Qual matéria está procurando ?

História

História

História da Feijoada

Conheça a História da Feijoada e o modo como ela se associa à História do Brasil.

Por muito tempo houve uma crença disseminada de que a feijoada era um prato genuinamente pertencente à culinária brasileira. E mais que isso: houve uma narrativa, articulada a partir dessa crença, que dizia ter sido a feijoada um tipo de culinária desenvolvido exclusivamente no âmbito das senzalas pelos escravos.

Essa narrativa acrescentava ainda que, na falta de alimentos mais consistentes e de qualidade, os escravos produziam uma espécie de cozido, cuja base era o feijão preto, no qual introduziam restos das carnes de animais – em especial, o porco –, como vísceras, orelhas, focinho, etc. Para dar maior consistência ao cozido, os escravos ainda acrescentavam alguns legumes, verduras e folhas, como a couve.

Entretanto, alguns pesquisadores que se debruçaram sobre a história da alimentação no Brasil, tais como Carlos Augusto Didati, contestaram essa versão da história da feijoada. Além de fornecer o apontamento de que a feijoada, ou o tipo de cozido que leva feijão, carnes e outros ingredientes, já era um prato muito consumido na região sul da Europa, incluindo os países ibéricos, como Portugal, esses pesquisadores também apontaram para o fato de que a nutrição dos escravos no Brasil não poderia ser precária, tal como se asseverou outrora.

Além disso, a alimentação dos escravos tinha como elementos principais o milho (do qual se obtinha variados pratos, incluindo o angu), a mandioca, vários tipos de legumes e o feijão, que era consumido, a rigor, apenas temperado com sal e gordura e com rara presença de carnes acrescidas ao seu cozimento.

As pesquisas históricas mais recentes indicam que um prato como a feijoada só poderia ser, de fato, preparado e consumido por quem tinha condições sociais mais abastadas e um repertório de culinária mais amplo; provavelmente, pessoas que frequentavam a corte na cidade do Rio de Janeiro. Esse prato, diga-se de passagem, era anunciado nos restaurantes sempre com uma alusão de que já existia fora do país, portanto, a “nossa feijoada” era um prato adaptado, como pode ser visto neste anúncio do Jornal do Comércio, de 1849, cujo título é Feijoada à Brasileira:

Na casa de pasto junto ao botequim da Fama do Café com Leite, tem-se determinado que haverá em todas as semanas, sendo às terças e quintas-feiras, a bela feijoada, a pedido de muitos fregueses. Na mesma casa continua-se a dar almoços, jantares e ceias para fora, com o maior asseio possível, e todos os dias há variedade na comida. À noite há bom peixe para a ceia.” (Jornal do Comércio, 5 de Janeiro de 1849.)

Esses esclarecimentos sobre a história da feijoada não querem dizer, contudo, que ela não seja um dos pratos típicos do Brasil, haja vista que se tornou um dos mais apreciados entre o povo brasileiro, seja qual for a classe social. Esses esclarecimentos dizem apenas que a feijoada não é um prato genuinamente, isto é, plena e exclusivamente, desenvolvido aqui no Brasil.


Por Me. Cláudio Fernandes

Acima, um típico cozido de feijoada Acima, um típico cozido de feijoada
Por Cláudio Fernandes

Você pode se interessar também

Datas Comemorativas

Como ficou a vida dos escravos após a Lei Áurea?

História

Imigração e alimentação no Brasil

História

Os Negros Trazidos para o Brasil

Últimos artigos

Medidas de volume

Utilizamos o volume para calcular o espaço ocupado por uma determinada matéria. Assim, é necessário desenvolver unidades de medidas de volume, como o metro cúbico.

Sólidos geométricos | Ensino Fundamental I

Sólidos geométricos são figuras com três dimensões e podem ser encontrados facilmente no nosso dia a dia. Cada sólido apresenta características únicas.

Sílabas | Ensino Fundamental I

Sílaba é o som que pronunciamos ao falarmos uma palavra. É formada por vogal ou por consoante mais vogal.

Lei do Ventre Livre

A Lei de Ventre Livre foi uma lei aprovada em 1871 que tinha como proposta iniciar a transição lenta e gradual do Brasil para a abolição do trabalho escravo.