Qual matéria está procurando ?

História

História

Conquista dos astecas

Entenda como se deu a conquista dos astecas a partir da liderança do espanhol Hernán Cortés em 1521.

Os astecas eram uma civilização mesoamericana que vivia na região do atual México e Guatemala. Eles mantinham um controle de uma vasta região e de grande quantidade de população por uma relação de vassalagem. Os povos conquistados pelos astecas eram obrigados a pagar impostos e constantemente eram atacados e levados como prisioneiros a fim de serem usados em sacrifícios humanos aos deuses astecas. O domínio asteca chegou ao fim em 1521 a partir da conquista realizada pelos espanhóis liderados por Hernán Cortés.

Expedição de Hernán Cortés e os primeiros contatos

A expedição de Hernán Cortés saiu de Cuba em fevereiro de 1519 com aproximadamente 500 homens distribuídos em onze navios. Esse grupo rumou em direção à Península de Iucatã no México, desembarcou e estabeleceu-se em Cempoala, uma cidade habitada pelos totonacas. O objetivo de Cortés era a conquista dos astecas e a obtenção de riquezas.

Os contatos iniciais de Cortés com os emissários de Montezuma (imperador asteca) foram pacíficos por meio de bastante troca de presentes. Montezuma também conhecido como Montezuma II – era o imperador asteca desde 1502 e comandava uma vasta região populosa a partir do poderio militar e da imposição de pesados impostos.

A comunicação com os emissários astecas foi intermediada por Malinche, nativa que trabalhava para Cortés e que falava nahuatl (idioma asteca) e espanhol. Durante o contato com esses emissários, o líder espanhol havia deixado claro a intenção de ir até Tenochtitlán (capital asteca), porém, Montezuma recusava-se a recebê-lo.

As ações de Cortés para promover a conquista do Império Asteca começaram pela cooptação de outros povos nativos contra os astecas. Primeiramente, o líder espanhol convenceu os totonaques a aliarem-se a ele. Os totonaques viram na aliança com os espanhóis uma maneira de livrar-se dos tributos que eram obrigados a pagar aos astecas.

A marcha rumo a Tenochtitlán

A partir disso, Cortés fundou a cidade de Veracruz nas proximidades de Cempoala e, juntamente aos totonaques, partiu em direção à capital asteca: Tenochtitlán. Durante o percurso, lutaram contra o principal adversário dos astecas: os tlaxcaltecas, uma tribo independente que não havia sido sujeitada aos astecas.

O imperador asteca, Montezuma, via nos tlaxcaltecas uma esperança para conter os espanhóis. No entanto, os espanhóis e os guerreiros totonacas liderados por Cortés venceram a batalha e subjugaram esse povo. Assim, Cortés convenceu os tlaxcaltecas a aliarem-se a ele e lutarem contra os astecas. O líder espanhol ganhou, então, um poderoso aliado.

Os espanhóis, por fim, receberam a autorização de Montezuma para entrar em Tenochtitlán. Os relatos da época retrataram o espanto dos europeus com a grandiosidade da capital asteca – projeções afirmam que Tenochtitlán possuía mais de 200 mil habitantes em 1519. À época, essa cidade localizava-se em uma ilha no meio do lago Texcoco, que não existe mais hoje em dia.

Conquista de Tenochtitlán

Após entrar na capital asteca em novembro de 1519, Cortés foi obrigado a retornar à Veracruz, porém, deixou alguns homens como reféns com o imperador Montezuma. Quando retornou, encontrou a cidade em rebelião e foi obrigado a fugir. Esse evento ficou conhecido como La Noche Triste (traduzido do espanhol como “A Noite Triste”), no qual 50% da força de Cortés foi assassinada. Durante a revolta, o imperador Montezuma foi morto ao ser acertado por uma pedra.

Cortés reorganizou suas forças e atacou a cidade de Tenochtitlán novamente em agosto de 1521. Lá, encontrou a cidade enfraquecida por um surto de varíola. Os combates entre espanhóis e seus aliados indígenas contra os astecas foram brutais segundo os relatos, no entanto, a vitória foi espanhola. O novo imperador asteca, chamado Cuauhemoc, foi feito refém. A partir da queda da capital, os espanhóis realizaram a conquista dos territórios ocupados pelos astecas.

Razões da conquista

A rápida queda dos astecas para um número limitado de espanhóis foi alvo de intenso debate entre os historiadores. A conclusão atualmente estipula que a vitória espanhola sobre uma civilização tão organizada como a asteca explica-se pelas seguintes razões:

  1. Superioridade dos armamentos espanhóis;

  2. Atuação das doenças contagiosas, que mataram inúmeros indígenas;

  3. Aliança com outros povos indígenas (no caso de Cortés, essas alianças foram com os totonacas e os tlaxcaltecas).

Além disso, atribui-se a vitória espanhola à ação estratégica de Cortés de cooptar aliados a seu favor e tomar decisões que contribuíram para o enfraquecimento dos astecas, como as que foram tomadas em batalha.

* Créditos da imagem: Fabio Imhoff e Shutterstock

 Aproveite para conferir as nossas videoaulas relacionadas ao assunto:

Ruínas de um dos principais templos astecas da cidade de Tenochtitlán, o Templo Mayor * Ruínas de um dos principais templos astecas da cidade de Tenochtitlán, o Templo Mayor *
Por Daniel Neves Silva

Você pode se interessar também

História

Descobrimento da América

História

Colonização do Brasil

História

Colonização francesa nas Américas

História

Fases da colonização do Brasil

Últimos artigos

Lobisomem

O lobisomem é um homem amaldiçoado com a condição de se transformar em um ser violento, que é metade homem e metade lobo, todas as noites de lua cheia.

Sarampo

O sarampo é uma virose que pode desencadear complicações e até mesmo a morte. Causa febre, manchas no corpo e mal-estar.

Bicho-preguiça

Bicho-preguiça, também conhecido apenas por preguiça, é um animal vertebrado, mamífero, pertence à superordem Xenarthra, e habita desde a América Central até a América do Sul.

USMCA

A nova atualização do acordo trilateral entre Estados Unidos, México e Canadá foi chamada de USMCA. Esse acordo representa uma modernização da zona de livre comércio.