Qual matéria está procurando ?

História

História

Calendário Revolucionário Francês

Para romper com o Antigo Regime e com a Igreja, os republicanos franceses chegaram a criar um novo calendário. Saiba mais aqui!

Os calendários são utilizados para marcar a passagem do tempo, sendo decorrentes de conhecimentos desenvolvidos sobre astronomia. Na maior parte das vezes, são utilizados durante milhares de anos, representando heranças culturais que permanecem ao longo do tempo.

Agora, imagine de um dia para o outro os nomes dos dias, dos meses e das semanas mudarem? Foi o que aconteceu durante o período da Convenção Nacional, quando os revolucionários franceses criaram o Calendário da Revolução Francesa, adotado oficialmente em 1793.

O objetivo principal da criação de um novo calendário era romper com as heranças culturais do Antigo Regime e da Igreja Católica. O calendário vigente à época na França era o mesmo que utilizamos hoje em dia, o calendário gregoriano. O calendário gregoriano era uma atualização do calendário juliano, feita pelo papa Gregório XIII em 1545. Os domingos, por serem dias destinados às práticas religiosas católicas, e os feriados da Igreja deveriam ser abolidos. Assim como os meses do ano deveriam ser alterados, pretendendo uma utilização universal do novo calendário.

A tarefa de criar o novo calendário ficou a cargo do matemático Gilbert Romme. O novo calendário era também um calendário solar, dividido em 12 meses. A alteração apresentada por Romme foi colocar todos os meses com 30 dias, com três semanas de 10 dias cada uma. As semanas receberam o nome de decâmeros ou décadas. Os dias receberam nomes distintos, de animais, plantas e minerais e não se repetiam no mesmo ano.

Os cinco dias que sobrariam dentro dos 12 meses seriam transformados em feriados nacionais no final do ano. Seriam os feriados dos sans-culottes, em homenagem aos membros das classes populares francesas. Nos anos bissextos, utilizados para adequar a contagem do tempo do calendário aos movimentos celestes, mais um dia de feriado seria comemorado.

Os revolucionários franceses pretenderam também alterar a contagem do tempo durante os dias. Não haveria mais as 24 horas. O dia seria dividido em 10 horas. Cada hora teria mais cem unidades e cada uma dessas unidades seriam ainda subdivididas em outras cem partes. Uma hora do dia do calendário revolucionário representaria 2 horas e 24 minutos do nosso dia. Quanta confusão para os relojoeiros! Em virtude da dificuldade causada pela alteração da contagem das horas do dia, essa parte da proposta foi abandonada em 1795.

Relógio republicano. Graças à dificuldade de utilização da nova divisão das horas, ele foi rapidamente abandonado
Relógio republicano. Graças à dificuldade de utilização da nova divisão das horas, ele foi rapidamente abandonado.**

O Ano I do Calendário Revolucionário Francês iniciou-se em 22 de setembro de 1792, dia da instauração da República e dia do equinócio de outono no Hemisfério Norte. Mas foi oficialmente adotado apenas em 1793.

A característica mais marcante do calendário revolucionário francês foram os nomes adotados para cada um dos meses. Essa tarefa ficou a cargo do poeta Fabre d'Églantine, que nomeou os meses de acordo com os ciclos agrícolas e da natureza, característicos da França. O calendário revolucionário ficou desta forma:

Outono

Vindimiário (vendémiaire, referindo-se à colheita da uva): 22 de setembro a 21 de outubro;

Brumário (brumaire, referindo-se às brumas, aos nevoeiros): 22 de outubro a 20 de novembro;

Frimário (frimaire, referindo-se às geadas): 21 de novembro a 20 de dezembro.

Inverno

Nivoso (nivôse, referindo-se à neve): 21 de dezembro a 19 de janeiro;

Pluvioso (pluviôse, referindo-se às chuvas): 20 de janeiro a 18 de fevereiro;

Ventoso (ventôse, referindo-se aos ventos): 19 de fevereiro a 20 de março.

Primavera

Germinal (germinal, referindo-se à germinação): 21 de março a 19 de abril;

Florial (floréal, referindo-se às flores): 20 de abril a 19 de maio;

Prairial (prairial, referindo-se aos prados): 20 de maio a 18 de junho.

Verão

Messidor (messidor, referindo-se às colheitas): 19 de junho a 18 de julho;

Termidor (thermidor, referindo-se ao calor): 19 de julho a 17 de agosto;

Frutidor (fructidor, referindo-se ao fruto, à frutificação.): 18 de agosto a 20 de setembro.

Os dias dos sans-culottes seriam entre 17 de setembro e 21 de setembro.

É possível perceber nos nomes as características climáticas e agrícolas do calendário.

O calendário foi utilizado na França até o ano de 1806, quando o imperador Napoleão Bonaparte decretou a volta da utilização do calendário gregoriano. Essa medida representou, de certa forma, a ruptura de Napoleão com os ideais republicanos, já que além de deixar de usar o calendário criado em 1793, ele instaurou um novo império. O calendário revolucionário seria utilizado ainda uma última vez, em 1871, por algumas semanas, durante os eventos da Comuna de Paris.

* Crédito da Imagem: The Horological Foundation


Por Tales Pinto
Graduado em História

Representação do mês de Vindimiário, do calendário revolucionário francês, indicando o início da colheita da uva Representação do mês de Vindimiário, do calendário revolucionário francês, indicando o início da colheita da uva
Por Escola Kids

Você pode se interessar também

História

O Iluminismo

História

Origem dos termos Direita e Esquerda

História

Revolução Francesa: Convenção Nacional

História

Revolução Francesa: Diretório (1794-1799)

Últimos artigos

Lobisomem

O lobisomem é um homem amaldiçoado com a condição de se transformar em um ser violento, que é metade homem e metade lobo, todas as noites de lua cheia.

Sarampo

O sarampo é uma virose que pode desencadear complicações e até mesmo a morte. Causa febre, manchas no corpo e mal-estar.

Bicho-preguiça

Bicho-preguiça, também conhecido apenas por preguiça, é um animal vertebrado, mamífero, pertence à superordem Xenarthra, e habita desde a América Central até a América do Sul.

USMCA

A nova atualização do acordo trilateral entre Estados Unidos, México e Canadá foi chamada de USMCA. Esse acordo representa uma modernização da zona de livre comércio.