Qual matéria está procurando ?

Ciências

Ciências

Revolução verde

Entenda o que significa o termo Revolução Verde, quais são os seus impactos e as polêmicas envolvendo os seus defensores e suas críticas.

Entende-se por Revolução Verde as sucessivas transformações e evoluções tecnológicas promovidas no espaço agrário por meio da introdução de técnicas e equipamentos avançados que visaram ao aumento da produtividade do solo, sobretudo no que se refere ao cultivo de alimentos.

O início da Revolução Verde é atribuído, geralmente, à década de 1940, embora o termo tenha sido elaborado nos anos 1960. Essa transformação no meio agrícola surgiu como uma consequência dos estudos iniciados nos anos 1920 pela Fundação Rockefeller, empresa norte-americana contratada pelo governo do México para ampliar a produtividade da agricultura e diminuir a sua fragilidade em relação às variações climáticas e de mercado.

O objetivo principal dessas transformações do campo é combater a fome no mundo, sendo também uma importante ferramenta para desfazer o ideal de que o número excessivo de pessoas no mundo poderia resultar na ausência de alimentos, que não aumentaria conforme o volume populacional. No caso mexicano, foram criadas novas variações de alguns produtos, tais como o milho, o que contribuiu para um intenso aumento na produtividade do campo, sobretudo de grãos.

Basicamente, as transformações geradas pela Revolução Verde envolvem a modificação genética de sementes e de produtos agrícolas para a obtenção de uma maior resistência a elementos externos, tais como o clima. Há também a melhoria de sistemas de produção, a exemplo dos maquinários utilizados (colheitadeiras, semeadeiras e outros equipamentos), dos fertilizantes e pesticidas e do desenvolvimento de técnicas de correção e melhoria dos solos. Dessa forma, espaços antes de difícil cultivo de determinadas espécies vegetais tornaram-se agricultáveis em algumas regiões.

O impacto e as melhorias da Revolução Verde foram tão notáveis que o agrônomo estadunidense Norman Ernest Borlaug (1914-2009) foi condecorado com o Prêmio Nobel da Paz, em razão do aumento na produção de alimentos gerado por suas melhorias no sistema agrário. Borlaug é considerado por muitos como o “pai” da Revolução Verde.

Críticas à Revolução Verde

Se, por um lado, os defensores da Revolução Verde argumentam em favor da importância desse processo para a melhoria da produtividade agrícola e da geração de alimentos, existem, por outro lado, aqueles que tecem pesadas críticas, tanto por questões socioeconômicas quanto por fatores ambientais.

Grupos ambientalistas afirmam que a Revolução Verde foi responsável pela expansão desordenada da agricultura sobre áreas naturais com a expansão da fronteira agrícola. Nesse contexto, o Cerrado brasileiro é frequentemente citado como uma área amplamente devastada ao longo do século XX pelo agronegócio, uma vez que os solos ácidos e de difícil cultivo dessa região foram ocupados pelo desenvolvimento de técnicas de correção, tais como a calagem (adição de calcário ao solo para regular a acidez).

Além disso, há quem afirme que a expansão das técnicas de cultivo permitiu também o avanço das monoculturas e dos latifúndios, haja vista que os valores dos investimentos nessas técnicas são geralmente elevados. Assim, de certo modo, a agricultura familiar ficou prejudicada, segundo o conteúdo dessas críticas, que consideram que o processo de Revolução Verde não foi acompanhado de uma política de democratização do campo com a realização da reforma agrária.


Área de cultivo de cana-de-açúcar no interior do estado de São Paulo *

Outro ponto que geralmente é utilizado nas críticas ao processo de modernização do campo é a mecanização intensiva do processo produtivo. Áreas de cultivo que empregavam dezenas e até centenas de trabalhadores do campo passaram a utilizar máquinas que demandam menos mão de obra, gerando desemprego e intensificando o êxodo rural.

Embora as críticas provoquem uma intensa polêmica e resultem em acalorados debates e discussões entre os seus defensores e os seus opositores, uma coisa é certa: é preciso superar a dicotomia entre produtividade e sustentabilidade ambiental e social a fim de produzir mais alimentos sem danificar o meio ambiente e concentrar os lucros.

* Créditos da imagem: AFNR / Shutterstock


Por Me. Rodolfo Alves Pena

Campo de cultivo de soja no Tocantins. A Revolução Verde permitiu a ampliação dos espaços agricultáveis Campo de cultivo de soja no Tocantins. A Revolução Verde permitiu a ampliação dos espaços agricultáveis
Por Rodolfo F. Alves Pena

Você pode se interessar também

Geografia

Agronegócio

Geografia

Agrotóxicos

Geografia

Fronteira Agrícola

Geografia

Mecanização do Campo

Últimos artigos

Período Helenístico

Período Helenístico foi iniciado com a conquista da Grécia pelos macedônicos e ficou marcado pela difusão da cultura grega a partir do reinado de Alexandre, o Grande.

Império Carolíngio

Império Carolíngio foi a continuidade do Reino dos Francos sob o controle da Dinastia Carolíngia, iniciada por Pepino, o Breve em meados do século VII.

Civilização Micênica

Civilização Micênica foi uma das grandes civilizações do período de formação do povo grego, conhecida por suas grandes cidades fortificadas e pelo seu bom comércio.

Peste de Atenas

Peste de Atenas foi uma epidemia que atingiu essa cidade grega em 430-427 a.C., bem no início da Guerra do Peloponeso, causando milhares de mortes.