Qual matéria está procurando ?

Português

Português

Charge

Por dentro do universo cômico da charge: Clique e conheça a história desse interessante gênero textual!

Henrique de Souza Filho, mais conhecido como Henfil, foi um dos mais importantes chargistas do Brasil Henrique de Souza Filho, mais conhecido como Henfil, foi um dos mais importantes chargistas do Brasil

Você sabe o que é uma charge? Se você é uma pessoa bem humorada certamente vai gostar de conhecer um pouco mais sobre esse interessante gênero textual que combina linguagem verbal e linguagem não verbal. Vamos lá?

A palavra charge é de origem francesa e significa “carga”. Esse nome não foi escolhido por acaso, já que uma das principais características da charge é exagerar, seja sobre um fato, seja sobre uma pessoa, de modo a torná-los uma caricatura. A charge, que é um estilo de ilustração, tem como objetivo satirizar alguém, alguma situação ou acontecimento atual, por isso ela sempre está relacionada com um determinado contexto social, histórico, cultural ou político.

No Brasil, as charges são comumente encontradas em revistas e jornais, sejam eles impressos ou virtuais. Elas não devem ser confundidas com o cartum (do inglês cartoon), cuja principal característica é brincar com situações corriqueiras da sociedade. A charge é muito mais do que um desenho, é uma expressão de arte carregada de criticidade, uma maneira divertida e pouco convencional que o artista encontra para expor suas opiniões sobre eventos de seu tempo.


Por causa dessa charge, uma crítica ao Rei da França, o chargista Honoré Daumier ficou preso durante seis meses no ano de 1832!

A história da charge teve início na Europa no princípio do século XIX, quando pessoas que se opunham ao governo atreveram-se a criar uma nova forma de expressão para criticar a tirania e os desmandos de seus representantes. Essa nova forma aliou imagem e texto, além de, por meio de uma linguagem irreverente, conquistar a simpatia da população e fazer desse gênero um dos mais apreciados até os dias de hoje. No Brasil, temos grandes chargistas, inclusive, muitos foram alvos de censura na época da ditadura militar, quando fazer uma crítica social por intermédio de qualquer expressão artística podia ser muito perigoso!


Chargista Jaguar satirizando a música “Pra frente Brasil” em plena ditadura militar

A charge é muito mais do que um simples gênero textual, ela é, sobretudo, um agente transformador da realidade, pois expõe, por meio do bom humor, grandes problemas sociais, sempre com a intenção de provocar a reflexão e o debate. No Brasil, os principais representantes do gênero são Henfil, Laerte Coutinho, Millôr Fernandes, Angeli, Jaguar, Carlos Latuff, Ziraldo, entre outros, que defendem com competência e simpatia o humor político-social. Sobre o trabalho de chargista, certa vez falou Henfil:


Henfil, Laerte Coutinho, Millôr Fernandes e Ziraldo estão entre os principais chargistas brasileiros

Acho que meu trabalho tem um fim. A época do humor pelo humor já passou. Hoje o humor é jornalístico, tem de ser engajado, de ser quente. A fase da comunicação pura e simples acabou. O humor agora é de identificação. O meu objetivo é a identificação. Procuro dar um recado através do humor. Humor pelo humor é sofisticação, é frescura. E nesta eu não tou: meu negócio é pé na cara.”

Henfil


Por Luana Castro
Graduada em Letras

Por Luana Castro Alves Perez

Você pode se interessar também

Português

Caricatura

Português

Cartum e charge

História

Ditadura Militar no Brasil

Português

Gêneros textuais

Últimos artigos

Revolta da Armada

Revolta da Armada foi um levante armado organizado por membros da Marinha, em 1893. Esse movimento se deu pela forte oposição da Marinha a Floriano Peixoto.

Símbolos nacionais

Símbolos nacionais são quatro símbolos que, por determinação da nossa lei, representam a nação brasileira.

Guerra do Contestado

Guerra do Contestado foi um conflito que se estendeu de 1912 a 1916 e mesclou insatisfação social com messianismo religioso.

Encontro vocálico

O encontro vocálico ocorre quando uma vogal e uma semivogal aparecem uma depois da outra em uma palavra. Há três tipos de encontro vocálico: o ditongo, o tritongo e o hiato.