Qual matéria está procurando ?

Português

Português

Conjunções Coordenadas

As conjunções coordenadas ligam termos ou orações que não mantêm relação de dependência entre si.

Por certo o termo “conjunções” não representa para você nenhuma novidade, não é mesmo? Ora, não se lembra do texto “Conjunções”? Se não, vale a pena acessá-lo novamente. Pois bem, até aqui entendemos que as conjunções servem para ligar termos em uma determinada oração, mas o que não sabemos é que elas recebem classificações diferentes.

Por esse motivo é que conheceremos a partir de agora um pouquinho mais sobre elas, que também fazem parte das classes gramaticais – as conjunções. Primeiramente, estudaremos apenas uma de suas classificações: as coordenadas. Mas, antes de tudo, precisamos saber por que assim são chamadas. Preste atenção nos seguintes detalhes:

Pedro é bondoso e inteligente.

Percebemos que lá está, toda formosa: a conjunção “e”. Assim sendo, dando continuidade ao nosso entendimento, teremos que relembrar alguns conceitos relacionados ao sujeito e ao predicado. Para isso, observe:

Caso fôssemos desdobrar essa oração que nos serviu de exemplo, transformando-a em duas, obteríamos:

Pedro é bondoso.
Pedro é inteligente.

Ora, em ambas as orações estamos falando de Pedro, não é verdade? Sim, ele então é o sujeito, tanto de uma quanto da outra. Outro aspecto é que além de percebermos o sujeito, sabemos que há o predicado, ou seja: é bondoso/ é inteligente.

Quando isso ocorre dizemos que as duas possuem todos os elementos para que tenham sentido completo. E é exatamente por essa razão que são chamadas de coordenadas, ou seja, não dependem uma da outra para nada, são poderosas – independentes.

Assim sendo, de acordo com a ideia que expressam, que revelam, são dividas em:


As conjunções coordenadas recebem classificações distintas 

Aditivas – expressam uma ideia de adição. Para representá-las apresentamos as conjunções “e”, “nem” e “mas também”:

Pedro é bondoso e inteligente.
Você percebeu a ideia de soma, adição.

Adversativas – Dão uma ideia oposta, contrária. Geralmente são representadas pelas conjunções “porém, todavia, mas, contudo, entretanto”, entre outras:

Não pude comparecer ao aniversário, mas mandei o presente.

Aqui temos uma ideia contrária: a pessoa, mesmo não comparecendo à festa, mandou o presente.

Alternativas – Revelam uma ideia de alternância ou exclusão, isto é, uma coisa ou outra ou somente uma delas. São representadas pelas conjunções “ou... ou”, “ora... ora”:

Ou você fica quieto, ou terá que se retirar.
Ou você ou ela ficam para apresentar o trabalho.

Explicativas – Conforme já nos revela o próprio nome, indicam uma ideia de explicação, justificativa. As conjunções que as representam são “pois”, “porque”, “que” e “porquanto”:

Não compareci à aula, pois não estava me sentindo muito bem.

Percebemos que se trata de uma justificativa, revelando o motivo do não comparecimento à aula.

Conclusivas – Dão uma ideia de conclusão. São representadas pelas conjunções “logo”, “portanto”, “pois”, “por isso”:

Ela é bastante educada, logo todos a admiram.

Concluímos que todos a admiram em razão de ser bastante educada.


Por Vânia Duarte
Graduada em Letras

As conjunções coordenadas ligam termos ou orações que não mantêm relação de dependência entre si As conjunções coordenadas ligam termos ou orações que não mantêm relação de dependência entre si
Por Escola Kids

Você pode se interessar também

Português

Classes gramaticais

Português

Conjunções

Português

Paralelismo

Português

Orações coordenadas

Últimos artigos

Idade Moderna

Idade Moderna foi um dos períodos da História, iniciando-se em 1453 e finalizando-se em 1789. Foi o período dos regimes absolutistas e do surgimento do capitalismo.

Animais onívoros

Animais onívoros são aqueles que podem alimentar-se de algas ou plantas e também de outros animais. Porcos e baratas são exemplos de animais onívoros.

Réveillon e Ano-Novo

O Réveillon e o Ano-Novo são datas comemorativas de final e início de ano e remetem a comemorações diferentes.

Revolução Praieira

A Revolução Praieira foi a última revolução provincial que aconteceu no Brasil durante o período monárquico e abalou Pernambuco, de 1848 a 1850.