A figura do mercador na Baixa Idade Média

  • Atualmente 0/5 Estrelas.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
A figura do mercador na Baixa Idade Média Marco Polo foi um dos mercadores mais emblemáticos da Idade Média
Por Cláudio Fernandes
PUBLICIDADE

Quando estudamos a estrutura social da Idade Média, geralmente nos deparamos com aquela definição clássica das três formas de atividade entre os homens do medievo, isto é, os oradores, os guerreiros e os lavradores. Essa estrutura está associada, em termos gerais, ao sistema feudal e aos laços sociais criados por esse sistema.

Entretanto, na medida em que as cidades medievais passaram a organizar-se, outras figuras foram aparecendo, como a dos artesãos, ligados às Corporações de Ofício. Todavia, o mais intrigante dessas novas personagens era o mercador.

As cidades medievais começaram a desenvolver outras funções a partir do chamado Renascimento comercial e urbano, ocorrido nos séculos da Baixa Idade Média, isto é, a partir do século XI. As cidades que funcionavam basicamente como fortalezas passaram a receber pessoas de outras regiões do mundo interessadas em comprar e vender mercadorias. As cidades portuárias do Mediterrâneo e dos Mares do Norte, como Gênova, Veneza, Amsterdã e Antuérpia, tornaram-se grandes polos comerciais nesse período.

A figura do mercador tornou-se a mais ajustável a esse contexto. Ao contrário da fixidez social da sociedade feudal, o clima nas cidades, permeado pela atmosfera da burguesia em formação (burguesia vem de burgos, cidades), possibilitava uma ampliação de horizontes culturais, técnicos, científicos e comerciais. Os mercadores tinham como função principal viajar para regiões muito diversas e trazer desses lugares o que fosse mais necessário e mais interessante.

Assim, cada mercador precisava desenvolver uma série de habilidades e servir-se de todas elas. Eram necessários ao mercador, por exemplo, conhecimentos náuticos, domínio de bússolas, astrolábios, orientação astronômica etc. Ao mesmo tempo, para tratar dos negócios em terras estrangeiras, o mercador precisava aprender novas línguas e articular-se bem com comerciantes da Ásia Menor e do Extremo Oriente. Sem contar a aquisição de saber sobre moedas e formas de troca econômica com esses povos. Um exemplo notável de mercador foi Marco Polo, que ficou conhecido, entre tantas outras coisas, por trazer da China para a Península Itálica o macarrão.

Aos mercadores alguns historiadores ainda atribuem lampejos do que viria a ser o humanismo dos séculos XV e XVI. O cosmopolitismo proporcionado pela prática da navegação e o conhecimento técnico e científico associado a essa prática desenvolveriam o interesse por novas descobertas e invenções. Um exemplo notável de personalidade histórica humanista ligada ao universo dos mercadores é o de Cristóvão Colombo, nascido em Gênova e um dos maiores navegadores de alto-mar da modernidade.


Por Me. Cláudio Fernandes

Avaliação

-


    Escola Kids