Qual matéria está procurando ?

Português

Português

Descrição objetiva e subjetiva

Descrições objetivas e subjetivas são formas de caracterização de seres e objetos em textos.

A descrição é a tipologia textual cuja função é caracterizar seres e objetos. Ela é fundamental para a comunicação humana, pois é por meio das descrições que se definem ou se especificam os diversos elementos do mundo. Diversos gêneros textuais, tais quais o romance, a novela, a notícia, entre outros, têm trechos descritivos como fundamentais em suas estruturas. De certa forma, é possível dizer que existem dois tipos de descrição: a objetiva e a subjetiva.

Características da descrição objetiva

  • Pode ser definida como aquela que representa a realidade tal qual ela é, ou seja, sem a influência dos sentimentos ou pensamentos daquele que escreve.

  • O movimento literário Realismo é famoso por ter como uma de suas bandeiras a exaltação das descrições objetivas.

  • Em diversos textos do cotidiano — tais como as “especificações técnicas de um produto” ou ainda o “memorial descritivo do contrato de locação de imóvel” —, é necessário o uso de descrições objetivas.

  • Normalmente, uma descrição que se pretende objetiva costuma evitar o uso da primeira pessoa do discurso.

Características da descrição subjetiva

  • Pode ser definida como aquela em que as opiniões, perspectivas e sentimentos do autor interferem explicitamente no processo descritivo.

  • Um movimento literário que exaltava as descrições subjetivas foi o Romantismo.

  • No dia a dia, produzimos diversas descrições subjetivas, quando, por exemplo, explicamos o gosto de uma comida de que gostamos muito: “Esse sanduíche é um aconchego para minha barriga!”

  • O uso da primeira pessoa do singular, representado pelo pronome “eu”, é comum em textos cujas descrições tendem a ser subjetivas.

Leia também: Como escrever um texto narrativo?

Exemplos

Veja, a seguir, exemplos de trechos descritivos objetivos e subjetivos:

  • Texto 01

O Instituto Inhotim começou a ser idealizado pelo empresário mineiro Bernardo de Mello Paz a partir de meados da década de 1980. A propriedade privada se transformou com o tempo, tornando-se um lugar singular, com um dos mais relevantes acervos de arte contemporânea do mundo e uma coleção botânica que reúne espécies raras e de todos os continentes. Os acervos são mobilizados para o desenvolvimento de atividades educativas e sociais para públicos de faixas etárias distintas. O Inhotim, uma Oscip (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público), tem construído ainda diversas áreas de interlocução com a comunidade de seu entorno. Com atuação multidisciplinar, o Inhotim se consolida, a cada dia, como um agente propulsor do desenvolvimento humano sustentável.

(Instituto Inhotim)

Nesse texto, é possível identificar uma função principal: descrever o que é o Instituto Inhotim. Para isso, o autor não redigiu suas impressões sobre o lugar, mas sim apresentou fatos concretos sobre o espaço. Isso é perceptível em trechos como “[um lugar] com um dos mais relevantes acervos de arte contemporânea do mundo e uma coleção botânica que reúne espécies raras e de todos os continentes”.

Leia também: Textos injuntivos e textos prescritivos

  • Texto 02

Nosso pai era homem cumpridor, ordeiro, positivo; e sido assim desde mocinho e menino, pelo que testemunharam as diversas sensatas pessoas, quando indaguei a informação. Do que eu mesmo me alembro, ele não figurava mais estúrdio nem mais triste do que os outros, conhecidos nossos. Só quieto. Nossa mãe era quem regia, e que ralhava no diário com a gente — minha irmã, meu irmão e eu. Mas se deu que, certo dia, nosso pai mandou fazer para si uma canoa.

Era a sério. Encomendou a canoa especial, de pau de vinhático, pequena, mal com a tabuinha da popa, como para caber justo o remador. Mas teve de ser toda fabricada, escolhida forte e arqueada em rijo, própria para dever durar na água por uns vinte ou trinta anos. Nossa mãe jurou muito contra a ideia. Seria que, ele, que nessas artes não vadiava, se ia propor agora para pescarias e caçadas? Nosso pai nada não dizia. Nossa casa, no tempo, ainda era mais próxima do rio, obra de nem quarto de légua: o rio por aí se estendendo grande, fundo, calado que sempre. Largo, de não se poder ver a forma da outra beira. E esquecer não posso, do dia em que a canoa ficou pronta.

In: GUIMARÃES, R. A terceira margem do rio.

No início do conto de Guimarães Rosa, é possível encontrar a descrição do pai do narrador, assim como da atitude que esse havia tomado: construir um barco. A visão que o filho tem do pai é marcada pela memória afetiva pessoal e da comunidade que vivia — “Nosso pai era homem cumpridor, ordeiro, positivo; e sido assim desde mocinho e menino, pelo que testemunharam as diversas sensatas pessoas, quando indaguei a informação.”

Aproveite para conferir nossa videoaula relacionada ao assunto:

 

As descrições objetivas e subjetivas possuem particularidades específicas. As descrições objetivas e subjetivas possuem particularidades específicas.
Por Me. Fernando Marinho

Você pode se interessar também

Português

Os diferentes tipos de texto

Português

Gêneros textuais

Português

Romantismo

Português

Tipologias textuais

Últimos artigos

Animais onívoros

Animais onívoros são aqueles que podem alimentar-se de algas ou plantas e também de outros animais. Porcos e baratas são exemplos de animais onívoros.

Réveillon e Ano-Novo

O Réveillon e o Ano-Novo são datas comemorativas de final e início de ano e remetem a comemorações diferentes.

Revolução Praieira

A Revolução Praieira foi a última revolução provincial que aconteceu no Brasil durante o período monárquico e abalou Pernambuco, de 1848 a 1850.

Napoleão Bonaparte

Napoleão Bonaparte foi um dos grandes nomes da história francesa, sendo um general que expandiu os ideais da Revolução Francesa pelo continente europeu.