ficou marcado pela difusão da cultura grega a partir do reinado de Alexandre, o Grande.

Império Carolíngio

Império Carolíngio foi a continuidade do Reino dos Francos sob o controle da Dinastia Carolíngia, iniciada por Pepino, o Breve em meados do século VII.

Civilização Micênica

Civilização Micênica foi uma das grandes civilizações do período de formação do povo grego, conhecida por suas grandes cidades fortificadas e pelo seu bom comércio.