Qual matéria está procurando ?

Ciências

Ciências

Química dos refrigerantes

Conheça a composição química dos refrigerantes e o que você pode fazer para manter o sabor dessa bebida por mais tempo.

por Diogo Lopes Dias
O refrigerante é uma das bebidas não alcoólicas mais consumidas em todo o mundo O refrigerante é uma das bebidas não alcoólicas mais consumidas em todo o mundo

 Os refrigerantes são apreciados em quase todas as partes do mundo e possuem os mais diversos sabores. Essa bebida foi criada em 1772 quando o químico inglês Joseph Priestley desenvolveu uma forma de gaseificar a água mineral. A primeira indústria voltada para a fabricação desse produto propriamente dita surgiu nos Estados Unidos, em 1871. No Brasil, a primeira indústria começou a funcionar em 1905.

 Vários cientistas contribuíram para as mudanças realizadas nas formulações dos diferentes tipos de refrigerantes e também nas embalagens desses produtos. As primeiras garrafas de vidro utilizadas, por exemplo, eram na cor âmbar (escuras), depois foram modificadas para garrafas incolores.

 É de conhecimento geral que esse líquido é apreciado há muito tempo, mas o que é, de fato, um refrigerante? Qual é a sua composição química?

Trata-se de uma bebida carbonatada (presença de carbonatos) e não alcoólica. O diferencial do refrigerante em relação a outras bebidas não alcoólicas é a presença do gás carbônico em sua composição, o que se faz importante porque esse gás realça o sabor e a ação refrescante e bacteriostática (conserva as características originais). Para isso, o gás carbônico deve estar bem dissolvido no líquido, o que ocorre em temperaturas mais baixas.

Quanto mais gelado estiver o refrigerante, mais gás carbônico estará dissolvido
Quanto mais gelado estiver o refrigerante, mais gás carbônico estará dissolvido

A composição química dos refrigerantes é bastante ampla. Esse produto apresenta, além do gás carbônico, as seguintes substâncias:

  • Água: é a substância em maior quantidade na fórmula do refrigerante, algo em torno de 88%. Deve ter um elevado grau de pureza para ser utilizada;

  • Concentrados: são misturas de extratos, óleos e destilados de frutas ou vegetais. É o famoso xarope do refrigerante;

  • Carbonatos (CO3) e bicarbonatos (HCO3): são substâncias que, ao entrarem em contato com os ácidos presentes no refrigerante, regulam o seu pH, não possibilitando a acidez extrema;

  • Sulfatos (SO4) e fenóis (C6H6O): substâncias que têm o papel de ampliar o sabor do refrigerante;

  • Açúcar (sacarose/C12H22O11): é o segundo componente em maior quantidade na fórmula do refrigerante, cerca de 11%, e tem a função de adoçar e encorpar o produto. Em refrigerantes dietéticos ou de baixa caloria, o açúcar é substituído pelos edulcorantes, que adoçam e realçam o sabor, como a sacarina (C7H5NSO3) e o aspartame (C14H18N2O5);

    Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
  • Acidulante: é uma substância que, além de realçar o sabor, atua diminuindo o pH do refrigerante, tornando-o mais ácido e impedindo a proliferação de micro-organismos. O ácido cítrico (C6H8O7) é um exemplo de acidulante. Nos refrigerantes com sabor cola, o acidulante utilizado é o ácido fosfórico (H3PO4).

  • Antioxidante: é uma substância que impede que o gás oxigênio interaja com substâncias presentes no refrigerante e prejudique o odor e o sabor. O ácido ascórbico (vitamina C) é um antioxidante muito utilizado. A presença de luz e calor favorece a oxidação de alguns componentes do refrigerante.

  • Conservante: como existem bactérias e fungos que são resistentes à acidez do refrigerante e que, quando presentes, podem alterar a cor, odor e aroma, são utilizados alguns conservantes, como o benzoato de sódio (C7H5O2Na), para evitar a proliferação de micro-organismos acidorresistentes.

Nota-se que a composição de um refrigerante é bastante complexa, mas o que importa é que é uma bebida muito agradável ao paladar. Caso você queira manter o sabor do seu refrigerante agradável por mais tempo, siga as dicas a seguir:

  1. Mantenha-o o mais gelado possível;

  2. Prefira embalagens de vidro ou latas de alumínio (as embalagens de plástico permitem que parte do gás atravesse-as com o tempo);

  3. Caso compre uma garrafa grande e não tome tudo, despeje o restante em uma embalagem menor e tampe bem. Quanto maior o espaço livre na garrafa, mais facilmente o gás sairá do líquido.

  4. Não deixa o refrigerante exposto à luz e ao calor.

A embalagem de alumínio não permite a saída de gás pelas suas paredes
A embalagem de alumínio não permite a saída de gás pelas suas paredes


Por Me. Diogo Lopes Dias   

Você pode se interessar também

Ciências

Malefícios dos refrigerantes

Ciências

Química do vidro

Últimos artigos

Superbactérias

Superbactérias ou bactérias multirresistentes é o nome dado às bactérias que são resistentes a vários antibióticos, fato que dificulta o tratamento de infecções.

Coala

O coala é um animal australiano que pertence à ordem Diprotodontia, a mesma ordem em que estão presentes os wallabies e cangurus.

Corrida espacial

A corrida espacial foi uma disputa realizada entre americanos e soviéticos, entre 1957 e 1975, na qual procuravam realizar grandes avanços na exploração espacial.

Sputnik, o primeiro satélite artificial da Terra

Os soviéticos foram os responsáveis por lançar o primeiro satélite artificial que orbitou a Terra em 1957. Esse feito deu início à conhecida corrida espacial.